Maio 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Livro de chocolate com 400 anos vai a leilão em Portugal

Livro de chocolate com 400 anos vai a leilão em Portugal

Um livro com 400 anos intitulado “Un discurso del chocolat”, considerado o livro mais antigo dedicado exclusivamente ao chocolate, vai a leilão em Portugal.

Impresso em Sevilha em 1624, este valioso artefato é uma das três únicas cópias sobreviventes desta obra escrita pelo médico e acadêmico espanhol Santiago de Valverde Turiz.

Até agora, apenas se sabia da existência de outras duas cópias da obra, uma guardada na Biblioteca Nacional de Madrid e outra na Universidade de San Diego, na Califórnia, disse Francisco Brito, consultor da casa de leilões Anno. Pelo jornal Públio de Portugal.

“Un discurso del chocolat” apresenta uma mistura de investigação científica, conselhos práticos, comentários culinários e culturais. Dividido em cinco partes, este livro traz insights sobre a versatilidade do chocolate e seus efeitos no corpo humano.

Significativamente, Turisses contraria o potencial do chocolate para provocar tendências coléricas nos seus consumidores. Baseando-se no conceito medieval e moderno de humor físico, ele alerta sobre a natureza “quente, úmida e gordurosa” do chocolate, que ele acredita poder causar irritação e raiva.

Choco-Lore: a história agridoce dos doces

Os nativos americanos torravam e moíam grãos e misturavam chocolate em uma jarra com um batedor.

Os nativos americanos torravam e moíam grãos e misturavam chocolate em uma jarra com um batedor. – Crédito: Wikimedia Commons

A domesticação dos grãos do cacau remonta há pelo menos 5.300 anos, no que é conhecido como sudeste do Equador. Província de Zamora-Sinchip, A cultura Mayo-Sincip foi a primeira a desenvolvê-los. Esta prática foi introduzida na Mesoamérica.

Os povos indígenas da América Central, especialmente os olmecas, maias e astecas, consideravam o cacaueiro sagrado, e seus grãos eram usados ​​para fazer uma bebida amarga e espumosa chamada “xocolātl”, que significa “água amarga” em náuatle.

Diz a lenda que quando exploradores espanhóis, liderados pelo conquistador Hernán Cortés, chegaram às Américas no início do século XVI em busca de ouro e riquezas, descobriram o refrigerante.

Após a conquista espanhola do Império Asteca, o xocolātl chegou à Europa. Os espanhóis adaptaram rapidamente a receita indígena, acrescentando açúcar ou mel para adoçar a bebida amarga e outras especiarias como canela e baunilha.

No início, era consumido principalmente como bebida, mas eventualmente casas de chocolate começaram a aparecer em toda a Europa, especialmente na Espanha, Itália e França no século XVII.

Uma página de "Um discurso do chocolate" Por Santiago de Valverde ToursUma página de "Um discurso do chocolate" Por Santiago de Valverde Tours

Uma página de “Un discurso del chocolate” de Santiago de Valverde Turíses – Crédito: Universidade da Califórnia

As receitas do livro de Touris, provenientes de especialistas da Espanha e do “Novo Mundo”, dão uma ideia da produção e do consumo históricos do chocolate.

Para realçar o sabor, a cor e o sabor do chocolate, principalmente para temperamentos coléricos e sanguíneos, Duris recomenda adicionar sementes de urucum, também conhecido como aceote.

O livro está entre as nove peças leiloadas da coleção do militar, escritor e arqueólogo português José Augusto Correa de Campos, falecido em 1977, e arrematado por 2.000 euros.