outubro 5, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Esqueleto de uma 'vampira' feminina descoberto em um cemitério na Polônia: 'puro espanto'

Esqueleto de uma ‘vampira’ feminina descoberto em um cemitério na Polônia: ‘puro espanto’

zyta1-2-denoiseai-clear-cut.jpg
Esta semana, pesquisadores anunciaram a descoberta do esqueleto de uma “vampira” feminina na Polônia.

Universidade Nicolau Copérnico


Esta semana, pesquisadores anunciaram que arqueólogos descobriram os restos de um “vampiro” em um cemitério na Polônia.

Pesquisadores poloneses encontraram os restos mortais de uma mulher com uma foice no pescoço e um cadeado triangular no pé em um cemitério na vila de Pień. A ferramenta de cultivo, de acordo com crenças antigas, deveria impedir que uma pessoa falecida que se acredita ser um vampiro retornasse dos mortos.

A equipe de pesquisa, liderada pelo professor Dariusch Polinsky, da Universidade Nicolaus Copernicus, em Torun, fez a descoberta única no final de agosto.

Em entrevista à agência de notícias polonesa PAP, Magdalena Zagrodzka, que representou a equipe de pesquisa, disse que os restos humanos continham também um cocar de seda, tecido com fios de ouro ou prata. Embora o cadeado e a foice estejam associados à superstição do século XVII, Zagrodzka disse que o chapéu é uma evidência da alta posição social do falecido.

Zagrodzka disse que a foice e o cadeado “podem ter protegido contra o retorno do falecido, o que provavelmente era temido. Nesse contexto, essas práticas podem ser consideradas as chamadas anti-vampiros”. A ferramenta de plantio com a lâmina foi colocada no pescoço. Acreditava-se que tal arranjo causaria decapitação se o falecido tentasse “levantar”.

Esse tipo de prática se tornou popular em toda a Polônia no século XVII, em resposta a uma epidemia de vampiros relatada. Polanski explicou que, além das práticas com facão, os cadáveres às vezes eram queimados, esmagados com pedras ou tinham suas cabeças e pernas cortadas.

Especialistas planejam pesquisar mais a tumba, com a ajuda de novas tecnologias para pesquisar a área. Além disso, pesquisadores do Instituto de Arqueologia da Universidade de Cracóvia realizarão testes de DNA nos restos mortais para saber mais sobre a mulher falecida.

Em entrevista à CBS News, Polinsky disse que a descoberta o deixou sem palavras.

“Tal descoberta, especialmente aqui na Polônia, é incrível, especialmente agora – séculos depois”, disse ele. “Puro assombro.”

Esta não é a primeira descoberta desse tipo no país. Arqueólogos liderados por Leslie Grigorica, da Universidade do Sul do Alabama, nos EUA, encontraram seis chamados “esqueletos de vampiros” em um cemitério no noroeste da Polônia em 2014.

READ  EUA dizem que forças russas estão identificando ucranianos 'para serem mortos' em possível invasão