janeiro 27, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

EUA exigem testes Covid negativos para viajantes da China

Na quarta-feira, o governo Biden anunciou que exigiria que viajantes da China, incluindo Hong Kong e Macau, apresentassem testes negativos para Covid-19 antes de entrar nos Estados Unidos.

Essa exigência entrará em vigor em 5 de janeiro, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, que fizeram o anúncio. Funcionários da agência dizem estar profundamente preocupados com a falta de transparência da China sobre o surto – e, em particular, com sua falha em rastrear e sequenciar variantes e subvariantes que circulam dentro de suas fronteiras.

Funcionários dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) disseram que o requisito de teste se aplicará aos passageiros aéreos, independentemente de sua nacionalidade e status de vacinação. Também se aplica a viajantes da China que entram nos Estados Unidos por meio de um terceiro país ou que se conectam através dos Estados Unidos para outros destinos. A Itália e o Japão já impuseram restrições semelhantes, e a Índia impôs relatórios de teste Covid-19 negativos e triagem aleatória em aeroportos para passageiros que chegam da China, Japão, Coreia do Sul, Hong Kong e Tailândia.

Mas, como fizeram quando o presidente Donald J. Trump impôs restrições de viagens pandêmicas, alguns especialistas se perguntam se a exigência de teste seria benéfica – especialmente devido ao aumento de casos em algumas partes dos Estados Unidos. No Nordeste, cientistas dizem que propagação do vírus está sendo alimentada omicron secundárioXBB, que parece estar se popularizando mais rapidamente do que a fórmula convencional em Pequim.

disse Michael T. Osterholm, diretor do Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota.

O surto de Covid na China piorou nos últimos dias, informaram os governos locais Centenas de milhares de infecções por dia. Vídeos obtidos pelo The New York Times aparecem Pacientes doentes lotam os corredores do hospital. Mas é difícil acompanhar a situação em tempo real porque a China Dados confiáveis ​​da Covid não são divulgados.

READ  O Kremlin diz que o fracasso dos acordos de Minsk levou ao ataque da Rússia à Ucrânia

O CDC também anunciou na quarta-feira que está expandindo um programa voluntário de vigilância do genoma que procura novas variantes em zaragatoas anônimas coletadas de viajantes internacionais nos principais aeroportos dos EUA para incluir Los Angeles e Seattle.

Alguns especialistas expressaram preocupação de que, em vez de encorajar a transparência da China, essa política poderia tornar os chineses menos visíveis.

“A estratégia mais importante agora é que precisamos melhorar nossas comunicações políticas e diplomáticas com a China”, disse o Dr. Carlos del Rio, especialista em doenças infecciosas da Emory University. Ele disse temer que a nova política do governo Biden funcione “na direção oposta”.

Mas Jennifer Nuzzo, diretora do Centro de Epidemias da Escola de Saúde Pública da Brown University, disse que o governo não tem muita escolha.

“Acho que eles estão tentando, com razão, pressionar a China para cumprir suas responsabilidades internacionais”, disse ela, acrescentando que a “carta de acordo” que exige que os países compartilhem dados sobre a pandemia “só funcionará se os países comunicarem mau comportamento. “

Após três anos insistindo na política de “zero covid”, a China conseguiu golpe repentino No início de dezembro, ele suspendeu essa política, depois que protestos em massa contra uma paralisação ameaçaram o Partido Comunista. Desde então, houve um aumento significativo no número de casos em Pequim.

Uma grande preocupação entre as autoridades de saúde pública é que a população chinesa tem pouca imunidade natural, o que permite que o vírus se espalhe rapidamente. A rápida disseminação, por sua vez, cria novas oportunidades para a evolução do vírus, representando o risco de que novas variantes surjam e se espalhem para outras partes do mundo.

READ  Relatório: Twitter está secretamente estimulando psicólogos americanos no Oriente Médio | notícias de mídia social

Os cientistas dizem que isso não significa necessariamente que uma variante mais perigosa aparecerá em breve na China. No ano passado, ondas de subvariantes Omicron infectaram pessoas nos Estados Unidos. Mas como as pessoas na China são essencialmente imunes a essas versões do vírus, os cientistas disseram que qualquer um deles pode se espalhar por lá.

“De certa forma, é provável que o que quer que seja lançado primeiro seja dominante lá”, disse James Wood, especialista em doenças infecciosas da Universidade de New South Wales, em Sydney.

Acredita-se que algumas das variantes anteriores surgiram quando o vírus sofreu mutação durante uma infecção prolongada em pessoas com sistema imunológico comprometido, sugerindo que a quantidade de transmissão em um determinado local pode não determinar sozinha a probabilidade de surgimento de novas variantes.

“Embora haja um argumento de que, à medida que mais pessoas são infectadas, pode haver uma chance maior de mutação e desenvolvimento de uma nova variante”, disse Jeffrey Shaman, um modelador de doenças infecciosas da Universidade de Columbia, “ainda não sabemos se novas variantes muitas vezes evoluem durante a transmissão de pessoa para pessoa ou dentro de pessoas com uma infecção estendida.”

Cientistas em Hong Kong Você mencionou esse sub omicron Conhecido como BF.7 foi o responsável pelo surto de Pequim. Esta variante é uma subespécie de BA.5, que até recentemente era dominante nos Estados Unidos. Mas o BF.7, embora esteja no mercado americano há meses, não dá sinais de competir com outros lançamentos da Omicron no país.

O CDC estimou que o BF.7 representou 4% dos casos no final de dezembro e que se tornou menos comum desde novembro. Outras variantes sub-Omicron que os cientistas acham que podem ser mais hábeis em evitar as respostas imunes atuais, incluindo o XBB, são atualmente mais prevalentes nos Estados Unidos.

READ  Bolsonaro retém absorventes internos e externos para mulheres carentes no Brasil | Direitos das mulheres e igualdade de gênero

Nos Estados Unidos, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estimaram na semana passada que a variante XBB havia crescido para representar quase um quinto dos casos no país, contra apenas 3% dos casos no mês anterior.

Os cientistas disseram que o vírus XBB está se espalhando de forma particularmente rápida no nordeste dos Estados Unidos, respondendo por mais da metade das novas infecções lá. Parece ter uma vantagem sobre as variantes sub-BQ.1 Omicron que prevaleceram recentemente nos Estados Unidos, disseram os cientistas.

Os cientistas estão nos estágios iniciais do estudo da variante XBB. Eles disseram que uma versão mais recente dessa variante apareceu, conhecida como XBB.1.5. Estudos preliminares indicaram que a versão mais recente é capaz de evitar as respostas imunes existentes e se ligar às células humanas.

Particularmente em alguns meses, disseram os cientistas, quando as pessoas na China tiverem algum grau de imunidade a infecções anteriores e o vírus estiver sob mais pressão para evoluir lá, será importante procurar novas variantes.

“Seria bom se a China fornecesse algum tipo de resumo das variáveis ​​que eles observaram”, disse Wood, da Universidade de New South Wales. “Caso contrário, eventualmente, isso é captado no monitoramento genético na Europa ou nos Estados Unidos ou onde quer que as pessoas viajem.”

No entanto, disse ele, no momento, a China não representa um risco significativo de produzir uma nova variante.

“Temos um grande número de feridos internacionalmente”, disse ele. “São muito mais infecções do que aconteceu apenas na China.”

Emily Anthes E a Karan Deep Singh Contribuir para a elaboração de relatórios.