Julho 19, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O líder da Bolívia disse que o general acusado de liderar um golpe fracassado queria “assumir” o cargo de presidente

O líder da Bolívia disse que o general acusado de liderar um golpe fracassado queria “assumir” o cargo de presidente

LA PAZ, Bolívia (AP) – O presidente boliviano, Luis Arce, disse na sexta-feira que um ex-general pretende “assumir” o governo e se tornar presidente. No golpe fracassadoEle negou que o país andino esteja sofrendo uma crise econômica.

Numa entrevista à Associated Press, o líder em apuros negou novamente que o ataque de quarta-feira ao palácio do governo tenha sido um “autogolpe” destinado a ganhar pontos políticos.

“Eu não fugi, fiquei para defender a democracia”, disse Arce.

Ars lavou as mãos Alegações de familiares das 21 pessoas presas pelo governo Eles são inocentes da tentativa de golpe e foram enganados Ex-General Juan José Zúñiga.

“É problema dos envolvidos, não do governo”, disse Arce à AP.

Arce também disse que seu governo foi “atacado politicamente” por seu ex-aliado que se tornou rival, o ex-presidente Evo Morales, dizendo: O conflito interno interrompeu as atividades legislativas e prejudicou o seu governo. Enfrentando problemas econômicos.

Apesar disso, ele disse que a economia da Bolívia está crescendo e que seu governo está trabalhando para “diversificar” os meios de produção e investir em coisas como lítio e manufatura. A Bolívia possui as maiores reservas mundiais de lítio – um mineral conhecido como “ouro branco” e considerado essencial na transição verde – que estão em grande parte inexploradas, em parte devido à política governamental.

RC Ele disse que o governo “tomou medidas” para enfrentar a escassez intermitente de gasolina e dólares e outros obstáculos que assolam a economia do país sul-americano.

“A Bolívia tem uma economia que está crescendo. Uma economia em crise não está crescendo”, disse ele.

Ele disse que era “completamente normal” que os bolivianos corressem para estocar alimentos nos supermercados e corressem para os caixas eletrônicos ao verem um golpe surgindo na capital, em vez de atenderem ao seu apelo para sair às ruas em apoio ao governo.

Ele disse que os bolivianos ficaram traumatizados pela agitação política em 2019, que levou Morales a renunciar ao cargo de presidente e a fugir, causando também 37 mortes.

“Quando houver uma situação política, ou esta ruptura, ou um golpe, as pessoas terão, naturalmente, medo de que não haja comida… então irão buscar dinheiro para comprar ações”, disse Arce.

Acrescentou que o governo está a investigar se o ataque foi organizado pela oposição política do país. No mesmo dia, o ministro do governo de Arce, Eduardo del Castillo, disse que o governo alegou que havia “atiradores que não chegaram a tempo à Plaza Murillo” onde ocorreu o golpe.

——

A repórter da Associated Press Paola Flores em La Paz contribuiu para este relatório.