setembro 25, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Possível caso de Síndrome de Havana atrasa viagem de Harris ao Vietnã

Possível caso de Síndrome de Havana atrasa viagem de Harris ao Vietnã

Hanói (AFP) – A viagem do vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, de Cingapura ao Vietnã foi atrasada várias horas na terça-feira devido à investigação de dois possíveis casos de síndrome de Havana em Hanói, disseram funcionários do governo.

A investigação estava em seus estágios iniciais e as autoridades consideraram seguro para Harris fazer sua parada programada no Vietnã, parte de sua jornada pela Ásia com o objetivo de tranquilizar os aliados sobre a política externa dos EUA em meio à turbulenta evacuação das tropas americanas do Afeganistão. Síndrome de Havana é o nome de uma série de misteriosos incidentes de saúde relatados pela primeira vez por diplomatas norte-americanos e outros funcionários do governo na capital cubana a partir de 2016.

As autoridades americanas “levam muito a sério qualquer incidente relatado da síndrome de Havana”, disse o secretário de Imprensa Jen Psaki em uma entrevista coletiva na Casa Branca na terça-feira.

Psaki disse que as autoridades americanas ainda não confirmaram o último caso relatado, e não inclui ninguém viajando com Harris. À luz dos relatórios, Psaki disse, “uma avaliação de segurança da vice-presidente foi feita e foi decidido que ela pode continuar a viajar com sua equipe”.

Autoridades disseram que houve dois casos separados de incidentes de saúde inexplicáveis ​​relatados por funcionários dos EUA no Vietnã na semana passada. Não ficou claro quem foi afetado pela síndrome, embora as autoridades tenham dito que não era alguém que trabalhava com o vice-presidente ou com a Casa Branca, de acordo com as autoridades, que não tinha permissão para falar publicamente sobre a investigação em andamento.

A embaixada dos Estados Unidos em Hanói divulgou um comunicado dizendo que o atraso ocorreu porque o escritório de Harris soube de um relatório de “um incidente de saúde potencialmente anormal recentemente” na capital vietnamita. A embaixada não forneceu detalhes, mas disse que o escritório de Harris decidiu viajar para Hanói “após uma avaliação cuidadosa”.

READ  O país mais longo do mundo tornou-se mais curto

O governo dos EUA usa uma “anomalia de saúde” para descrever a síndrome. Alguns dos afetados relataram ouvir um som alto e penetrante e sentir uma pressão intensa no rosto. Isso é seguido por dor, náusea e às vezes tontura.

Problemas de saúde inexplicáveis ​​e semelhantes foram relatados por americanos servindo em outros países, incluindo Alemanha, Áustria, Rússia e China. Uma variedade de teorias foi apresentada para explicar os incidentes, incluindo um micro-ondas direcionado ou ataque acústico, possivelmente como parte de espionagem ou esforços de hacking.

Particularmente preocupante é a divulgação de pelo menos dois incidentes potenciais na área de Washington, incluindo um perto da Casa Branca em novembro, onde um oficial relatou vertigem. Funcionários do governo especularam que a Rússia pode estar envolvida, uma sugestão que Moscou negou.

Harris deveria partir para Hanói na noite de terça-feira após fazer um discurso em Cingapura, criticando a China por suas incursões no Mar da China Meridional e discutindo questões de cadeia de suprimentos com líderes empresariais.

Mas o vôo atrasou mais de três horas e Simon Sanders, o porta-voz da Harris, se recusou a explicar. Sanders disse, sem querer, que Harris estava “bem”, embora os repórteres tenham visto a vice-presidente várias vezes na terça-feira e não tivessem motivos para se preocupar com sua saúde.

O Congresso levantou alarmes sobre esses ataques, encontrando raro apoio bipartidário na Câmara e no Senado para continuar uma investigação governamental sobre a síndrome, respondendo além de milhões em apoio à vigilância e tratamento médico para funcionários americanos.

O governo Biden está enfrentando nova pressão para resolver o mistério, já que o número de casos relatados de um possível ataque aumentou drasticamente. Mas os cientistas e funcionários do governo ainda não têm certeza de quem pode estar por trás dos ataques, ou se os sintomas foram desencadeados inadvertidamente por equipamentos de monitoramento – ou se os incidentes foram de fato ataques.

READ  O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, anuncia que não vai concorrer à reeleição como líder do partido | Japão

Seja qual for a conclusão da revisão oficial, ela pode ter consequências desastrosas. A afirmação de que um adversário dos Estados Unidos lançaria ataques mal-intencionados contra o pessoal americano desencadearia apelos por uma resposta forte dos Estados Unidos.

Por enquanto, o governo está dando garantias de que está levando o assunto a sério, está investigando agressivamente e garantirá que os afetados recebam atendimento médico de qualidade.

Uma análise importante identificou a “energia de radiofrequência dirigida por pulso” como a causa mais plausível. O relatório, publicado pela National Academy of Sciences em dezembro, disse que o ataque de radiofrequência pode alterar a função cerebral sem causar “graves danos estruturais”. Mas a comissão não conseguiu chegar a uma conclusão definitiva sobre como o pessoal americano foi infectado.

O relatório do Departamento de Estado de 2018, que foi desclassificado, observou uma “falta de liderança sênior, comunicações ineficazes e caos sistêmico” na resposta aos casos de Havana. O relatório diz que a causa dos ferimentos é “atualmente desconhecida”. O documento foi publicado pelo National Security Archive da George Washington University.

Chris Miller, secretário de defesa interino durante os meses finais da administração Trump, criou uma equipe no Pentágono para investigar os ataques suspeitos. Foi depois que ele conheceu um soldado no ano passado que descreveu como, enquanto servia em um país que Miller não reconheceu, ele ouviu um “grito” e então teve uma forte dor de cabeça.

___

Lumiere relatado em Lowell, Massachusetts. Reportagem adicional foi contribuída pelos autores da Associated Press, Matthew Lee e Lisa Mascaro, em Washington.