Julho 13, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O novo secretário de Relações Exteriores britânico, David Lammy, quer redefinir as relações com a União Europeia

O novo secretário de Relações Exteriores britânico, David Lammy, quer redefinir as relações com a União Europeia

Fonte da imagem, EPA/AIEA/Shutterstock

Comente a foto, David Lammy (à direita) conversou com o ministro das Relações Exteriores da Polônia, Radoslaw Sikorski

  • autor, Paulo Adams
  • Papel, BBC Notícias
  • Relatório de Bydgoszcz, norte da Polônia

A primeira viagem turbulenta de David Lammy como Secretário de Estado, organizada num prazo muito curto, não visa alcançar resultados imediatos ou mesmo explorar novas e admiráveis ​​fronteiras.

É tudo uma questão de percepção – a emergência de uma nova administração forte, determinada a começar a trabalhar, cheia de boa vontade para com alguns dos parceiros mais importantes do Reino Unido.

Depois de passar uma noite com a sua homóloga alemã, Annalena Baerbock – onde os dois encontraram tempo para assistir a alguns minutos dos quartos-de-final do Campeonato da Europa entre Inglaterra e Polónia – a digressão de Lammy seguiu para a zona rural que rodeia a casa de campo propriedade de estrangeiros polacos. Ministro Radoslaw Sikorski.

Após algumas horas de conversações, o avião regressou para o seu curto voo para norte, para um dos mais recentes membros da NATO, a Suécia.

Porquê a Alemanha, a Polónia e a Suécia?

Isto se deve em parte à Ucrânia. Além da Grã-Bretanha, os três países desempenham papéis importantes no apoio aos esforços de guerra de Kiev. Com o novo secretário da Defesa, John Healey, no terreno em Odessa, o governo do primeiro-ministro Sir Keir Starmer faz questão de sublinhar que o compromisso do Reino Unido com a Ucrânia permanecerá sólido.

“Queremos fortalecer o nosso compromisso com a Ucrânia”, disse Lamy, enquanto libélulas sobrevoavam um lago tranquilo e um par de águias majestosas sobrevoava o céu.

A França, que estava no meio das suas próprias eleições – que pareciam condenadas a ter consequências de longo alcance – não estava na agenda da viagem. Não foi o caso neste fim de semana.

Também não vou parar em Bruxelas. Sir Keir disse que o Reino Unido não retornaria à UE “enquanto eu viver”.

Mas a Polónia e a Suécia são grandes parceiros europeus e membros da NATO, e são um bom local para o Ministro dos Negócios Estrangeiros começar a explorar os contornos de relações futuras mais estreitas.

“Quero redefinir as nossas relações bilaterais e a nossa relação com a União Europeia”, disse Lammy, referindo-se à promessa ainda um tanto vaga do Partido Trabalhista de concluir um novo acordo de segurança entre a União Europeia e o Reino Unido.

Ele disse que quando os líderes europeus se reunirem no Palácio de Blenheim, em 18 de julho, para a próxima reunião da Comunidade Política Europeia (estabelecida por Emmanuel Macron na sequência da invasão da Ucrânia pela Rússia), “o novo espírito de cooperação será evidente”.

Comente a foto, Lamy e o seu homólogo polaco abraçam-se antes das conversações

As preocupações de Lamy: Rússia, China e Gaza

A viagem ocorre poucos dias antes de Sir Keir dar os primeiros passos no cenário internacional como Primeiro-Ministro, na cimeira da NATO em Washington, DC.

Estes são tempos difíceis para fortalecer as relações, com a França a deslocar-se para a direita e os Estados Unidos potencialmente à beira de colocar o imprevisível Donald Trump de volta ao cargo.

Lammy concordou que este era um “momento geopolítico difícil”, mas disse que era importante não confundir as diferenças entre democracias maduras com ameaças representadas por regimes autoritários.

“Fico preocupado quando vejo drones iranianos aparecendo na Ucrânia”, disse ele.

“Fico preocupado quando vejo mísseis da Coreia do Norte a serem usados ​​aqui em solo europeu.

“E, claro, estou preocupado com a parceria que vejo a Rússia mediar entre estes países autoritários.”

Outras questões permanecem na mente do novo Ministro dos Negócios Estrangeiros durante a sua primeira visita, especialmente a guerra em Gaza.

Comente a foto, O novo governo britânico confirma o seu forte apoio à Ucrânia

Na Alemanha, Lammy falou no sábado sobre a necessidade de alcançar uma “abordagem mais equilibrada para Israel e Gaza”.

Ainda não está claro exactamente o que isso significa, mas com as conversações de cessar-fogo aparentemente prestes a serem retomadas, encontrar uma forma de pôr fim à guerra de Gaza e relançar o processo de paz árabe-israelense parece destinado a consumir uma quantidade significativa de tempo diplomático nos próximos meses.

Por sua vez, o famoso apresentador do programa Lamy, de língua inglesa, disse que o relativamente novo governo polaco tem algo em comum com a nova administração Starmer.

Ambos “foram o resultado do tédio público com os fanáticos do lado nacionalista da política”, disse Sikorsky – uma observação que talvez apenas reflita parcialmente a verdadeira natureza das eleições gerais da semana passada.

Sikorsky disse esperar uma “abordagem mais pragmática” da Grã-Bretanha em relação ao seu relacionamento com a Europa, e acrescentou que os dois ministros discutiram “algumas ideias criativas sobre como fortalecer isso”.