Maio 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo

Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia: atualizações ao vivo

Uma equipe da Agência Internacional de Energia Atômica visitou o complexo nuclear de Zaporizhia na quarta-feira.crédito…Alexander Ermoshenko/Reuters

KYIV, Ucrânia – A Rússia e a Ucrânia estão aumentando suas forças militares no sul da Ucrânia em meio a sinais de que os combates podem aumentar em breve, disse uma autoridade das Nações Unidas na quarta-feira, alertando que o reforço militar pôs em perigo ainda mais a segurança na usina nuclear de Zaporizhia, a maior da Europa.

“A situação não está melhorando”, disse o chefe da agência nuclear da ONU, Rafael Mariano Grossi, após embarcar para a linha de frente para visitar a usina na quarta-feira. “É claro que a atividade militar está aumentando em toda essa região, então todas as medidas e precauções possíveis devem ser tomadas para que a fábrica não seja atacada e possa ser protegida.”

Suas declarações foram feitas horas depois que explosões abalaram a cidade de Melitopol, ocupada por forças russas, na mesma área onde está localizada a usina. Algumas autoridades ucranianas identificaram a cidade como alvo de um contra-ataque previsto para esta primavera, quando Kiev provavelmente pressionará para recuperar o território perdido para Moscou após sua conquista total 13 meses atrás.

Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, cruzou a linha de frente na quarta-feira do território controlado pela Ucrânia para o território controlado pelas forças russas para chegar ao complexo nuclear. A Rússia tomou o complexo há mais de um ano e instalou artilharia para bombardear cidades próximas.

Durante meses, Grossi vinha alertando que bombardeios ao redor da estação – alguns dos quais atingiram equipamentos perigosos – poderiam levar a um acidente nuclear catastrófico. Em uma entrevista na terça-feira, ele disse que a situação não tinha precedentes na história da energia nuclear civil, e em uma coletiva de imprensa na usina na quarta-feira ele expressou novas preocupações.

Ele disse que houve “conversa aberta sobre ataques e contra-ataques”, mas não deu mais detalhes sobre o reforço da força.

O complexo nuclear está localizado na margem oriental do rio Dnipro, atrás das linhas russas. As forças ucranianas estão estacionadas na margem oeste do rio em frente à usina e também mantêm território no lado leste do rio, a cerca de 36 milhas do complexo.

Os líderes militares da Ucrânia têm mantido segredo sobre onde atacarão na esperada contra-ofensiva da primavera, que será reforçada por um influxo de ajuda militar dos Estados Unidos e outros aliados. A região de Donbass, no leste da Ucrânia, também está sendo vista como um possível local.

O contra-ataque ucraniano visa virar o jogo em uma ofensiva lançada por Moscou no leste este ano. Essa ofensiva desencadeou intensos combates ao redor da cidade de Bakhmut, na região de Donetsk, parte de Donbass, e em outras cidades ao longo da linha de frente. Os ganhos russos foram muito limitados.

Mas a região de Zaporizhzhia também apresenta um alvo atraente para o governo de Kiev. As forças ucranianas podem tentar avançar para o sul em direção a Melitopol e à costa do Mar de Azov, na esperança de cortar metade da faixa de território ocupado pela Rússia que liga a Crimeia ao leste da Ucrânia.

Fazer isso frustraria um dos objetivos militares do Kremlin, que é tomar território ao longo da costa ucraniana para criar uma ponte terrestre entre as duas regiões que controla desde 2014.

Mikita Potoraev, um legislador ucraniano, disse na quarta-feira que os ataques em Melitopol são “parte de um processo de preparação” antes de tal investida.

As explosões ocorreram em Melitopol por volta das 5h30. Vladimir Rogov, o oficial de ocupação pró-Rússia, ele disse no aplicativo de mensagens Telegram. Ele disse que uma estação de trem foi danificada e partes da rede elétrica foram atingidas, acrescentando que não houve vítimas.

A planta Zaporizhzhia está localizada a cerca de 80 milhas a noroeste de Melitopol. O Sr. Grossi manteve conversas infrutíferas com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e o presidente russo, Vladimir Putin, em um esforço para criar uma zona de segurança ao redor do complexo. A Rússia resistiu em abrir mão do controle da usina.

“É muito importante que concordemos com o princípio básico de que, sob nenhuma circunstância, uma usina nuclear deve ser atacada ou usada para atacar outras”, disse Grossi.

Em uma repreensão implícita à Rússia, ele acrescentou: “Esta é uma usina nuclear. Não é uma base militar. Nunca deveria ser uma base militar”.