dezembro 1, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

OPEP + concorda com cortes profundos na produção de petróleo, como Biden os chama de míope

OPEP + concorda com cortes profundos na produção de petróleo, como Biden os chama de míope

  • OPEP+ corta produção em 2 milhões de barris por dia
  • As reduções reais são estimadas em 1 milhão de barris por dia devido à escassez de produção
  • Biden critica a decisão e a chama de míope
  • Arábia Saudita diz que críticas ao Ocidente são motivadas pela arrogância da riqueza
  • Arábia Saudita diz que cortes são necessários devido a altas taxas de juros

VIENA/LONDRES (Reuters) – A Organização dos Países Exportadores de Petróleo concordou nesta quarta-feira em cortes drásticos na produção de petróleo, retendo a oferta em um mercado já apertado, causando um dos maiores confrontos com o Ocidente, já que o governo dos Estados Unidos chamou a decisão repentina de míope. .

A Arábia Saudita, maior produtor da Opep, disse que um corte de produção de 2 milhões de barris por dia – o equivalente a 2% da oferta global – era necessário para responder ao aumento das taxas de juros no Ocidente e a uma economia global fraca.

O reino rejeitou as críticas de que conspirou com a Rússia, que está incluída no grupo Opep +, para elevar os preços, e disse que o Ocidente muitas vezes foi motivado pela “arrogância da riqueza” ao criticar a organização.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Casa Branca disse que o presidente Joe Biden continuará avaliando se deve liberar mais estoques estratégicos de petróleo para reduzir os preços.

“O presidente está desapontado com a decisão míope da Opep+ de cortar as cotas de produção, enquanto a economia global lida com o contínuo impacto negativo da invasão da Ucrânia por Putin”, disse a Casa Branca.

Biden enfrenta baixas taxas de aprovação antes das eleições de meio de mandato devido ao aumento da inflação e pediu à Arábia Saudita, uma aliada de longa data dos EUA, que ajude a reduzir os preços.

READ  Caterpillar muda sede de Chicago para Irving

Autoridades dos EUA disseram que parte da razão pela qual Washington quer baixar os preços do petróleo é privar Moscou das receitas do petróleo. Biden viajou para Riad este ano, mas não conseguiu garantir nenhum compromisso firme sobre cooperação energética. As relações ficaram ainda mais tensas porque a Arábia Saudita não condenou as ações de Moscou na Ucrânia.

Um corte de oferta de petróleo programado em Viena na quarta-feira pode levar a uma recuperação nos preços do petróleo, que caíram para cerca de US$ 90, de US$ 120 há três meses, devido a temores de uma recessão econômica global, taxas de juros mais altas nos EUA e um dólar mais forte.

O ministro da Energia saudita, Abdulaziz bin Salman, disse que a Opep + precisa estar ativa à medida que os bancos centrais de todo o mundo avançam para uma resposta “tardia” à alta inflação, aumentando as taxas de juros.

descontos reais

Os cortes de produção de quarta-feira de 2 milhões de bpd são baseados nos números atuais da linha de base, o que significa que os cortes serão menos profundos porque a Opep + está cerca de 3,6 milhões de bpd abaixo da meta de produção de agosto.

A escassez de produção ocorreu devido a sanções ocidentais a países como Rússia, Venezuela e Irã e problemas de produção com produtores como Nigéria e Angola.

READ  Montadoras gastam bilhões na mudança para veículos elétricos

O príncipe Abdulaziz disse que os cortes reais seriam de 1,0 a 1,1 milhão de barris por dia.

Analistas da Jefferies disseram que estimaram o número em 0,9 milhão de bpd, enquanto o Goldman Sachs estimou em 0,4-0,6 milhão de bpd, dizendo que os cortes virão principalmente de produtores da Opep do Golfo, como Arábia Saudita, Iraque, Emirados Árabes Unidos e Kuwait.

O petróleo Brent de referência subiu acima de US$ 93 o barril na quarta-feira.

O Ocidente acusou a Rússia de armar energia, com o aumento dos preços do gás e uma corrida para encontrar alternativas criando uma crise na Europa que pode levar ao racionamento de gás e energia neste inverno.

Enquanto isso, Moscou acusa o Ocidente de armar o dólar e sistemas financeiros como o Swift International Payments Mechanism em resposta ao envio de tropas russas para a Ucrânia em fevereiro.

O vice-primeiro-ministro russo Alexander Novak, que foi colocado na lista de sanções para cidadãos norte-americanos na semana passada, também viajou a Viena para participar das reuniões.

Novak não está sob sanções da UE. Ele e outros membros da OPEP+ concordaram em estender o acordo de cooperação com a OPEP por mais um ano até o final de 2023.

A próxima reunião da OPEP+ será realizada em 4 de dezembro. A OPEP + passará a se reunir a cada seis meses em vez de mensalmente.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Edição por Jean Harvey e Elaine Hardcastle

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.