maio 27, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

PCs com Windows priorizados sobre Chromebooks em falta de componentes

Em um mundo de tecnologia ainda prejudicado pela escassez de componentes, escolhas precisam ser feitas. E no mundo dos laptops, parece que a escolha são os dispositivos baseados em Windows em vez daqueles que executam o Chrome OS.

A IDC divulgou na segunda-feira os primeiros dados de seu último Rastreador Trimestral Mundial de Dispositivos de Computação Pessoal. Ele apontou um declínio acentuado de 63,6% nas remessas de Chromebooks, que a IDC define como “envios para canais de distribuição ou usuários finais, no quarto trimestre de 2021 (4,8 milhões de remessas) em comparação com o quarto trimestre de 2020 com (13,1 milhões de remessas)”.

Além da saturação do mercado, problemas de fornecimento também prejudicam as remessas de Chromebooks, pois o setor ainda luta com a escassez de componentes de PC, de CPUs a circuitos integrados para módulos Wi-Fi e gerenciamento de energia.

“A oferta também tem sido excepcionalmente baixa para os Chromebooks, pois a escassez de componentes levou os fornecedores a priorizar as máquinas Windows devido aos seus preços mais altos, suprimindo ainda mais as remessas de Chromebooks em escala global”, disse Jitesh Ubrani, gerente de pesquisa da Mobility and Consumer Device Trackers da IDC. em um comunicado que acompanha o anúncio de segunda-feira.

Ubrani disse à Ars Technica que a IDC não sabe ao certo se são especificamente as máquinas baseadas no Windows 10 ou no Windows 11 que têm prioridade sobre os dispositivos Chrome OS. Windows 11 estreou em 2021, dando aos fabricantes de PC desculpa para atualizar linhas com sistemas “prontos para Windows 11”.

Mas com a disponibilidade de PCs ainda escassa, é provável que o Windows 11 tenha um impacto menor nas vendas de PCs.

“Geralmente, o lançamento de um novo sistema operacional impulsionou a demanda, embora desta vez a demanda já seja bastante alta e a oferta seja baixa, então os compradores não estão tomando sua decisão de compra com base na versão do sistema operacional”, disse Ubrani à Ars Technica. . “Como resultado, não acreditamos que o Windows 11 tenha tido um impacto específico na [Chrome OS device shipments] ou o mercado de PCs em geral.”

Ubrani também apontou para a saturação do mercado nos EUA e na Europa, que estavam mais famintos por Chromebooks à medida que o aprendizado e o trabalho remotos cresciam, à medida que desacelerava o crescimento global. De acordo com Ubrani, “a demanda por Chromebooks em mercados emergentes teve um crescimento contínuo no ano passado”.

Mas os Chromebooks eram realmente mais populares em 2021 do que em 2020, com mais 4,4 milhões de máquinas vendidas. A Lenovo teve o maior crescimento, passando de 6,7 milhões de vendas de Chromebooks em 2020 para 8,3 milhões em 2021.

Com 10,2 milhões de dispositivos, a HP vendeu mais Chromebooks no ano passado do que qualquer outro fornecedor.

READ  Por que Jony Ive deixou a Apple para 'contadores'