fevereiro 7, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Para viver mais, mostra o estudo, você pode acelerar apenas três minutos por dia

Suspensão

Apresse-se para o ponto de ônibus. Ele subiu as escadas correndo. Jogue cartas com seus filhos. Brinque com o cachorro. Varrer a sala de estar com um pouco de zing extra. Aumentar o vigor e a energia em nossas atividades diárias pode ter um impacto significativo em nossa longevidade, de acordo com um relatório fascinante. Novo estudo gravidade do movimento e mortalidade.

O estudo descobriu que pelo menos três minutos por dia de atividade diária vigorosa está associado a um risco 40% menor de morte precoce em adultos, mesmo quando eles não se exercitam.

“É uma pesquisa fascinante”, disse Ulrik Wisloff, diretor do KG Jebsen Center for Exercise in Medicine da Norwegian University of Science and Technology em Trondheim. A atividade e a longevidade foram estudadas extensivamente, mas não foram envolvidas no novo estudo.

Os resultados do estudo juntam-se às crescentes evidências científicas de que adicionar um pouco de intensidade às nossas vidas traz enormes benefícios para a nossa saúde, sem a necessidade de equipamentos, instruções, academias ou tempo extra.

Um exercício rápido de ciências que você pode fazer em qualquer lugar

A ideia de que a maneira como nos movemos afeta quanto tempo vivemos não é nova. Muitas pesquisas vinculam o exercício regular a uma vida mais longa, incluindo a saúde geral oficial Diretrizes de exercíciosque recomenda pelo menos 150 minutos por semana de exercícios moderados para saúde e longevidade.

No entanto, pesquisas mais focadas sugerem que intensificar alguns de nossos exercícios – certificando-se de que nossos batimentos cardíacos e respiratórios sejam elevados – aumenta os benefícios para a saúde. em 2006 em grande escala estudar Do laboratório de Wisloff, por exemplo, apenas 30 minutos por semana de exercícios intensos reduziram o risco de morte por doenças cardíacas em cerca de metade em homens e mulheres, em comparação com pessoas que não se exercitaram. Da mesma forma, A.J. estudar Publicado no ano passado no JAMA Internal Medicine concluiu que as pessoas que ocasionalmente se esforçavam durante o exercício tinham 17% menos probabilidade de morrer prematuramente do que outras pessoas que faziam a mesma quantidade de exercício, mas em um ritmo moderado e suave.

READ  SpaceX lançou com sucesso a missão Starlink na sexta tentativa - Spaceflight Now

Esses dois estudos, e pesquisas anteriores semelhantes, foram baseados na auto-recordação das pessoas sobre o quanto e a intensidade com que se exercitam. Eles também foram estudos de exercícios, o que os torna de importância inerente para as pessoas que se exercitam ou querem se exercitar, o que não é a maior parte da humanidade.

“Se formos honestos, a maioria das pessoas é alérgica à palavra ‘exercício'”, disse Emmanuel Stamatakis, professor de atividade física e estudos de saúde da Universidade de Sydney, na Austrália, que liderou o novo estudo.

O benefício para a saúde de tarefas rápidas e correr atrás de crianças pequenas

Reconhecendo essa situação, ele e seus colegas recentemente começaram a se perguntar sobre os efeitos das atividades não esportivas – aquelas tarefas e movimentos repetitivos que ocupam grande parte de nossos dias, mas não se exercitam. Seria importante para a saúde das pessoas se essas atividades fossem realizadas de forma mais rápida, mais difícil e com menos energia?

Para descobrir, os pesquisadores recorreram a dados abrangentes armazenados no UK Biobank, que inclui os registros de saúde de centenas de milhares de homens e mulheres britânicos, a maioria dos quais usou um acelerômetro por uma semana após ingressar no Biobank para rastrear seus movimentos diários. Os cientistas retiraram registros de 25.241 desses adultos, com idades entre 40 e 69 anos, todos os quais disseram aos pesquisadores que nunca haviam se exercitado.

Em seguida, os cientistas começaram a analisar suas atividades diárias em detalhes minuciosos, quantificando a intensidade de seus movimentos aproximadamente segundo a segundo, com base na velocidade do passo e outros dados. Stamatakis disse que a análise consumiu três meses de tempo de computador.

READ  Como a NASA finalmente descongelou uma casquinha de sorvete gigante

Mas, no final, os pesquisadores conseguiram mapear os movimentos breves dos participantes, como quando alguém corre para pegar um trem ou persegue uma criança pequena. Essas ondas somáticas podem durar menos de um minuto.

Mas eles foram significativos para a mortalidade. Ao comparar os padrões de atividade aos registros de morte por cerca de sete anos depois que as pessoas ingressaram no Biobank, os cientistas descobriram que os homens e mulheres que praticavam em média 4,4 minutos por dia do que os cientistas chamavam de atividade física vigorosa e intermitente tinham cerca de 30% menos probabilidade de morrer. Morreu daqueles que raramente se moviam rapidamente de alguma forma.

Como ficar sentado o dia todo pode causar problemas de saúde – mesmo se você se exercitar

Apenas mova-se vigorosamente algumas vezes ao dia

Postar esses curtos períodos de atividade aumentou os benefícios. Quando as pessoas podiam fazer pelo menos três rajadas aceleradas separadas de movimento durante um dia, cada uma durando menos de um minuto, seu risco de morrer diminuía em 40%, em comparação com pessoas que nunca aceleravam. Eles não se exercitaram. Eles conseguiram pegar o ritmo de algo que estavam fazendo, pelo menos três vezes ao dia.

Por fim, os pesquisadores realizaram uma análise semelhante dos dados de 62.344 homens e mulheres em um Biobanco que se exercitavam, embora a maioria em ritmo moderado. Quando essas pessoas podiam se envolver em atividades mais intensas por alguns minutos na maioria dos dias, seja durante os treinos ou nas tarefas diárias, seu risco de morrer era menor do que se se exercitassem, mas não era nada difícil.

READ  O foguete Artemis I está se preparando para ser lançado à lua em agosto

“Há algo sobre a intensidade”, disse Stamatakis.

Para promover suas próprias atividades, continuou Stamatakis, mova-se com força e rapidez o suficiente para que uma conversa pareça impossível. Tente atingir esse nível de falta de ar três ou quatro vezes ao dia, por um minuto ou dois, de preferência enquanto estiver fazendo algo que precisa fazer de qualquer maneira.

Este estudo tem limitações. É uma associação, disse Stamatakis, apenas mostra uma relação entre golpes rápidos de esforço e nossa expectativa de vida, e não nos diz por que a intensidade é importante, embora outras pesquisas sugiram que exercícios pesados ​​melhoram a resistência e a saúde cardiovascular mais do que exercícios leves.

Ele concluiu que o resultado do estudo é que correr para fazer as tarefas domésticas agora pode nos comprar anos mais tarde.

Você tem uma pergunta de fitness? E-mail YourMove@washpost.com Podemos responder sua pergunta em uma coluna futura.

Subscreva a newsletter Well + Being, a sua fonte de dicas especializadas e dicas simples para o ajudar a viver bem todos os dias