Fevereiro 24, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Os Estados Unidos alertaram contra o apoio da China à Rússia.  Europa diz que ‘devemos permanecer vigilantes’

Os Estados Unidos alertaram contra o apoio da China à Rússia. Europa diz que ‘devemos permanecer vigilantes’

  • O principal diplomata europeu disse que o Ocidente precisa estar vigilante quando se trata de um possível apoio da China à Rússia.
  • Isso ocorre depois que Anthony Blinken disse que havia informações de que a China estava “considerando fortemente a assistência letal à Rússia”.
  • Até agora, a China não negou categoricamente essas acusações.

O ministro das Relações Exteriores da China, Qin Gang, se encontra com seu homólogo russo, Sergey Lavrov, à margem do G20.

Agência de Notícias Xinhua | Agência de Notícias Xinhua | Getty Images

O principal diplomata da Europa disse que o Ocidente precisa estar vigilante quando se trata do apoio da China à Rússia, depois que autoridades americanas alertaram que Pequim pode estar prestes a enviar armas mortais a Moscou.

O papel da China na política internacional após a invasão da Ucrânia pela Rússia no ano passado tem sido particularmente delicado para os países ocidentais.

Diretor da Agência Central de Inteligência Bill Burns Ele disse à CBS News na semana passada que estava confiante de que a China estava considerando oferecer ajuda letal a Moscou. Isso poderia levar a uma grande escalada na guerra, dando um grande impulso ao exército russo em dificuldades.

“A China sempre nos disse que não fornece armas para a Rússia e não planeja fazê-lo, muito claramente”, disse Josep Borrell, alto representante da União Europeia para relações exteriores, à CNBC na sexta-feira. “Mas é claro, temos que permanecer vigilantes.”

Seus comentários foram feitos no final da reunião de relações exteriores do G-20 na Índia, que foi marcada por fortes divisões sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia.

“Há uma grande divisão e a Rússia continuará a guerra”, acrescentou.

READ  Noruega prende russos por voarem com drones perto de infraestrutura de energia

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, encontrou-se brevemente com seu homólogo russo à margem da reunião do G-20, no que marcou o primeiro contato pessoal entre eles desde o início da invasão, há mais de um ano. Blinken havia dito anteriormente à NBC que havia informações de que a China estava presente “Considerando fortemente a ajuda letal à Rússia.”

Enquanto isso, Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, disse na semana passada que se Pequim fornecer armas letais à Ucrânia, “isso terá um custo real para a China”.

Até agora, a China não negou categoricamente essas acusações.

em Conferência de imprensa Na sexta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning, disse que o país deixou sua posição clara.

“Na questão da Ucrânia, a posição da China sempre foi objetiva e justa. Estamos comprometidos em promover conversas pela paz e trabalhar por uma solução política para a crise”, disse ela.

“Os Estados Unidos estão despejando armas mortais no campo de batalha da Ucrânia e aumentando as tensões, enquanto espalham acusações falsas e maliciosas contra a China. Não aceitamos coerção ou pressão dos Estados Unidos. O que os Estados Unidos devem fazer é facilitar a desescalada e promover fala pela paz em vez de atiçar a chama ou apontar o dedo para outros países”.

Em fevereiro, a China apresentou um plano de 12 pontos para acabar com a guerra na Ucrânia. As autoridades em Kiev disseram estar abertas a considerar alguns desses pontos, mas também enfatizaram que qualquer acordo de paz deve incluir a retirada total das forças russas da Ucrânia.