julho 6, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Muito tempo, Internet Explorer. Seu navegador está finalmente morto

SÃO FRANCISCO (AP) – O Internet Explorer está finalmente indo para as pastagens.

A partir de quarta-feira, a Microsoft não oferecerá mais suporte ao navegador outrora dominante que os internautas amavam e odiavam – e alguns ainda afirmam adorar. O jovem de 27 anos agora se junta aos telefones BlackBerry, modems discados e Palm Pilots na lixeira da história da tecnologia.

A morte do IE não foi nenhuma surpresa. Há um ano, a Microsoft disse que estava encerrando o Internet Explorer em 15 de junho de 2022, empurrando os usuários para o navegador Edge, lançado em 2015.

A empresa deixou claro que era hora de seguir em frente.

“O Microsoft Edge não é apenas uma experiência de navegação mais rápida, segura e moderna do que o Internet Explorer, mas também é capaz de resolver uma grande preocupação: compatibilidade com sites e aplicativos desatualizados e desatualizados”, Shaun Lindsay, gerente geral do Microsoft Edge Enterprise , escreveu em Postagem do blog maio de 2021.

Os usuários selecionam o Pass Explorer no Twitter, referindo-se a ele como um “ponto de venda inseguro e cheio de bugs” ou “o melhor navegador para instalar outros navegadores”. Para outros, foi um momento de nostalgia dos anos 90, enquanto o Wall Street Journal cita um jovem de 22 anos que foi Triste ver o IE ir.

A Microsoft lançou a primeira versão do Internet Explorer em 1995, uma era pré-moderna de navegação na web dominada pelo primeiro navegador amplamente popular, o Netscape Navigator. Seu lançamento marcou o início do fim do Navigator: a Microsoft continuou a unir o IE e o onipresente sistema operacional Windows com tanta força que muitas pessoas o usaram por padrão em vez do Navigator.

READ  Evento de negócios mistos do Microsoft Windows 11: o que esperar

O Departamento de Justiça processou a Microsoft em 1997, dizendo que havia violado um decreto de consentimento anterior ao exigir que os fabricantes de computadores usassem seus navegadores como condição para usar o Windows. Acabou concordando em encerrar uma batalha antitruste em 2002 pelo uso do monopólio do Windows para esmagar os concorrentes. Ele também entrou em conflito com reguladores europeus que disseram que vincular o Internet Explorer ao Windows lhe dá uma vantagem injusta sobre concorrentes como Firefox, Opera e Google Chrome, da Mozilla.

Enquanto isso, os usuários reclamaram que o IE era lento, propenso a travar e propenso a hackers. A participação de mercado do IE, que era superior a 90% no início dos anos 2000, está começando a diminuir à medida que os usuários encontram alternativas mais atraentes.

Hoje, o Chrome domina quase 65% do mercado mundial de navegadores, seguido pelo Safari da Apple com 19%, segundo a empresa de análise de internet Statcounter. O sucessor do IE, Edge, fica cerca de 4% antes do Firefox.