dezembro 9, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Kherson: A Rússia intensifica o reassentamento de civis na cidade.  Ela pode estar prestes a perder um dos maiores prêmios em sua guerra

Kherson: A Rússia intensifica o reassentamento de civis na cidade. Ela pode estar prestes a perder um dos maiores prêmios em sua guerra



CNN

Os líderes instalados pelos russos na região de Kherson, na Ucrânia, começaram na quarta-feira uma intensificação em larga escala do reassentamento de até 60.000 pessoas em meio a alertas sobre capacidade da Rússia suportar um contra-ataque ucraniano.

Autoridades ucranianas acusaram a Rússia de criar “histeria” para forçar as pessoas a sair. Os moradores da cidade de Kherson começaram a receber mensagens de texto na manhã de quarta-feira da administração pró-Rússia.

Dizia “Caros Residentes”. “Evacuem imediatamente. Haverá bombardeios das forças armadas ucranianas em áreas residenciais. Haverá ônibus a partir das 7:00 de Rechport. [River port] para a margem esquerda.

Enquanto isso, o presidente russo Vladimir Putin anunciou, na quarta-feira, que assinou uma lei que prevê lei marcial Em Kherson e em três outras regiões ucranianas, o Kremlin afirma ter anexado, em violação do direito internacional. As outras regiões são Zaporizhzhia, Donetsk e Luhansk.

Em sua primeira aparição na televisão estatal russa como o novo líder do Kremlin para a Ucrânia, o general Sergei Surovkin Ele disse na terça-feira à noite que a situação em Kherson estava “longe de ser simples” e “extremamente difícil”.

“Nossos planos e medidas adicionais para a cidade de Kherson dependerão da situação militar e tática no terreno”, disse ele.

As forças ucranianas avançaram por várias partes da região de Kherson nas últimas semanas, capturando aldeias e terras agrícolas ao longo da margem ocidental do rio Dnipro, também conhecida como margem direita.

A capacidade da Rússia de reabastecer suas forças em Kherson foi severamente prejudicada pelos repetidos ataques de mísseis e artilharia ucranianos em pontes controladas pelos russos que cruzam o rio Dnipro. Uma explosão no início deste mês que danificou gravemente a ponte Kerch, que liga a Rússia à Crimeia, sufocou ainda mais a logística russa.

Na semana passada, o chefe do governo apoiado pela Rússia apelou ao Kremlin para ajudar a evacuar civis perto da linha de frente.

Na terça-feira, a retórica atingiu um novo patamar. Pouco depois das 23h, horário local (16h ET), Kirill Strimosov, vice-chefe do governo apoiado pela Rússia, postou um vídeo em seu canal Telegram.

“Os nazistas ucranianos empurrados pelo Ocidente começarão seu ataque a Kherson muito em breve”, disse ele. “É altamente recomendável que você deixe a área da margem direita.”

Esta manhã, depois das oito da manhã, ele prosseguiu dizendo: “Atravesse o mais rápido que puder para a margem esquerda [the eastern side] do rio Dnipro.” Horas depois, a administração apoiada pela Rússia chegou a fechar todas as entradas para a margem direita do rio Dnipro por sete dias.

Autoridades ucranianas acreditam que menos da metade da população civil de Kherson permaneceu na cidade – cerca de 130 mil pessoas.

Vladimir Saldo, o líder apoiado pela Rússia na região de Kherson, disse à televisão estatal russa na noite de terça-feira que pretende transportar de 50.000 a 60.000 pessoas da margem direita para a margem esquerda do rio Dnipro.

Líderes ucranianos exilados na região de Kherson acusam líderes russos de criar “histeria” para aterrorizar a população e realizar “deportações voluntárias” para a Rússia, onde lhes foi prometida assistência com moradia.

Yuri Sobolevsky, vice-presidente do Conselho Regional de Kherson da Ucrânia, disse à CNN na quarta-feira.

