fevereiro 4, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Ministério Público Europeu promove investigação de fraude em Portugal – EURACTIV.com

A Procuradoria Europeia acelerou o andamento da investigação sobre a operação de fraude em andamento ‘Operação Almirante’, iniciada em Portugal e que resultou na prisão de 14 pessoas no país, confirmou o procurador europeu José Guevara.

disse o magistrado que representa o país na Procuradoria Europeia (EPPO). lusa Este “Fraude multimilionária em Portugal“Está em causa e o processo começou em território português.

“O caso estava pendente com as autoridades portuguesas. Iniciou-se uma investigação junto da Autoridade Tributária (AT) e do Ministério Público (MP) de Coimbra. Mais tarde, encontramos um processo antigo pendente no Ministério Público do Porto. Os processos estavam interligados e, inicialmente, existiam duas equipas da Polícia de Investigação Criminal de Portugal, da PJ e da Autoridade Tributária”, recordou, explicando que a investigação foi reportada à Procuradoria-Geral da República em meados de 2021.

Segundo Guevara, “não ver a atividade criminosa numa perspetiva nacional” é a base que levou à operação de hoje, levada a cabo pela PJ no país, a cerca de 100 casas e não residentes. Buscas domésticas em todo o país e 14 pessoas foram detidas nas regiões Norte, Centro e Almada por alegada prática de crimes como associação criminosa, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

“A investigação ganhou impulso quando chegou à Procuradoria Europeia. “As próprias autoridades debateram se o julgamento deveria ser realizado em Portugal, pois nenhum preconceito foi definido para Portugal”, continuou, acrescentando: “Sem uma perspetiva europeia, o processo não vai a lado nenhum”.

As informações da EPPO revelaram 2,2 mil milhões de euros de fraude ao IVA e fraude em 14 Estados-Membros (Bélgica, Chipre, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Itália, Lituânia, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal, Roménia, Eslováquia, Eslováquia, Eslováquia e Eslováquia) pontos à fraude global do IVA. ) como parte desta investigação, também foram realizadas buscas na República Tcheca, Hungria, Itália, Holanda, Eslováquia e Suécia em outubro passado.

READ  Os ingressos já estão à venda enquanto as estrelas do European Tour se preparam para o Masters de Portugal

Segundo o Procurador Europeu de Portugal, o “sucesso” da operação viu a investigação de forma diferente ao adotar uma perspetiva transnacional.

As ofensas se espalharam por 22 estados membros da EPPO, incluindo Hungria, Irlanda, Suécia e Polônia, e Albânia, China, Maurício, Sérvia, Cingapura, Suíça, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e países terceiros. Estados Unidos da América.

O relatório publicado pela Procuradoria Europeia refere que a investigação durou cerca de um ano e meio e expôs “a maior fraude carrossel de IVA” na União Europeia, que “permitiu o estabelecimento de ligações entre a empresa suspeita em Portugal e cerca de 9.000 outras pessoas jurídicas . , e mais de 600 pessoas em diferentes países.

A atividade criminosa envolveu a criação continuada de um complexo conjunto de empresas, muitas vezes vendendo equipamentos informáticos em plataformas online, direcionando-se a fazer as ações necessárias para “enriquecer” com o valor do IVA recebido pela venda destes produtos a clientes finais. Em um esquema típico de ‘fraude intracomunitária (MTIC) de comerciante ausente’, isso prejudica os cofres da UE, explicou BJ.

(João Godinho | Lusa.pt)