outubro 5, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Jornalista Ivan Safronov foi condenado a 22 anos de prisão por alta traição

Jornalista Ivan Safronov foi condenado a 22 anos de prisão por alta traição

Suspensão

RIGA, Letônia – Um tribunal russo condenou o ex-jornalista investigativo Ivan Safronov a 22 anos de prisão por traição, uma decisão sombria para um dos julgamentos mais notáveis ​​de um jornalista na Rússia em anos.

A dura decisão é apenas o episódio mais recente da repressão da Rússia à mídia e à liberdade de expressão, que fechou quase todos os meios de comunicação independentes do país e impôs regras rígidas de reportagem sobre o conflito em andamento na vizinha Ucrânia.

Safronov foi preso em julho de 2020 e está em prisão preventiva desde então. Investigadores do serviço secreto russo, o FSB, o acusaram de passar segredos de Estado a agentes alemães e tchecos entre 2015 e 2017, durante seu mandato como repórter cobrindo assuntos militares e o espaço de negócios diário do Kommersant. O julgamento foi realizado a portas fechadas e as provas não foram tornadas públicas.

Para escapar da repressão de Putin durante a guerra, jornalistas russos estão construindo centros de mídia no exílio

Os partidários de Safronov dizem que o FSB mobilizou acusações em retaliação por seu trabalho jornalístico que se concentrou em acordos secretos sobre o comércio de armas russo e expôs os infelizes incidentes do Ministério da Defesa do país.

Em um clipe do tribunal transmitido pelo canal de TV Al-Matar, os partidários de Safronov aplaudiram e gritaram “Liberdade!” Após a decisão. “Eu te amo”, respondeu Safronov, antes de ser retirado da jaula do tribunal.

Uma acusação vazada, publicada pela Agência de Investigação Russa Proekt, afirma que os materiais supostamente obtidos por Safronov de “pessoas com acesso a segredos de Estado” e transferidos para a inteligência ocidental eram de domínio público.

READ  Uma cidade dinamarquesa gastou US $ 150.000 transportando lixo da praia para o oceano

De acordo com Proekt, Safronov concordou em contribuir para uma publicação que empregou seu amigo, o cidadão tcheco Martin Larich, e depois escreveu para o analista político Dmitriy Voronin, que trabalhava para uma empresa de consultoria germano-suíça. Peças analíticas enviadas por Safronov a Larish e Voronin, que o FSB acusa de serem agentes tchecos e alemães, respectivamente, foram a base da acusação contra ele.

Proekt diz que as informações nos artigos de Safronov já estavam disponíveis no Kommersant, em vários meios de comunicação russos e internacionais, na agência estatal de notícias RIA Novosti e no site do Ministério da Defesa russo.

O relatório também observa que, durante a investigação pré-julgamento, Safronov solicitou sem sucesso que os promotores lhe permitissem acessar um computador para que ele pudesse extrair informações supostamente classificadas de fontes na Internet.

“Está claro para nós que o motivo da perseguição de Ivan Safronov não é” traição “que não é apoiada por nada, mas sim seus trabalhos jornalísticos e artigos que ele publicou sem levar em conta a opinião do Ministério da Defesa e do Federação Russa. Khulud disse em uma carta pedindo às autoridades russas para libertar o jornalista.

A mídia independente da Rússia, sitiada por tanto tempo, oscila sob a nova repressão de Putin

Os promotores inicialmente pediram 24 anos de prisão, apenas um ano a menos do que a pena máxima. O advogado de Safronov, Yevgeny Smirnov, disse na semana passada que momentos antes do anúncio do pedido de condenação, o promotor se voltou para o jornalista e lhe ofereceu um acordo: se ele se declarasse culpado, a pena seria reduzida pela metade. Safronov recusou.

A carreira de Safronov no Kommersant durou uma década. Ele ingressou no jornal como aprendiz, mas rapidamente subiu na hierarquia e se tornou um dos correspondentes russos mais proeminentes cobrindo as indústrias de defesa e aeroespacial. Seu pai, também chamado Ivan, trabalhou no mesmo jornal cobrindo assuntos militares e morreu em circunstâncias misteriosas depois de cair de uma janela em seu prédio em Moscou.

READ  Em Mianmar, Aung San Suu Kyi foi condenada a mais 4 anos de prisão

Os amigos e a família de Safronov disseram a Proekt que ele recebia regularmente ofertas de emprego de ministérios e empresas governamentais – muitas vezes cobrindo-os – mas se recusava a se comprometer com o jornalismo.

Em 2019, Safronov deixou o jornal Kommersant após uma notícia sobre a próxima renúncia do presidente do parlamento russo, um vazamento aparente que irritou as autoridades, que pressionaram o jornal a demitir o jornalista. Safronov então trabalhou como conselheiro do chefe da empresa espacial estatal russa, Roscosmos, por alguns meses antes de sua prisão.

Casos de traição do Estado são raros na Rússia, mas cada vez mais são vistos como uma forma de os serviços de segurança pressionarem jornalistas, cientistas e outros indivíduos que investigam assuntos governamentais sensíveis. Os julgamentos são sempre realizados a portas fechadas e os motivos dos processos raramente são tornados públicos.

Ivan Pavlov, que representou Safronov até que as autoridades russas o acusaram de revelar detalhes de uma investigação inicial e o obrigaram a fugir do país, tendo se especializado na defesa de casos de espionagem e traição.

Em um relatório de 2018, ele escreveu: “Há cada vez mais casos de” espionagem “na Rússia a cada ano, mas pouco se sabe sobre eles, e quando a informação aparece, levanta grande suspeita”.

“[Charges] “A punição de oficiais de inteligência estrangeiros deve ser aplicada a donas de casa, vendedores de água, cientistas e aposentados”, disse Pavlov na época. “Esses casos são investigados e considerados sob um véu de sigilo, tornando mais fácil para os agentes da lei infringir os direitos dos réus e surpreendentemente inventar casos para apresentação. Tentamos levantar esse véu.”

Outro dos advogados de Safronov, Dmitry Talantov, que assumiu o cargo de Pavlov, foi detido sob acusações de “leis de notícias falsas” da Rússia e pode pegar até 10 anos de prisão.

READ  Rakesh Jonghunwala, 'Warren Buffett da Índia', morre aos 62 anos

Em outro terrível sinal da mídia russa, que é uma das últimas mídias russas independentes, Novaya Gazetafoi oficialmente destituído de sua licença de mídia na segunda-feira, impossibilitando o jornal de operar legalmente no país.

O Novaya Gazeta, um importante veículo de investigação fundado em 1993 e editado pelo Prêmio Nobel Dmitry Muratov, encerrou suas operações em março, logo após o início da guerra na Ucrânia, após receber avisos do regulador russo de tecnologia e comunicações.

Alguns de seus funcionários deixaram a Rússia para lançar uma nova publicação, Novaya Gazeta Europe, mas o organizador também baniu seu site na Rússia.