Fevereiro 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O golfe em Portugal está a crescer – em popularidade e em campos

O golfe em Portugal está a crescer – em popularidade e em campos

O buraco 18 do Dunas Course nas Terras da Comporda em Grândola, Portugal.

James Hawke

Como o maior jogador de golfe britânico de sua geração e três vezes vencedor do Claret Jug, Henry Cotton conseguia lidar com o vento e o frio. Mas, em seus últimos anos, ele passou por isso com mau tempo. Comprou uma casa em Portugal, onde comeu marisco fresco, bebeu bons vinhos e interessou-se pelo design do golfe. Em 1966, Cotton cortou a fita no Benina, que não foi um campeão mundial, mas foi um divisor de águas: o primeiro campo na ensolarada costa sul de Portugal, o Algarve. Uma onda de desenvolvimento de golfe estabeleceu o Algarve como um pólo de atracção para os europeus do norte – a resposta da Península Ibérica a Myrtle Beach.

Esta tem sido a imagem do golfe em Portugal desde então: campos de resort cheios de britânicos e escandinavos carregados de bebida em carrinhos. No início da década de 1990, quando passei um ano em Lisboa a ensinar inglês a banqueiros entediados, certamente ouvi muito sobre golfe. Esses pacotes não eram tão ruins no sul, mas eu estava sem carro e com um orçamento mesquinho, e o Algarve ficava a três horas de distância. A zona de Lisboa, por seu lado, tinha bons clubes para expatriados ricos, mas pouco mais. Na única rodada que joguei no modesto campo de nove buracos, tentei pegar um ônibus, me perdi e vaguei com meus tacos por uma rua de paralelepípedos, onde conheci um fazendeiro gentil que me levou até a sede do clube montado em um burro. — Uma carruagem puxada.

READ  🇵🇹 Portugal: José Carlos Malato e Nuno Calopim revelados como comentadores da Eurovisão 2023

Recordações! Eles parecem ter vivido outra vida antes. Tanta coisa mudou. Por exemplo: Uber. O golfe em Portugal é diferente. Não se trata mais de beleza.

Buracos 14 e 15 no Campo de Golfe Praia de El Rey em Vale de Genelas, Portugal.
Buracos 14 e 15 no Campo de Golfe Praia de El Rey em Vale de Genelas, Portugal.

James Hawke

“Não é um lugar ruim, não é?” David McClay Kidd diz. É uma tarde quente de Outubro, a cerca de uma hora a sul de Lisboa, e o arquitecto escocês das Dunas de Bandon está montado no meu carro alugado. Ele me leva por estradas não sinalizadas através de uma paisagem de colinas e pinheiros. Estamos numa zona de praia chamada Comporta, que as revistas de viagens compararam aos Hamptons devido à sua popularidade como destino de praia. A diferença é que não é golfe.

Há dois verões, quando o Discovery Land, rede de clubes privados conhecida por seus cursos Tom Fazio e estações de conforto sofisticadas, terminou o Costa Terra a apenas alguns cliques da praia, isso mudou. Lugar agradável, mas apenas para membros. O meu lugar de passageiro nas grandes novidades do golfe da Comporda e o seu primeiro projecto na Europa continental: o campo Dunas nas Terras da Comporda. Agora estamos chegando ao ponto de entrega das malas.

Como muitos dos principais destinos de golfe de hoje, este lugar tem um ar discreto e sofisticado. Um clube loiro e limpo. Um balcão de loja profissional que pode ser usado como check-in no spa. Mas a sua identidade mínima mais importante é o próprio sujeito. Uma terra ousada e de beleza com fairways largos, greens abundantes e dunas de areia enormes.

Está aberto ao público desde o final do verão de 2023, mas Kidd se ofereceu para torná-lo oficial. Amanhã, antes da reunião dos dignitários locais, ele disparará um tiro cerimonial e servirá um belo brinde para iniciar uma partida disputada. A multidão vai engolir. A TV portuguesa transmitirá o programa.

Buracos 12 e 13 no West Cliffs Golf Course no Vau, Portugal.
Buracos 12 e 13 no West Cliffs Golf Course no Vau, Portugal.

James Hawke

Hoje é hora de uma rodada de treinos. A tacada inicial no primeiro buraco par 4 dá uma dica do que está por vir. Há muito caminho para a direita, mas isso deixa um ângulo ruim para a bandeira. A melhor linha envolve uma movimentação perigosa na areia. Em seu visual rústico e opções estratégicas, vejo uma relação com outros designs de kit como Gamble Sands e Mammoth Dunes, um campo tão natural para o golfe que não posso deixar de me perguntar por que não havia um campo aqui há muito tempo.

“Confie em mim”, diz Kit. “Não é por falta de tentativa.”

