fevereiro 4, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Os museus “conversam” com as obras (das ex-colónias portuguesas)

Ministro da Cultura adota ‘agenda despertada’; A oposição não tem tanta certeza

É uma ‘nova grande polémica’: na semana passada, o ministro da Cultura, Adão Silva, disse ao Expresso que era altura de pensar na devolução de obras de arte que haviam sido ‘saqueadas’ das ex-colónias no passado; Os partidos políticos estão ‘reagindo’ esta semana.

Os sociais-democratas do PSD, os comunistas do PCP, o Bloco de Esquerda (Bloco de Esquerda) e o CHEGA querem ouvir o luto. Exigem uma ‘investigação’ a ​​Adão Silva, que disse não querer que o assunto “criasse um debate público polarizado”.

Para ser justo, esta é provavelmente a última coisa na mente das pessoas agora. 36 em nove meses (diz o Expresso).

Podemos falar de “milhares de peças”, explicam os especialistas, e muitas dessas milhares de peças podem estar a juntar pó em armazéns (talvez não em exposição)…

Como pode esperar qualquer pessoa com experiência na actividade das instituições públicas em Portugal, “não há lista de obras de arte das ex-colónias, museus ou arquivos (…) 10.000, 50.000 ou talvez. 80.000. Os directores dos museus não sei”, o ex-curador da Fundação Gulbenkian António Pinto Ribeiro disse à Luz.

Portanto, o caminho à frente será longo e árduo – não exatamente o suficiente para sustentar ‘uma controvérsia’.

Atendendo ou não o ministro da Cultura ao pedido de abertura de inquérito da oposição, os museus irão gradualmente resolver a tarefa de regressar ao seu local de origem pelos padrões de hoje. Mas João Neto, presidente da Associação dos Museus Portugueses, insistiu que o seu campo ainda tinha muitas questões a considerar:

“Este material não é uma prioridade para os meus colegas diretores de museus”, diz ao Expresso.

READ  O Secretário da Defesa Lloyd J. com a Ministra da Defesa portuguesa Helena Carreras. Uma leitura do Encontro de Austin III

As prioridades passam por “satisfazer as necessidades de recursos humanos e dignificar a vida museológica numa altura em que as competências dos profissionais que gerem estas coleções estão a diminuir”.

Em outras palavras, é uma raríssima tempestade em uma xícara cheia de ‘shows’ antigos, alguns dos quais pouco interessam ao cidadão comum.

Mas esta é uma ‘tempestade popular’, o debate está ‘acirrado’ em vários países – o Museu da Humanidade tem pelo menos 18.000 crânios, líderes tribais africanos, rebeldes cambojanos e povos indígenas da Oceania (que também estão ‘de castigo’ como A Um artigo recente no New York Times)

natasha.donn@portugalresident.com