Por outro lado, não há garantias de que os evacuados estarão seguros lá e longe da linha de frente. Agora as pessoas tomam suas próprias decisões – sair ou ficar. É difícil dizer que decisão eles vão tomar.”

As “deportações em massa de civis” da Rússia, juntamente com outros supostos abusos, podem constituir crimes contra a humanidade, de acordo com um relatório de julho da Organização para Segurança e Cooperação na Europa. Em setembro, o Conselho de Segurança da ONU também disse que a deportação forçada da Rússia de 2,5 milhões de pessoas da Ucrânia – incluindo 38.000 crianças – constituiu uma violação dos direitos humanos.

A Ucrânia denunciou o plano de “purificação” da Rússia em uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas na semana passada. A vice-embaixadora da Ucrânia nas Nações Unidas, Kristina Hyovichin, disse que os ucranianos que foram forçados a ir para a Rússia ou territórios controlados pela Rússia estão sendo mortos e torturados.

Hayovichin disse ao Conselho de Segurança que milhares de cidadãos ucranianos estão sendo deportados à força para “áreas isoladas e deprimidas da Sibéria e do Extremo Oriente”.

Heyovichin disse que os cidadãos ucranianos estão aterrorizados sob o pretexto da busca de pessoas “perigosas” pelas autoridades russas. Aqueles que têm opiniões políticas diferentes ou pertencem ao governo ucraniano ou à mídia estão desaparecendo em uma área cinzenta. O representante da Ucrânia anunciou a retirada das crianças dos braços de seus pais.

Nos primeiros dias da invasão russa total da Ucrânia, quando reinava a confusão, a captura da cidade de Kherson, no sul, foi uma grande vitória estratégica e de propaganda para o Kremlin.

No sétimo dia da guerra, o prefeito de Kherson anunciou que soldados russos haviam entrado em seu escritório e a cidade havia caído.

Geograficamente, era vital: Kherson está localizado na foz da artéria central da Ucrânia, o rio Dnipro, não muito longe do canal que fornece água para a Crimeia. O governo ucraniano fechou esse canal em 2014, quando a Rússia anexou ilegalmente a península.

Foi a primeira grande cidade ocupada pela Rússia e a única capital regional capturada desde fevereiro. (Além da Crimeia, as forças apoiadas pela Rússia controlam as cidades de Donetsk e Luhansk desde 2014.) É o segundo maior centro populacional capturado pela Rússia depois de Mariupol.

Sete meses depois, o Kremlin considerou a região de Kherson parte da Rússia, depois de supostamente a ter anexado no mês passado. No entanto, todos, desde os líderes nomeados pela Rússia na região até o novo comandante de todo o esforço de guerra ucraniano, estão soando o alarme sobre sua capacidade de resistir a uma ofensiva ucraniana na região.

A administração fantoche na Rússia prometeu que não havia plano para abandonar a cidade de Kherson, e que assim que o exército “resolver todas as tarefas”, a vida normal voltaria.

Em seus comentários na televisão russa, o comandante russo Sorovikin repetiu o que se tornou um tropo nos círculos russos: que o exército ucraniano estava se preparando para bombardear o centro da cidade de Kherson, até mesmo para atacar a barragem que faz parte de uma usina hidrelétrica. Em Nova Kakhovka, as águas das inundações foram desencadeadas nas planícies a jusante.

Autoridades ucranianas descartaram essa ideia como propaganda russa. Não seria fácil para a Ucrânia retomar Kherson se a Rússia se opusesse seriamente a isso, e o exército ucraniano hesitaria em atacar um centro urbano onde dezenas de milhares de civis poderiam permanecer.

Mas os líderes militares ucranianos continuam otimistas sobre a ofensiva de Kherson.

“Faremos progressos significativos até o final do ano”, disse o major-general Kirillo Budanov, chefe da Agência de Inteligência de Defesa da Ucrânia.

Serão grandes vitórias. Você vai vê-lo em breve.”

READ  Ministro dos Transportes Eswaran on Travel Lanes (VTL)