Os esforços de Kidd no projeto em 2008, quando ele foi contratado, levaram ao traçado que o arquiteto Donald Steele havia elaborado 10 anos antes. Ele estava ansioso para ir, mas os desastres continuavam se acumulando. A recessão de 2008 interrompeu o trabalho, reiniciado alguns anos mais tarde, paralisado novamente em 2014, quando o venerável banco português proprietário do terreno caiu em chamas semelhantes às do Lehman Brothers, chamuscando os nervos financeiros em toda a UE. Em 2017, um novo proprietário assumiu a Comporta, mas depois veio a pandemia. Após a sua concepção, nasceu finalmente o Curso Dunas.

Agora, com um irmão, Torey Kors, uma colaboração entre Sergio Garcia e José María Olazabal, a data de lançamento ainda é a definir.

Com tudo isto na Comporta, o cenário do golfe em Lisboa e arredores amadureceu lentamente. Uma adição notável foram as Dunas de Oitavos, que trouxeram uma ligação à elegante cidade costeira de Cascais. Depois houve as ações um pouco mais ao norte. Na véspera saí de Lisboa com destino à Comporda, no sentido oposto à capital, para a Costa da Prata, que, como muitos em Portugal, já não parece segredo. Construídas ao longo da água aqui, apoiadas por falésias que lembram as falésias de Torrey Pines, as tradicionais vilas de pescadores também funcionam como cidades de surf, com todas as armadilhas da cultura. Nos menus dos restaurantes, a sua escolha: hambúrgueres de bacalhau ou quinoa.

Cynthia Dye e seu filho Matt McCarey abriram pela primeira vez a prática local, próspera e conectada em West Cliffs em 2017.
Cynthia Dye e seu filho Matt McCarey abriram pela primeira vez a prática local, próspera e conectada em West Cliffs em 2017.

Obrigado foto

O golfe rodeia a Praia de El Rey, uma estância balnear com o mesmo nome, desenhada por Capel Robinson em 1997. Hoje, os seus layouts vizinhos incluem Royal Óbidos, Chev Ballesteros e West Cliffs, que Cynthia Dye (Beats Knees) concluiu em 2017, depois de trabalhar no projecto como Kitt fez em Camporda.

Die West refere-se a Cliffs como “meu bebê”.

“Não é sempre que você trabalha perto da água, então isso é especial”, diz ele.

Links para West Cliffs e vistas para o mar são abundantes. Coloque os ouvidos nas costas e você poderá ouvir as ondas. Outras construções de trilhas sonoras: Grandes casas estão surgindo em um ritmo impressionante.

Tanto dinheiro está a ser injetado em Portugal que o governo reformulou recentemente o seu código fiscal, devido a preocupações de que o investimento estrangeiro estivesse a deixar os valores das propriedades fora do alcance dos habitantes locais. Os preços dos imóveis subiram, mas o golfe continua a ser uma pechincha relativa. Nas minhas rondas matinais em West Cliffs, estou acompanhado de três amigos – viajantes alemães, cuja extravagante moda neon contrasta com seu comportamento prático.

Mapa de Portugal
Revista Golfe

“Este lugar vale muito”, me disse um deles, um engenheiro chamado Ule. Ele não conseguia se lembrar de quanto ele e seus amigos pagaram em green fee porque o golfe e os quartos estavam agrupados. “Mas provavelmente são 60 euros. Você não pode chegar perto disso em casa.”

O curso Dunas cobra cerca de três vezes mais. Em seu planejamento e marca, o desenvolvedor por trás dele esbanja luxo com um projeto que promete imóveis de baixa densidade e ecologicamente conscientes nas praias vizinhas. O mercado-alvo continua a ser a Europa continental, mas Portugal espera atrair mais golfistas americanos, que representam uma pequena fração das voltas disputadas.

No percurso, Kit e eu chegamos ao buraco 16, um par 4 dirigível onde recompensas potenciais aumentam a possibilidade de uma penalidade de areia. Encontrar a bola é a parte divertida do golfe hoje em dia, onde as pessoas viajam por toda parte para jogar o tipo de golfe seguro e rápido.

Não é difícil imaginar os jogadores de golfe do estado entrando em um avião e fugindo, como Henry Cotton, para o clima quente do litoral. Um voo de seis horas desde Nova Iorque e uma rápida viagem desde Lisboa. Fácil. Embora eu não queira adivinhar quanto tempo levará de burro.

Portugal, pelos números

89 – Cursos no país
38 – Cursos no Algarve
17 – Cursos na zona de Lisboa
25.739 – Média de rodadas por curso anualmente

Josh Sens

Colaborador do Golf.com

Escritor de golfe, gastronomia e viagens, Josh Sense contribui para a revista GOLF desde 2004 e agora contribui para todos os sites do GOLF. Seu trabalho foi antologizado em Best American Sports Writing. Ela também é coautora, com Sammy Hagar, de Are We Have Any Fun Yet: The Cooking and Partying Guide?