setembro 29, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Inspetores da ONU detalham descobertas da usina nuclear: atualizações ao vivo para a Ucrânia

Inspetores da ONU detalham descobertas da usina nuclear: atualizações ao vivo para a Ucrânia

atribuído a ele…Kirill Kudryavtsev/AFP – Getty Images

Um tribunal russo condenou na segunda-feira um ex-jornalista a 22 anos em uma prisão de segurança máxima por duas acusações de traição, indicando um novo nível de repressão contra a imprensa livre na Rússia e provocando um protesto na comunidade da imprensa.

Ivan Safronov, 32, ex-correspondente de defesa dos jornais Kommersant e Vedomosti, foi preso em julho de 2020 a caminho do trabalho em Moscou e acusado de revelar segredos de Estado a representantes de serviços de inteligência estrangeiros.

Dois meses antes de sua prisão, ele deixou seu emprego na mídia para se tornar conselheiro do chefe da agência espacial russa, Roscosmos, mas a agência disse que as acusações estavam relacionadas ao seu trabalho como jornalista.

A gravidade da sentença – que foi anunciada em um comunicado ao tribunal Basmani em Moscou – provocou uma reação irada.

Na terça-feira, o jornal Kommersant – onde Safronov começou sua carreira e se tornou um repórter de defesa estelar – escolheu ousadamente imprimir o email de apoio a Safronov em sua primeira página, dizendo que seus funcionários “lembram todos os dias que não podem ajudar”.

“Não ouvimos nenhuma evidência pública de sua culpa”, dizia a carta endereçada à atual residência de Safronov na notória prisão de Lefortovo, em Moscou. “Estamos confiantes: em qualquer outra situação, você será absolvido”, dizia a carta.

“Estamos esperando por você”, acrescentou.

O diário Kommersant, que se esforçou para se tornar um jornal russo padrão, é de propriedade de Alisher Usmanov, um empresário com conexões com o Kremlin. O jornal traçou uma linha tênue entre manter um certo grau de independência e evitar o destino de outras publicações russas que foram fechadas sob pressão política do governo.

READ  O que é água? O processo por trás da "Cremação Verde" de Desmond Tutu | Desmond Tutu

Em um caso ultrassecreto, promotores russos disseram que Safronov revelou segredos de Estado sobre vendas de armas russas a um jornalista que trabalhava para o braço de inteligência estrangeira da República Tcheca, segundo seu advogado. Ele também foi acusado de compartilhar segredos não especificados sobre o envolvimento da Rússia na guerra na Síria com um cientista político da Alemanha, segundo seu advogado, Ivan Pavlov.

O Sr. Safronov negou as acusações, dizendo que seus relatórios se baseavam em informações obtidas apenas de fontes publicamente disponíveis. Seu advogado disse que ele se recusou a entrar em um acordo com a promotoria.

A decisão causou calafrios na comunidade de imprensa russa, que está sob intensa pressão desde que o governo proibiu a publicação de qualquer coisa que se desviasse da linha do Kremlin sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Yevgeny Smirnov, outro membro da equipe jurídica de Safronov, disse que o caso teve um “tremendo efeito de resfriamento” sobre os jornalistas na Rússia, particularmente aqueles que cobrem a defesa e o complexo industrial militar, e que a equipe de defesa de Safronov apresentará um recurso. .

Smirnov disse que a equipe de defesa acredita que, além de tentar enviar uma mensagem aos jornalistas russos, o governo busca vingança contra Safronov por revelar os planos russos de vender caças ao Egito. Logo depois que Safronov publicou um artigo em 2019 sobre o acordo de US$ 2 bilhões, os Estados Unidos ameaçado impor sanções ao Cairo.

O Sr. Smirnov e o Sr. Pavlov fugiram da Rússia em 2021 após serem implicados no caso do Sr. Safronov. O terceiro advogado, Dmitriy Talantov, foi preso em junho e acusado de divulgar informações falsas sobre os militares russos.

READ  Portugal proíbe chefes de contatar funcionários fora do horário de trabalho

No final de 2020, o presidente Vladimir Putin disse que o caso de Safronov não tinha nada a ver com seu trabalho jornalístico e que ninguém poderia ser acusado de traição por usar informações publicamente disponíveis.

“Não pode ser permitido”, disse ele.

Pavel Chekhov, um advogado russo de direitos humanos, disse que não encontrou precedentes para uma sentença tão dura em acusações como Safronov, chamando-a de “uma punição claramente brutal e cruel, consistente com a situação atual da Rússia”.