Fevereiro 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Primeiro-ministro de Portugal destruído por escutas telefónicas, jantares luxuosos e pilhas de dinheiro

Primeiro-ministro de Portugal destruído por escutas telefónicas, jantares luxuosos e pilhas de dinheiro

O escândalo que derrubou o primeiro-ministro socialista de Portugal envolveu alegações de festas comerciais pródigas com investidores estrangeiros, “pagamentos de influência” e misteriosas acumulações de dinheiro.

No centro da investigação que levou à demissão de António Costa está um projecto de centro de dados de 3,5 mil milhões de euros (3,8 mil milhões de dólares) denominado Ciência 4.0, que o primeiro-ministro e o seu gabinete têm feito questão de promover e celebrar. Alimentado exclusivamente por energias renováveis, deverá ser o maior investimento estrangeiro de Portugal em 30 anos e demonstra a ambição da UE de “verde” a economia e de combater as alterações climáticas.

Mas o Ministério Público de Portugal disse que a Start Campus, a empresa que gere o programa, tentou obter resultados favoráveis ​​influenciando funcionários públicos, o que constitui um crime.

A “Operação Influenciador”, como a apelidaram os promotores, gira em torno dos esforços da empresa para superar obstáculos burocráticos e do papel de um advogado que virou consertador e chamou Costa de seu “melhor amigo” – Diogo Lacerta Machado.

O primeiro-ministro insistiu que não fez nada de errado, mas renunciou no dia em que as acusações surgiram no mês passado, abrindo caminho para eleições gerais em março.

Os políticos da oposição que apoiam os advogados dizem que eles iluminam um mundo obscuro onde as empresas procuram evitar a burocracia e procurar patrocínio. Tais práticas, dizem, são uma afronta à integridade e à boa governação no país, que é membro da União Europeia desde 1986.

Mas os críticos dos procuradores acusam-nos de serem excessivamente zelosos e ingénuos – e de mancharem desnecessariamente a reputação arduamente conquistada de Portugal como um íman para o capital estrangeiro.

Um dos oito suspeitos formais do caso é Vitor Escaria, que era chefe de gabinete de Costa no momento da sua detenção. Pouco depois, a polícia encontrou 75.800 euros em envelopes no seu escritório. O primeiro-ministro cessante classificou o esconderijo como uma “traição de confiança”.

READ  Documentos relacionados à polêmica cidadania portuguesa de Abramovich vazaram online

O advogado de Escaria disse que o dinheiro era “completamente irrelevante” para a Operação Influencer e era “relevante”. [Escária’s] Atividade profissional anterior.” Em 2017, o assessor renunciou ao cargo de conselheiro econômico do primeiro-ministro em meio a um escândalo envolvendo uma empresa que pagava políticos para participarem do torneio de futebol Euro 2016.

O caso implica dois proprietários da Start Campus: Pioneer Point Partners, um pequeno grupo de investimento em infra-estruturas de Londres, e Davidson Kempner Capital Management, uma empresa de investimentos sediada em Nova Iorque com 37 mil milhões de dólares em activos sob gestão.

Todos os suspeitos – Machado, Escaria e outros três que estiveram detidos durante quase uma semana – negam qualquer irregularidade. Ninguém foi acusado enquanto a investigação continua.

Os procuradores afirmam que o papel de Diogo Lacerta Machado, do centro, era estabelecer contactos e exercer influência e pressão sobre membros do governo, funcionários de órgãos locais e outras instituições públicas.

Machado, que entregou o passaporte e teve de pagar 150 mil euros de fiança, foi antigo amigo de Costa na faculdade de direito e padrinho de casamento. No passado, Costa contratou-o para lidar com questões espinhosas, incluindo a nacionalização da companhia aérea TAP e uma disputa bancária com Isabel dos Santos, a filha bilionária do antigo presidente angolano.

Num documento judicial apresentado pelos procuradores e visto pelo Financial Times, alegam que uma pessoa não identificada “agindo sob a direção e interesses” da Pioneer Point concordou com Machado em troca de recompensas financeiras. Estreita relação com Costa e Escaria.

A Start Campus contratou Machado como consultor e pagou-lhe um salário líquido que acabou por subir para 6.533 euros por mês, confirmou o advogado de Machado.

