novembro 30, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O veterano do exército russo Khudaryonok em uma avaliação condenatória da guerra na Ucrânia

O veterano do exército russo Khudaryonok em uma avaliação condenatória da guerra na Ucrânia

Destruiu o equipamento militar do exército russo na cidade de Bucha.

fotos de soba | Foguete Leve | Imagens Getty

Em um país onde a mídia independente e os comentários desapareceram da vista do público, é raro ouvir vozes discordantes nas muitas redes de televisão controladas pelo Estado da Rússia – particularmente agora com o país em guerra com a Ucrânia.

Mas um conhecido analista militar e veterano ganhou destaque nesta semana depois de aparecer na televisão estatal e fazer uma avaliação condenatória da invasão da Ucrânia, ou o que a Rússia chama de “operação militar especial”.

“A situação, francamente, só vai piorar para nós”, disse Mikhail Khodarionok, coronel aposentado do exército russo, no talk show “60 Minutes” na TV Rossiya-1, apresentado por Olga Scapieva, famosa por seu discurso pró-Kremlin. posição. .

“Você não deve engolir sedativos da mídia”, disse Khodarionok ao anfitrião, alertando que a Ucrânia não estava à beira de ser derrotada pela Rússia, e que Kiev poderia reunir e armar um milhão de homens se quisesse.

Khodaryonok, que também é colunista de defesa do site gazeta.ru e formado em uma das academias militares russas, segundo a Reuters, alertou a Rússia contra a invasão de sua vizinha Ucrânia, dizendo que isso não serve aos interesses nacionais russos.

Seu conselho não foi atendido, a Rússia está agora presa em um conflito sangrento na Ucrânia há quase três meses, com poucos ganhos territoriais significativos no leste e no sul, e a invasão provavelmente se transformará em uma prolongada guerra de atrito, à medida que os guerrilheiros da Ucrânia mostram seu bravura. O desdém de Moscou pela firmeza.

Moscou já teve que reduzir sua aparente estratégia de invadir a Ucrânia pelo norte, leste e sul, e agora está concentrando suas forças de combate no leste da Ucrânia, na região de Donbass.

READ  Biden assina projeto de lei que expande benefícios de saúde para veteranos expostos a queimaduras tóxicas

Khudaryonok enfatizou que mesmo que a Ucrânia tivesse que contar com centenas de milhares de recrutas que receberam apenas treinamento militar rudimentar, o importante é que seus corações estarão em combate, e isso não será um bom presságio para a Rússia.

“O desejo de defender a pátria significa que está na Ucrânia – já está lá e eles pretendem lutar até o fim”, disse Khudaryonok, antes de ser interrompido por Skabieva, que tentava reduzir a eficácia das forças ucranianas.

A Reuters informou que Khudarionok e Scapieva não foram encontrados para comentar.

‘O mundo está contra nós’

No cenário mundial, a Rússia é agora amplamente pária e sancionada até o limite, com ex-aliados na China e na Índia unidos sobre quanto tempo o conflito pode durar.

“A principal falha de nossa posição político-militar é que estamos em completo isolamento geopolítico – e ainda assim não queremos admitir – o mundo inteiro está praticamente contra nós… e temos que sair dessa situação”, disse. Khudarionok continuou no talk show, onde outros convidados do estúdio pareciam atordoados com as críticas sinceras.

À medida que a Rússia se torna cada vez mais isolada, o Ocidente parece mais unido do que nunca. Os aliados da Ucrânia no Ocidente continuam a fornecer armas a Kiev, e a invasão russa resultou na aliança militar ocidental da OTAN (OTAN) reforçando suas medidas de segurança. Na verdade, a invasão russa apenas cimentou a aliança com a Finlândia e a Suécia, que agora buscavam ingressar na organização.

A Rússia baseou seu ataque à Ucrânia em grande parte na oposição à sua adesão à OTAN (uma possibilidade que não era iminente) e sempre culpou a OTAN pela invasão, além de acusar a aliança militar de se preparar para invadir o que Moscou considera território russo no leste . Ucrânia, onde estão localizadas duas repúblicas pró-Rússia na região de Donbass.

Mas sua resposta à próxima expansão da OTAN para a Finlândia e a Suécia foi silenciada. Embora ela tenha inicialmente ameaçado “medidas de retaliação” contra a ampliação, com o presidente Vladimir Putin chamando isso de “problema”, ela disse desde então que a ampliação não faz muita diferença para isso. Analistas geopolíticos observam que a Rússia pode fazer pouco sobre a expansão de qualquer maneira, embora a Rússia tenha ameaçado agir se a infraestrutura militar da OTAN for colocada na Suécia ou na Finlândia.

Khudaryonok disse que a Rússia precisa ver a realidade da situação na Ucrânia: “O principal em nosso trabalho é ter um senso de realismo militar e político: se você for além disso, o fato da história o atingirá com tanta força que você não vai. Eu sei o que te atingiu.

“Não acene os foguetes para a Finlândia de vez – parece meio engraçado”, disse ele.