setembro 18, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Mais de 200 estudantes afegãos querem vir para Portugal ao abrigo de um programa desenvolvido por George Sambayo

O Express informa que mais de 200 mulheres e meninas afegãs serão aceitas em Portugal para estudar na base humanitária que ele criou durante a guerra na Síria, já que o ex-presidente republicano George Zambio está doente no hospital. (Clique aqui).

Nove dias após o anúncio da plataforma, vem se acumulando a resposta de que as bolsas para estudantes afegãs serão ampliadas.

“O apoio a universidades, centros de investigação, fundações e empresas foi ultrapassado”, afirmou o Expresso.

Muito em breve, o esforço de arrecadação de fundos começará.

Helena Baroko, secretária geral do site, explica que as inscrições online estão abertas, mas o projeto basicamente “ainda está pronto com parceiros e recrutamento com apoio”.

Também aqui a resposta é “expectativas superadas”.

O Dr. Sambayo deixou claro que estava doente demais para apelar aos ‘parceiros’ da plataforma, instituições oficiais, universidades, etc., pedindo ao Talibã que apoiasse mulheres que agora estão perdendo todas as oportunidades em seu país. O regime está de volta.

Helena disse ao Baroque Express: “O apelo foi bem recebido e posso dizer que estamos recebendo um feedback muito positivo dos principais parceiros” – a maioria deles são universidades.

Também houve uma resposta positiva “de particulares, empresas e outras organizações”.

A Sra. Baroque deu uma pista de como a arrecadação de fundos começaria. Expresso afirma, “Envolvendo a comunidade universitária global através do YES FUND (Fundo de Solidariedade para a Educação de Jovens).

“Foi baseado em uma ideia simples”, disse ele ao jornal. Se cada aluno contribuir com um euro para esta matrícula a cada ano, deveríamos ver esse montante aumentar em euros anualmente para beneficiar os alunos afetados pelo conflito ou crise humanitária, visto que existem aproximadamente 235 milhões de alunos na universidade em todo o mundo. … ”

Desde 2014, a Global Platform 4 conseguiu financiar mais de 650 bolsas anuais para estudantes sírios. Cerca de 135 sírios concluíram os seus diplomas (incluindo mestrado e doutoramento), a maioria deles em Portugal, mas também no Líbano, Jordânia, Egito, França, Alemanha, Canadá e Estados Unidos.

Quase todos os diplomados conseguem arranjar emprego ou continuar os estudos.

O programa, que visa ajudar mulheres e jovens afegãs, continua a cuidar de estudantes sírios.

Helena Baroko disse que mais cem alunos bolsistas estão sendo ajudados no palco e que ainda não concluíram seus estudos. Além disso, como frisou, “a situação humanitária na Síria é catastrófica, com escassez de produtos essenciais, inflação vertiginosa, desemprego, falta de educação, falta de empregos, corrupção e amizade”.

A “situação catastrófica no Líbano” não ajudou a situação da Síria, onde ele disse que mais de 80% do país agora vive no que é classificado como “pobreza multidimensional”.

natasha.donn@algarveresident.com

READ  Lugares baratos para comprar uma casa em Portugal