O papel de Machado, dizem os promotores, era “estabelecer contatos e exercer influência e pressão sobre membros do governo, funcionários de órgãos locais e outras instituições públicas”. O objetivo é “determinar a direção das atividades desses membros e dirigentes ou, pelo menos, garantir que todas as suas atividades sejam realizadas de forma expedita no interesse do sistema”.

READ  ANA Aeroportos de Portugal revela ‘Experiência Biométrica’

Num exemplo apresentado pelos procuradores, o seu caso baseia-se em múltiplas escutas telefónicas que mostram Machado e o presidente da Câmara de Ciência do Start Campus, Nuno Mascarenhas, a prestar “favores” – outro suspeito. Esses benefícios incluíam 5.000 euros em patrocínio para um festival de música na cidade do sul de Portugal, mas um juiz disse que não havia provas fortes de qualquer irregularidade por parte do presidente da Câmara.

O mesmo juiz rejeitou as acusações de corrupção e negligência médica contra os outros detidos. Mas ele disse que há evidências de influência de Machado, Escaria e dois executivos do Start Campus: Afonso Salema, seu presidente-executivo, e Rui Oliveira Neves, seu diretor jurídico, que se demitiram.

Numa declaração através do seu representante legal, Machado disse ao FT: “Em todos os países civilizados e economias capitalistas, agir como um advogado que representa os clientes não prejudica os negócios”.

Os promotores também citaram várias refeições caras, incluindo um jantar “inadequado” de 1.302 euros pago pela Start Campus, onde Salema e Neves agora se juntam a dois suspeitos – o ministro das Infraestruturas, Jono Calamba, que renunciou, e Nuno Lacasta, presidente da agência ambiental de Portugal – juntamente com uma terceira pessoa.

O projecto Start Campus, localizado perto do porto de águas profundas de Sines e que deverá abrir o seu primeiro data center no próximo ano, enfrentou dois grandes problemas. Um deles obteve permissão para construir uma zona de conservação que abriga espécies protegidas, incluindo sapos e corujas, o que acabou sendo obtido. Outra é garantir ligações adequadas entre a Ciência 4.0 e a rede eléctrica nacional, uma batalha contínua.

Os críticos tentaram destacar os erros dos advogados, incluindo uma escuta telefónica que confundiram com o ministro da Economia, António Costa Silva, como referindo-se ao então primeiro-ministro.

READ  O que mais preocupa os portugueses em 2023?

Mas o principal argumento contra os advogados é que eles são demasiado puritanos na sua abordagem e não compreendem as funções de promoção de negócios e investimentos.

O advogado de Machado disse: “Claro que isto é lobby. Mas não é ilegal. É uma denúncia de um esquema político-administrativo.

A Start Campus, suspeita no caso, disse no mês passado que “reafirma seu compromisso inabalável com a transparência, a legalidade e a integridade de todas as suas operações”. A Pioneer Point e Davidson Kempner estão “comprometidos com o desenvolvimento contínuo do projeto”, afirmou.

António Costa
António Costa disse depois de deixar o cargo que o papel do setor público de Portugal na atração de capital e na facilitação de procedimentos deveria ser protegido. ©AB

Quatro dias após a sua demissão, Costa abordou os receios de que a Operação Influencer assustasse os investidores. “Os futuros governos devem proteger o papel do sector público na atração de capital e na simplificação de procedimentos para não perderem ferramentas políticas essenciais para atrair investimento”, afirmou.

Costa não foi citado como suspeito nem formalmente acusado de irregularidades, mas a sua conduta está sob escrutínio do Supremo Tribunal, cujos advogados estão a recolher informações separadamente antes de um julgamento oficial.

No entanto, foi ferido pelas revelações de que alguns suspeitos tinham “usado o nome e a autoridade do Primeiro-Ministro e a sua intervenção para bloquear procedimentos”. Costa disse que nunca falou com Machado sobre o Start Campus — e que pediu demissão para salvar a “dignidade” do cargo.

O caso suscitou alguma reflexão em Lisboa sobre os acertos e erros do lobbying, um evento em grande parte não regulamentado e até inóspito em Portugal.

Um diplomata estrangeiro questionou se organizar coquetéis consulares para apresentar empresários a funcionários públicos teria se tornado perigoso: “Onde terminam os processos amistosos e começam os abusos?”

Reportagem adicional de Carmen Mula em Madrid e Sergio Anibal em Lisboa