novembro 27, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Jornalista russa que escapou de prisão domiciliar diz que é inocente

Jornalista russa que escapou de prisão domiciliar diz que é inocente

  • A jornalista confirma que passou por prisão domiciliar
  • Ovsyannikova desafia Putin novamente em novo vídeo

(Reuters) – Marina Ovsianikova, a jornalista de TV russa acusada de espalhar notícias falsas depois de orquestrar uma série de protestos solitários contra a guerra na Ucrânia, disse nesta quarta-feira que fugiu da prisão domiciliar porque não tinha motivos para responder.

“Eu me considero completamente inocente e, como nosso estado se recusa a cumprir suas leis, me recuso a cumprir as medidas de restrição impostas a mim em 30 de setembro de 2022 e me libero disso”, disse ela.

Em um vídeo postado no Telegram, ela se sentou em um sofá rosa e se dirigiu ao Serviço Prisional Federal da Rússia, criticando o presidente Vladimir Putin pela guerra.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Putin tag como este”, disse ela, apontando para o que parecia ser uma tornozeleira eletrônica.

Seu advogado, Dmitry Zakvatov, disse que ela deveria comparecer à audiência no tribunal às 10h, horário de Moscou (0700 GMT), mas foi realizada à revelia porque os investigadores não conseguiram localizá-la.

Ele disse à Reuters que as autoridades não sabiam de seu paradeiro e que ela seria mantida sob custódia se fosse presa.

“Mas esperamos que isso não aconteça”, disse ele.

Ovsyannikova chamou a atenção do mundo em março ao sair na frente das câmeras do estúdio durante o noticiário da noite na televisão estatal com uma faixa que dizia “Pare a guerra” e “Eles estão mentindo para você”.

O Kremlin na época denunciou sua ação de protesto como um “motim”. Consulte Mais informação

A mulher de 44 anos foi colocada em prisão domiciliar por dois meses em agosto por causa de um protesto em julho, quando ela estava na margem de um rio em frente ao Kremlin e exibia um cartaz chamando Putin de assassino e seus soldados fascistas. Consulte Mais informação

READ  Elon Musk diz que a SpaceX continuará a financiar o serviço Starlink da Ucrânia gratuitamente

Ela pode pegar até 10 anos de prisão se for condenada por espalhar notícias falsas sobre as forças armadas russas.

Sua prisão domiciliar deveria durar até 9 de outubro, mas a agência de notícias estatal Russia Today informou no sábado que ela havia fugido com sua filha de 11 anos, e seu paradeiro era desconhecido. Como ela saiu e para onde foi ainda não está claro.

A Rússia aprovou novas leis contra difamação ou disseminação de “informações falsas deliberadas” sobre as forças armadas em 4 de março, oito dias após a invasão da Ucrânia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Relatórios de Caleb Davis). Edição por Mark Trevelyan

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.