Junho 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Lavrov, hospeda a reunião das Nações Unidas sobre “paz internacional”, criticada por diplomatas ocidentais

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Lavrov, hospeda a reunião das Nações Unidas sobre “paz internacional”, criticada por diplomatas ocidentais

(CNN) Diplomatas ocidentais criticados Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov Por seu injustificado ataque a ucrania Durante uma sessão presencial organizada pelo diplomata-chefe de Moscou, V.I. Conselho de Segurança das Nações Unidas na segunda-feira.

Lavrov foi o responsável pela reunião, que foi intitulada “Manutenção da Paz e Segurança Internacional”, porque a Rússia atualmente detém a presidência rotativa do Conselho de Segurança. A última vez que a Rússia presidiu o Conselho de Segurança foi em fevereiro de 2022, quando lançou a invasão da Ucrânia.

Os embaixadores dos Estados Unidos, Reino Unido e Suíça na ONU usaram seus discursos na reunião para condenar a invasão russa. As três mulheres – a americana Linda Thomas-Greenfield, a britânica Barbara Woodward e o suíço Pascal Bereswil – expressaram críticas fortes e diretas à Rússia e a Lavrov, às vezes olhando diretamente para o diplomata russo sênior.

“A nossa defensora hipócrita de hoje, a Rússia, invadiu a sua vizinha, a Ucrânia, e atingiu o cerne da Carta das Nações Unidas. Esta guerra ilegal, injustificada e desnecessária está em contradição directa com o nosso princípio mais comum – que a guerra de agressão e a ocupação de território é uma guerra de agressão e ocupação de território”, disse Thomas Greenfield.

“Enquanto estamos sentados aqui, esta agressão continua. E enquanto estamos sentados aqui, as forças russas continuam a matar e ferir civis. Enquanto estamos sentados aqui, as forças russas estão destruindo a infraestrutura crítica da Ucrânia. E enquanto estamos sentados aqui, nos preparamos para o próximo Bucha, próximo Mariupol, próximo Kherson, crime de guerra.” O próximo, a próxima atrocidade.”

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, preside uma reunião do Conselho de Segurança na sede das Nações Unidas em Nova York em 24 de abril de 2023.

Abrindo a sessão, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, condenou as ações da Rússia.

“A invasão russa da Ucrânia, que viola a Carta da ONU e o direito internacional, está causando enorme sofrimento e destruição ao país e seu povo e está aumentando a perturbação econômica global causada pela pandemia do COVID-19”, disse ele. ao lado de Lavrov.

Os diplomatas russos foram praticamente afastados de várias conferências internacionais desde que Moscou lançou sua invasão total da Ucrânia no ano passado. No entanto, a liderança do Conselho de Segurança, o órgão mais poderoso da ONU, gira em ordem alfabética entre os 15 estados membros. Cinco países – China, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos – têm assentos permanentes no conselho. Os restantes dez membros são eleitos para mandatos de dois anos pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

A Rússia assumiu a presidência em 1º de abril, um evento que muitos diplomatas chamaram de “piada do primeiro de abril”.

Ele participou da reunião na segunda-feira Elizabeth Whelan Seu irmão, Paul Whelan, está preso na Rússia há mais de quatro anos. Os Estados Unidos consideram Whelan detido injustamente. O governo dos EUA não conseguiu garantir a libertação de Whelan no ano passado, quando repatriou dois americanos que os EUA disseram estar sendo detidos injustamente na Rússia – Trevor Reid em abril e Brittney Grenier em dezembro.

Elizabeth Whelan senta-se na varanda durante uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas na segunda-feira.

Os países da União Européia emitiram uma declaração conjunta antes da reunião condenando as ações da Rússia na Ucrânia e criticando a aparição de Lavrov na reunião.

Olaf Skog, representante da União Européia nas Nações Unidas, disse: “A Rússia está tentando se apresentar como defensora da Carta da ONU e do multilateralismo. Nada poderia estar mais longe da verdade. É ridículo.” “Todos nós sabemos que enquanto a Rússia destrói, nós construímos. E enquanto eles violam, nós protegemos.”

Em seus comentários iniciais, Lavrov lançou uma série de acusações infundadas contra a Ucrânia e seus aliados ocidentais, culpando-os pelo conflito.

“Como foi o caso durante a Guerra Fria, atingimos um limiar perigoso, talvez ainda mais perigoso”, disse Lavrov, acusando “os Estados Unidos e seus aliados” de “abandonar a diplomacia e exigir esclarecimentos das relações no campo de batalha”.

Lavrov chamou repetidamente o governo ucraniano de “golpistas” e o “regime nazista de Kiev”, uma afirmação infundada repetidamente repetida pela Rússia para justificar sua invasão ilegal do país. Lavrov também criticou os países ocidentais por não reconhecerem a Crimeia da Ucrânia como território russo, apesar de “um referendo estar sendo realizado lá”.

A Rússia anexou a Crimeia à força em 2014, depois de realizar um falso referendo lá. A Ucrânia e seus aliados ocidentais consideram a área como território ucraniano ocupado. As Nações Unidas rejeitaram de forma esmagadora o referendo como ilegítimo e a anexação como ilegal.

Richard Roth e Jennifer Deaton, da CNN, contribuíram com as reportagens.