Junho 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O Campeonato da Europa de Sub-17 de Portugal em 2023 terminou com um empate 1-1 frente à França

O Campeonato da Europa de Sub-17 de Portugal em 2023 terminou com um empate 1-1 frente à França

A campanha de Portugal no Campeonato da Europa de Sub-17 de 2023 terminou na fase de grupos, depois de um empate 1-1 frente à França, no Estádio Balmazújváros Városi.

Aos 10 minutos, Philippe Ramos fez duas substituições antes do intervalo e Fode Sylla colocou a França na frente.

Não poderia ter pedido melhor finalização depois de introduzir Giovanni Guenda e Nuno Patricio aos 39 minutos, com canto de Guenda convertido por Patricio dois minutos depois.

A Equipa das Quinas teve mais ritmo na segunda parte, mas não conseguiu fazer o golo da vitória, o remate de Guevara foi defendido e o cruzamento de Martim Fernandez foi cabeceado por cima da trave por Rodrigo Duarte.

Sylla atira na França pela frente

Portugal teve um início promissor, ganhando a posse de bola em zonas perigosas, mas incapaz de inspirar a bola em situações de ataque.

A França abriu o placar aos 10 minutos na cobrança de falta. Saïmon Bouabré mandou a bola para a zona de perigo, onde Gonzalo Ribeiro desviou e Fode Sylla pegou antes de chutar para o canto inferior.

Martim Fernandes continuou a intensificar-se e sofreu uma falta, numa das quais Didium Komis viu o primeiro cartão amarelo do jogo.

Ramos é o golpe de mestre

Felipe Ramos não gostou do que viu e decidiu fazer duas alterações aos 39 minutos, com Gonzalo Moreira e Gonzalo Sosa a dar lugar a Giovanni Guenda e Nuno Patricio.

Foi um golpe de mestre quando os dois jogadores combinaram para empatar após Olivo Tome ganhar um escanteio. Guenda manda um remate feio para a área que não é desmarcada, Patricio usa um cabeceamento em loop para iludir Paul Orkney.

Guenda fez um remate rasteiro nas Orkney para fechar a primeira parte e a Equipa dos Quinas foi para o intervalo a toda a velocidade.

Jean-Luc Vannucci trouxe Ismail Bounef para Nolan Ferro ganhar algum controle no meio-campo, mas Portugal continuou a tomar a iniciativa.

Portugal continua a criar oportunidades

O remate de Domé foi bloqueado antes de lesionar o joelho e o extremo foi substituído por Rodrigo Duarte. O Vitória de Guimarães interveio de imediato, ao acertar no poste em posição de fora-de-jogo.

Portugal manteve a pressão, com Guenda provavelmente abrindo o placar, forçando uma defesa de Orkney quando Duarte foi desmarcado no segundo poste.

João Simos deu lugar a Diogo Lopão aos 68 minutos e Vannucci fez duas alterações, entrando Dauta Traore e Mathis Lampard para os lugares de Komis e Yannis Ali Issoufou.

Portugal continuou a avançar enquanto suas esperanças no torneio diminuíam. Duarte quebra, mas não consegue passar a bola para um Patrício desmarcado, Fernandez invade a área onde arrasta o chute por pouco.

Jogo de ponta a ponta

O jogo ficou aberto quando a França encerrou a partida com Joan Tincres forçando uma defesa de Gonzalo Ribeiro.

Melhor chance de Portugal no segundo tempo, um cruzamento de Fernandez encontrou Duarte, o atacante completamente desmarcado e cabeceou por cima da trave.

Uma briga feia se seguiu depois que Bouneb caiu lesionado e Ribeiro foi autuado por tentar enfrentá-lo, com a França permanecendo na partida e Portugal buscando a primeira divisão.

Uma lição difícil de aprender

Após o apito final, muitos jogadores portugueses estavam perturbados e em lágrimas. Família, amigos e equipe técnica ofereceram apoio que ajudaria esses meninos a superar o fardo de sentir que haviam decepcionado sua nação.

Gonçalo Oliveira esteve particularmente emocionado, mostrando a sua tenacidade e capacidade de liderança como defesa-central durante um difícil jogo de estreia frente à Alemanha.

Quando a poeira baixar, será a conquista da seleção e da representação de Portugal a principal emoção e lembrança da campanha na Hungria.

Superar a derrota nas competições internacionais nunca é fácil, mas essa experiência acabará por ajudar a transformar esses meninos em homens e construir carreiras duradouras como jogadores de futebol profissionais.

Por Mateus Marshall no Estádio Balmazújváros Városi