Julho 12, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Negociações de paz ‘amanhã’ se a Rússia se retirar da Ucrânia – Zelensky

Negociações de paz ‘amanhã’ se a Rússia se retirar da Ucrânia – Zelensky

Comente a foto, Zelensky e outros líderes mundiais fizeram declarações finais após a cimeira

  • autor, Robert Greenall
  • Papel, BBC Notícias

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que Kiev manterá conversações de paz com a Rússia amanhã se Moscou se retirar de todo o território ucraniano.

Mas disse na conclusão de uma cimeira de paz na Suíça que o presidente russo, Vladimir Putin, não poria fim à guerra e que esta deveria ser travada “de qualquer forma possível”, seja por meios militares ou diplomáticos.

Acrescentou que a ajuda ocidental não foi suficiente para vencer a guerra, mas a cimeira mostrou que o apoio internacional à Ucrânia não estava a enfraquecer.

A reunião foi concluída com o compromisso de dezenas de países com a integridade territorial da Ucrânia.

Foi adoptado um documento final que culpava a Rússia pelo sofrimento e destruição generalizados da guerra.

No entanto, muitos países participantes, incluindo a Índia, a África do Sul e a Arábia Saudita, não o assinaram.

A cimeira pretende criar o apoio mais amplo possível a um processo que poderá ajudar a pôr fim à guerra na Ucrânia.

A cimeira contou com a presença de mais de 90 países e organizações internacionais.

A Rússia não foi convidada e a China, o seu maior apoiante, não esteve presente, o que levou alguns a questionar a eficácia da cimeira.

Alguns dos reunidos no resort suíço de Burgenstock não eram os apoiantes mais próximos da Ucrânia, incluindo a Arábia Saudita, cujo ministro dos Negócios Estrangeiros advertiu que a Ucrânia teria de fazer concessões difíceis, e o Quénia, que se opôs publicamente às recentes sanções à Rússia.

O documento final apela à restauração do controlo ucraniano sobre a central nuclear de Zaporizhzhya, actualmente ocupada pela Rússia.

A resolução também se refere à invasão russa como uma “guerra”, uma descrição que Moscovo rejeitou.

Apelou à troca de todos os prisioneiros e ao regresso das crianças raptadas pela Rússia.

Os temas mais controversos, como o estatuto dos territórios sob ocupação russa, ficarão para mais tarde.

Falando aos repórteres após a cimeira, Zelensky agradeceu aos líderes mundiais que compareceram, dizendo estar grato por eles terem demonstrado independência na sua participação, apesar da pressão da Rússia para que se mantivessem afastados.

“Esta cimeira diz que o apoio internacional [for Ukraine] Não enfraquece”, afirmou, observando que países que não tinham participado anteriormente em esforços diplomáticos aderiram ao processo.

Quando a BBC lhe perguntou se a posição mais fraca da Ucrânia no campo de batalha o tinha forçado a considerar medidas diplomáticas, ele respondeu que não era esse o caso e que a Ucrânia sempre tinha falado sobre a paz.

Ele disse que a presença de Moscovo nas negociações mostraria a sua disponibilidade para a paz.

“A Rússia pode iniciar negociações amanhã se se retirar das nossas terras”, disse ele.

Zelensky também disse que a China não é inimiga da Ucrânia.

“Respeitamos a China e a sua integridade territorial e queremos que a China faça o mesmo por nós”, disse ele, apelando a Pequim para se envolver seriamente no desenvolvimento de propostas de paz.

Anteriormente, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, disse que os presentes estavam unidos na busca pela paz na Ucrânia.

“Todos sabemos que estamos apenas no início, no início do caminho para a paz”, disse ele.

“E embora alguns de nós nesta mesa tenhamos opiniões diferentes sobre como alcançar a paz na Ucrânia, que não haja erros… Estamos completamente unidos numa visão partilhada sobre princípios, valores e decência.

“Você não invade outro país. Você não sequestra crianças. Você não faz política com o abastecimento alimentar mundial. E você não coloca em risco a segurança nuclear.”

Esperava-se que todas as delegações apoiassem uma declaração final condenando a invasão russa, mas o chanceler austríaco Karl Nehammer disse aos jornalistas no domingo que a declaração não seria apoiada por unanimidade.

Zelensky disse no sábado que os resultados da cimeira suíça seriam enviados a Moscovo “para que na segunda cimeira de paz possamos determinar o verdadeiro fim da guerra”.

A Rússia descreveu o evento suíço como uma perda de tempo, e o presidente Vladimir Putin disse na sexta-feira que concordaria com um cessar-fogo se a Ucrânia retirasse as suas forças de quatro regiões que a Rússia ocupa parcialmente e afirma ter anexado.

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, descreveu o assunto como “propaganda”, e o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, acusou Putin de “tecer uma narrativa falsa sobre a sua vontade de negociar”.

O então porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse no domingo que o líder russo não descartou negociações com a Ucrânia, mas acrescentou que eram necessárias garantias para garantir a sua credibilidade e que Zelensky não poderia participar.