dezembro 6, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O novo headset Meta Quest Pro, que mistura o mundo real e o virtual, estreia

11 de outubro (Reuters) – Plataformas de perfis (META.O) Ele revelou o headset de realidade virtual e mista Quest Pro na terça-feira, marcando um marco para a incursão do CEO Mark Zuckerberg no mercado de ponta para dispositivos de computação de realidade estendida.

O fone de ouvido, que foi apresentado na conferência anual Meta Connect, chegará às prateleiras em 25 de outubro por US$ 1.500 e oferecerá aos consumidores uma maneira de interagir com criações virtuais sobrepostas em uma tela colorida do mundo físico ao seu redor.

O lançamento é um passo importante para Zuckerberg, que no ano passado anunciou planos para o dispositivo – mais tarde apelidado de Projeto Cambria – ao mesmo tempo em que mudou o nome de sua empresa de Facebook para Meta para sinalizar sua intenção de reorientar a gigante da mídia social em um negócio. que executa uma experiência de computação imersiva compartilhada conhecida como metaverso.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Desde então, Zuckerberg gastou bilhões de dólares nessa visão. Reality Labs, a unidade Meta responsável por trazer a vida de volta à vida, perdeu US$ 10,2 bilhões em 2021 e perdeu quase US$ 6 bilhões até agora este ano.

Em um discurso no evento, Zuckerberg, que é parcialmente gravado em vídeo e parcialmente como avatar, disse que espera que a mistura dos mundos físico e digital traga novos usos para a computação.

“Você verá classes completamente novas de coisas sendo construídas”, disse ele.

O Quest Pro apresenta várias atualizações sobre os atuais fones de ouvido Quest 2 da Meta, que dominam amplamente o mercado de realidade virtual do consumidor.

READ  RPG arruinado de League of Legends lançado com Hextech Mayhem

O mais impressionante é que ele possui câmeras externas que capturam uma espécie de transmissão 3D ao vivo do ambiente físico ao redor do usuário, permitindo inovações de realidade mista, como a capacidade de pendurar uma pintura virtual em uma parede do mundo real ou fazer uma bola virtual quicar fora de uma mesa real.

Por outro lado, o Quest 2 oferece uma versão mais primitiva e em tons de cinza dessa tecnologia, chamada Transit.

O Quest Pro parece mais leve e fino que seus antecessores, com uma lente panqueca mais fina e uma bateria realocada na parte de trás do fone de ouvido, distribuindo seu peso de maneira mais uniforme e reduzindo o tamanho geral.

Para uma realidade virtual totalmente imersiva, a Meta adicionou sensores de rastreamento ao Quest Pro que podem replicar os movimentos oculares e as expressões faciais dos usuários, criando a sensação de que os avatares estão fazendo contato visual.

enquadramento de produtividade

A Meta está promovendo o Quest Pro como um dispositivo de produtividade, voltado para designers, arquitetos e outros profissionais criativos.

Além de oferecer plataformas sociais e espaços de trabalho Horizon, a empresa também produziu versões virtuais da Microsoft Corp. (MSFT.O) Estão disponíveis produtos de negócios como Word, Outlook e Teams, uma parceria que o CEO da Microsoft, Satya Nadella, juntou-se a Zuckerberg para anunciar.

Matthew Ball, o capitalista de risco cujos escritos sobre metaversos atraíram elogios de Zuckerberg, disse que considerava essas parcerias importantes porque sugeriam o compromisso das empresas com a interoperabilidade, ou a ideia de que sistemas diferentes deveriam se comunicar entre si.

“Há muito ceticismo no mercado sobre se a interoperabilidade e a abertura são possíveis, quanto mais uma possibilidade”, disse ele, observando que a Microsoft e a Meta estão competindo por muitos produtos no espaço de realidade expandida.

READ  Leaker corretamente vazou informações sobre Mortal Kombat 11 revela o nome de um personagem que retorna em Mortal Kombat 12

Em uma prévia do Quest Pro dias antes de seu lançamento, o Meta deu aos repórteres um vislumbre de que tipo de usuário tinha em mente para mostrar produtividade ao apresentar aplicativos como o Tribe XR, um ambiente de treinamento virtual para DJs.

O Tribe XR já está disponível em VR, mas uma demonstração mostrou como a tecnologia transversal pode permitir que os DJs usem o aplicativo para fazer shows no mundo real, pois isso significa que eles podem olhar além de seus dispositivos virtuais para festeiros reais.

A Meta planeja vender o Quest Pro em canais de consumo para começar, enquanto adiciona recursos de nível empresarial, como gerenciamento de dispositivos móveis, autenticação e serviços de suporte premium no próximo ano, disseram executivos no evento de imprensa.

Eles disseram que o dispositivo se destina a complementar, em vez de substituir, o Quest 2 de nível básico, que é vendido por US$ 399,99.

Por enquanto, isso significa que o Quest Pro deixa de habilitar os aplicativos comerciais complexos que a Meta sugeriu que deseja oferecer suporte para a tecnologia metaverse.

A empresa ainda está trabalhando em uma experiência de realidade mista para seu aplicativo Horizon Workrooms, que fará com que o avatar de uma pessoa pareça estar em uma sala de reuniões do mundo real com outros usuários, que chama de Magic Rooms.

Zuckerberg disse que também planeja adicionar pernas a seus avatares, que atualmente são exibidos da cintura para cima.

No entanto, o preço do Quest Pro o coloca bem abaixo do custo dos atuais dispositivos voltados para empresas, como o Hololens 2 da Microsoft, que foi lançado para uso comercial em 2019 e já está nas salas de cirurgia e no chão de fábrica.

READ  Google celebra seu 23º aniversário com doodles animados

Hololens 2 para iniciantes é vendido por US$ 3.500.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem de Katie Ball em Palo Alto, Califórnia. Edição por Kenneth Lee, Jonathan Otis e Matthew Lewis

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.