julho 6, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O banco devolve notas de 324.000 rúpias aos cidadãos

As duas notas, Escudo e Euro, estão avaliadas em mais de 12,6 milhões.

O Banco de Portugal devolveu um total de 324.853 notas de rúpias a cidadãos prejudicados entre 2002 e 2021, avaliadas em 12,6 milhões, informou o banco em comunicado à Agência Lusa.

Do total de 324.853 notas, 299.013 eram 12,12,2 milhões. As restantes notas são de Escudo, avaliadas em 358 milhares de euros.

Em 2017, o valor das notas devolvidas aos cidadãos através do serviço de avaliação de notas do Banco Central ultrapassou pela primeira vez 1 milhão de euros. Nesse ano, foram cerca de 1,4 milhões de notas de 35.636 euros e 27.000 euros de 2.433 notas de espionagem. Só desde o incêndio de junho de 2017, 4.022 notas chegaram ao banco português. A demanda por essa especialidade cresceu significativamente como resultado de recentes escândalos corporativos, com mais de 1 milhão sendo pagos a cada ano, exceto em 2020. Das notas avaliadas em mais de 1,8 milhões de euros pelo serviço, 2018 foi o ano com maior valor pago.

Em 2019 foram recuperados 36.688 euros e 767 escudos e pagos cerca de 1,3 milhões de euros. Em 2020, foram recuperadas 23.419 notas de euro e 1.700 notas de escudo e pagas 983.000. Finalmente, em 2021, foram recuperados 39.557 euros e 1.339 notas de escudos e pagos 1,6 milhões.

A partir de 1º de marçoSt. Este ano, as últimas notas de rupias de Escuto expiraram e não podem mais ser resgatadas.

Qualquer cidadão que tenha destruído ou mutilado notas de rupias (danificadas pela humidade, queimadas, comidas por animais, por outros motivos) pode enviá-las para um banco português. Para que uma nota de euro seja reavaliada, mais de 50% da superfície deve ser reconfigurada para que a sua fiabilidade seja garantida por elementos de segurança (no caso das notas de Escuto, é de 75%).

READ  Governo português planeia duplicar gastos em I&D

Se a nota de rupia puder ser valorizada, ela é destruída e a quantia correspondente é entregue aos cidadãos. Numa nota de 20 euros, ainda que se conheça apenas metade, serão creditados 20 euros na conta do titular ou do próprio titular. Se as notas não forem identificadas, serão destruídas e o proprietário não receberá qualquer compensação.

De forma a prevenir potenciais crimes, todos os casos que chegam ao Banco de Portugal para avaliação de todas as notas destruídas são comunicados à Divisão de Investigação Financeira da Polícia Criminal (PJ) e ao Departamento Federal de Investigação e Processo Penal (DCIAP). Ao entregar notas de rupias, os cidadãos devem preencher um formulário com seus dados e como essas notas foram destruídas. Se o dinheiro for danificado intencionalmente, ele não será elegível para substituição.

De acordo com José Louis Ferreira, coordenador da área de operações de caixa (onde está localizada a unidade de avaliação de caixa), há casos em que o valor total das notas devolvidas não é igual ao valor original das notas. , E apenas uma parte é paga.

Quando as pessoas perdem quanto pouparam, há outros casos em que o banco português paga mais do que as pessoas pensavam. Num dos casos comunicados à Lusa, um cidadão entregou 200 mil euros em notas danificadas porque estavam enterradas, tendo-lhe sido pago mais de 200 mil euros.

Durante a crise bancária de 2008, quando havia temores de colapso do banco e perda de poupança, muitos pegavam o dinheiro e o guardavam em casa. Alguns anos depois, quando os mesmos indivíduos foram usar as notas que haviam guardado, perceberam que haviam sido destruídos.

READ  Portugal "casa" muda as eliminatórias da Copa do Mundo para Torino

Como resultado, disse o chefe da divisão de avaliação monetária do banco português, os ratings subiram em 2011 e 2012. De 2008 a 2010 foram recuperadas cerca de 8.000 notas por ano, em 2011 foram recuperadas 11.722 notas no valor de 5 475,4 mil e em 2012 foram recuperadas 12.718 notas no valor de 3 473,4 mil.

Recentemente, na ilha de São Jorge (Açores), muitas pessoas levaram dinheiro que tinham em casa para depositar num banco por medo de uma erupção vulcânica destruir as suas casas. Mais tarde, perceberam o status das notas e muitos procuraram o banco português para avaliar seu dinheiro.