janeiro 27, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Greve nos portos “afeta abastecimento de bens essenciais”

Confederação das Indústrias Agroalimentares Portuguesas (FIPA) alertou para a “grave situação” que a greve dos trabalhadores das autoridades portuárias representará para as empresas agroalimentares e pediu que as partes cheguem a uma solução o mais rápido possível. Paralelamente, o Associano Empresario de Portugal (AEP) já enviou carta ao governo alertando sobre os efeitos da greve das autoridades portuárias sobre as empresas.

“Se assim continuar, a greve dos trabalhadores da gestão portuária vai afetar o normal funcionamento da indústria agroalimentar, os portos deste setor. [Portuguese] Continente, a Madeira e os Açores são portas de entrada de matérias-primas no país”, refere o FIPA em comunicado.

Adicionalmente, o encerramento “compromete o envio de mercadorias” e o “cumprimento dos prazos de entrega” das encomendas, colocando em risco “as relações futuras com o exterior”.

No entanto, o FIPA reconhece que “a greve é ​​um direito fundamental dos trabalhadores”, mas alerta para o facto de já estar a “afetar o abastecimento e consumo de bens essenciais”, bem como a causar “prejuízos incalculáveis ​​e duradouros” às empresas. seus trabalhadores. E continua: “O risco de ruptura no fornecimento de determinadas matérias-primas para alimentação já é uma realidade”.

Portanto, dada a situação, o FIPA entende que se não houver uma resolução imediata para esta disputa trabalhista, “os serviços mínimos devem ser revistos e confirmados imediatamente” porque atualmente “não incluem o descarregamento de matérias-primas”. Alimentos Essenciais”.

A AEP também está preocupada com as consequências desta greve nacional. A comunidade portuária de Leixes, juntamente com a Associação Comercial do Porto, a Associação dos Agentes Marítimos de Portugal, a Associação Nacional dos Concessionários de Terminais Portuários, a Associação dos Transitários de Portugal e a Associação dos Operadores Portuários de Leixes, alertou o governo da dano. Para empresas e economia.

READ  Portugal: Todos os detalhes sobre o ensaio de Medula

Numa carta ao Governo, as sete empresas que se identificaram como trabalhadoras, operadoras e clientes do porto de Leixes manifestaram preocupação com o bloqueio à importação e exportação de mercadorias.

Os utentes dos portos nacionais de grande capacidade já desviam carga para Espanha e outros portos internacionais, mas a maioria dos operadores económicos não tem essa oportunidade e encontram-se neste momento paralisados. A situação no porto de Leixões é gravíssima porque as suas características físicas ditam o seu encerramento total, não podendo entrar ou sair navios.

“As autoridades portuárias são empresas públicas lucrativas. Todos os anos eles distribuem dividendos ao estado. No entanto, as taxas portuárias não são receitas ordinárias. A lei do setor, em especial, estabelece que ela é utilizada para melhorar o serviço portuário, mas não foram feitos investimentos adequados nesse setor”, diz um relatório.

“É dever, obrigação e responsabilidade do Governo regular a aplicação destas taxas e o bom funcionamento dos portos”, acrescentou a AED.

Sindicato Nacional dos Trabalhadores na Administração Portuária (SNTAP) apelava a uma greve de vários dias que começaria a 22 de dezembro e duraria até 30 de janeiro, abrangendo os portos do Continente, Madeira e Açores. De acordo com um documento enviado ao governo, secretarias regionais e autoridades portuárias, os trabalhadores vão entrar em greve “das 00h00 do dia 22 de dezembro às 24h00 do dia 23 de dezembro” e “das 00h00 às 24h00 do dia 27 de dezembro”. “. 29” e “2, 6, 9, 13, 16, 20, 23, 27 e 30 de janeiro das 00:00 às 24:00”.

Artigo Relacionado – Trabalhadores portuários estão em greve