janeiro 31, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O Talibã proíbe funcionárias de ONGs do sexo feminino, colocando em risco os esforços de socorro

  • Talibã ordena que ONGs impeçam funcionárias de trabalhar
  • Isso ocorre após a suspensão de estudantes do sexo feminino nas universidades
  • A ONU diz que o sistema afetará seriamente as operações humanitárias
  • As Nações Unidas planejam se reunir com o Talibã para esclarecimentos

CABUL (Reuters) – A administração do Taliban do Afeganistão ordenou neste sábado que todas as organizações não-governamentais locais e estrangeiras suspendam o trabalho feminino, em uma medida que a Organização das Nações Unidas disse que prejudicaria as operações humanitárias, já que o inverno atinge um país que já está em crise econômica.

Uma carta do Ministério da Economia, confirmada pelo porta-voz da empresa, Abdul Rahman Habib, disse que as funcionárias de ONGs não foram autorizadas a trabalhar até novo aviso porque algumas não aderiram à interpretação do governo sobre o código de vestimenta islâmico para mulheres.

Isso ocorre dias depois que o governo ordenou que as universidades fechassem o cerco às mulheres, atraindo condenação global e provocando alguns protestos e duras críticas dentro do Afeganistão.

Ambas as decisões são as mais recentes restrições às mulheres que provavelmente minarão os esforços do governo do Talibã para obter reconhecimento internacional e sanções claras que prejudicam severamente a economia.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse no Twitter que estava “profundamente preocupado” com o fato de a medida “interromper a assistência vital e que salva vidas a milhões”, acrescentando: “As mulheres são fundamentais para as operações humanitárias em todo o mundo. Esta decisão pode ser devastadora por milhões.” Povo afegão.”

Ramiz Alakbarov, vice-representante especial da ONU para o Afeganistão e coordenador humanitário, disse à Reuters que, embora a ONU não tenha recebido a ordem, as ONGs contratantes realizaram a maior parte de suas atividades e seriam gravemente afetadas.

READ  Incêndio em boate na Tailândia: 13 mortos em incêndio em prédio

“Muitos dos nossos programas serão afetados”, disse ele, porque precisam de mulheres para avaliar as necessidades humanitárias e identificar os beneficiários, caso contrário, não poderão implementar os programas de ajuda.

A AIIA disse que suspendeu imediatamente as operações enquanto consultava outras organizações e que outras ONGs estavam tomando medidas semelhantes.

O perigo potencial para os programas de ajuda que atingem milhões de afegãos ocorre quando mais da metade da população depende de ajuda humanitária, segundo agências humanitárias, e durante a estação mais fria no país montanhoso.

“Não há hora certa para algo assim… Mas esta época em particular é muito lamentável porque durante o inverno as pessoas precisam mais e o inverno afegão é muito rigoroso”, disse Alakbarov.

Ele disse que seu escritório consultaria ONGs e agências da ONU no domingo e buscaria se reunir com as autoridades do Talibã para obter uma explicação.

Os trabalhadores humanitários dizem que as trabalhadoras são essenciais em um país onde as normas e costumes culturais impedem amplamente que os trabalhadores do sexo masculino forneçam ajuda às beneficiárias do sexo feminino.

“Um princípio importante na entrega de ajuda humanitária é a capacidade das mulheres de participar de forma independente e sem impedimentos em sua distribuição, portanto, se não pudermos fazer isso de maneira baseada em princípios, nenhum doador financiará tais programas”, disse Alekperov.

Questionado se as regras abrangem diretamente as agências da ONU, Habib disse que a carta se aplica a organizações afiliadas ao Corpo de Coordenação Afegã para Organizações Humanitárias, conhecido como Akbar. Este órgão não inclui as Nações Unidas, mas inclui mais de 180 ONGs locais e internacionais.

A carta dizia que suas licenças seriam suspensas se não cumprissem.

READ  O primeiro-ministro da Finlândia pede desculpas por boates após exposição à Covid

A frágil economia do Afeganistão está em crise desde que o Talibã assumiu o poder em 2021, enquanto o país enfrenta sanções, cortes na ajuda ao desenvolvimento e o congelamento dos ativos do banco central.

Estima-se que 28 milhões de afegãos precisarão de ajuda humanitária no próximo ano, um número recorde.

Relatório da Redação de Cabul; Reportagem adicional de Suzanne Heavy em Washington; Edição de Mark Potter e Josie Kao

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.