fevereiro 9, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Presidente do Peru pede ao Congresso que prossiga com eleições em meio a protestos mortais

Presidente do Peru pede ao Congresso que prossiga com eleições em meio a protestos mortais

LIMA (Reuters) – A presidente do Peru, Dina Boloart, que disse liderar um governo de transição, pediu ao Congresso do país que aprove uma moção para antecipar a data das eleições gerais em entrevista coletiva no palácio presidencial neste sábado.

Boloart, ex-vice-presidente do Peru, assumiu a presidência no início deste mês, depois que o então presidente esquerdista Pedro Castillo tentou dissolver o Congresso ilegalmente e foi preso.

Desde então, protestos eclodiram em todo o país e pelo menos 17 pessoas foram mortas. As autoridades disseram que mais cinco morreram como resultado de consequências indiretas dos protestos.

No sábado, Boulwart respondeu aos manifestantes que pediam sua renúncia, dizendo “isso não resolve o problema” e que ela, por sua vez, havia enviado o projeto de lei ao Congresso.

Na sexta-feira, o Congresso do Peru rejeitou uma proposta de reforma constitucional para adiar as eleições para dezembro de 2023. Alguns membros do Congresso pediram ao Legislativo que reconsiderasse a proposta.

“Exijo uma reconsideração do voto para enriquecer as eleições”, disse Boulwart, criticando os membros do Congresso que anteriormente se abstiveram de votar.

Também rejeitou os pedidos de uma assembléia constituinte, dizendo que “não era o momento certo”. Alguns líderes de esquerda convocaram a assembléia, que reescreverá a constituição do Peru de 1993, para fortalecer o papel do Estado na economia.

Boulwart disse que haverá uma remodelação ministerial em seu gabinete também nos próximos dias, após a renúncia do ministro da Educação e do ministro da Cultura na sexta-feira.

READ  Daguestão: Protestos eclodem em uma região russa devido às ordens de mobilização de Putin

“Vamos reconfigurar o gabinete para poder instalar ministros bem informados em todos os setores”, disse ela.

A saída de sexta-feira do Gabinete levanta questões sobre a continuação do governo Boulwart, que foi abalado por turbulências políticas.

Protestos desde a prisão do ex-presidente Castillo, que estava em prisão preventiva enquanto enfrentava acusações de rebelião e conspiração, paralisaram o sistema de transporte do Peru, fechando aeroportos e bloqueando rodovias.

Na quarta-feira, o governo de Bulwart declarou estado de emergência, dando poderes especiais à polícia e restringindo os direitos dos cidadãos, incluindo o direito de se reunir.

Os manifestantes também bloquearam as fronteiras do Peru, deixando os turistas presos e bloqueando o comércio.

“Queremos que o Congresso seja fechado imediatamente. Queremos que Dina Boulwart renuncie.” “Hoje o povo peruano está de luto… todo o Peru está em conflito.”

O comandante das Forças Armadas do Peru, Manuel Gomez, criticou os manifestantes durante a entrevista coletiva. “Esses bandidos vão de violentos a terroristas.”

Os agentes alegaram ainda no sábado que a polícia havia invadido a sede de um partido de esquerda e um grupo camponês na capital, Lima, por suspeita de proteger essas pessoas “violentas”.

Políticos de esquerda rejeitaram os ataques. “O estado de emergência está sendo usado para cometer abusos”, disse a deputada Sigrid Bazan, que se deslocou a um dos locais.

(Reportagem de Marco Aquino e Kaylee Madre) Reportagem adicional de Monica Machikao. Edição por Shizuo Nomiyama, Diane Kraft e Jonathan Otis

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.