Junho 19, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Homens negros processam American Airlines por ‘discriminação racial’

Homens negros processam American Airlines por ‘discriminação racial’

De acordo com a ação federal movida pelo grupo de defesa do consumidor Public Citizen, os homens já haviam ocupado seus lugares e se preparavam para partir de Phoenix quando um comissário de bordo se aproximou de cada um deles e pediu que saíssem do avião.

Alvin Jackson, Emmanuel Jean-Joseph e Xavier Vail afirmam que, ao partirem, perceberam lentamente que “todos os homens negros no avião foram rejeitados”.

Os dois homens haviam chegado de Los Angeles naquele dia, sem problemas.

No portão de embarque, um agente da companhia aérea disse aos três homens, junto com outros cinco, que eles foram “deportados porque um comissário de bordo branco reclamou do odor corporal de um passageiro desconhecido”.

“Não há outra explicação além da cor da nossa pele”, disseram os homens num comunicado na quarta-feira, acrescentando: “Isto foi claramente uma discriminação racial”.

As autoridades americanas tentaram remarcar a reserva dos homens em outros voos, mas não houve outros voos para Nova York naquela noite. Nesse momento, o grupo foi autorizado a ocupar novamente seus assentos no voo original.

Enquanto os homens esperavam do lado de fora do avião, o piloto fez um anúncio informando aos passageiros que havia um atraso devido a um problema de “odor corporal”, acrescenta o processo. Eles afirmam que a alegação do cheiro é falsa.

“Durante todo o voo – desde o momento em que embarcaram novamente no avião, em cada interação com o comissário branco, até o pouso – os Requerentes experimentaram profundos sentimentos de constrangimento, humilhação, ansiedade, raiva e angústia”, afirma o processo.

“Regressar aos seus lugares após um atraso indevido e passar por passageiros maioritariamente brancos, muitos dos quais olhavam para eles com raiva e suspeita injustificadas, agravou a sua humilhação.”

O processo diz que os americanos deveriam ser forçados a pagar indenizações não especificadas pelo trauma sofrido pelos homens.

Em 2017, a NAACP, um grupo de direitos civis, emitiu um aviso de viagens pedindo aos negros americanos que evitassem a American Airlines devido à discriminação. Eles suspenderam a consulta no ano seguinte, depois que a American anunciou que havia feito alterações em suas operações.

“Levamos a sério todas as alegações de discriminação e queremos que nossos clientes tenham uma experiência positiva quando escolherem voar conosco”, afirmou a American Airlines em comunicado.

“Nossas equipes estão atualmente investigando o assunto, pois as alegações não refletem nossos valores fundamentais ou nosso objetivo de cuidar das pessoas”, acrescentou.