fevereiro 7, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Espanha, Portugal e França lançam H2Med para fornecer hidrogênio verde à Europa – Eurasia Review

O primeiro-ministro espanhol, juntamente com os seus homólogos francês e português, apresentou o projeto de interligação energética “H2Med”, que vai ligar a Península Ibérica ao resto da Europa e tornar-se o primeiro grande corredor verde a estar operacional até 2030.

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez reuniu-se com o presidente francês Emmanuel Macron e o primeiro-ministro português Antonio Costa em Alicante para apresentar detalhes do projeto de interligação energética conhecido como H2Med. Península Ibérica com a cidade francesa de Marselha. A reunião, que contou com a presença da presidente da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen, e ocorreu no EUIPO, o escritório de propriedade intelectual da UE, foi “outro exemplo do espírito europeu do projeto”, disse Sanchez.

Sanchez destacou que a reunião foi um reflexo do compromisso assumido pelos líderes dos três países em Bruxelas em 20 de outubro. Na ocasião, os três líderes concordaram em trabalhar juntos para construir um Corredor de Energia Verde ligando a Península Ibérica à cidade francesa de Marselha. Com esse encontro, sublinhou Sánchez, “demos um passo em frente e bloqueámos o projeto de ligação energética com a França e o resto do continente”.

A este respeito, Pedro Sánchez disse que o trabalho realizado no mês passado por grupos técnicos dos três governos ajudou a delinear os objetivos do H2Med, e que o projeto tem duas vertentes básicas: “Por um lado, a rota de Portugal a Espanha , especialmente de Celorico da Beira a Zamora; por outro lado, de Espanha “A rota para França pelo Mediterrâneo, de Barcelona a Marselha”, explicou Sánchez.

A Espanha lidera a corrida pela transição energética

Sánchez também enfatizou que a implementação deste corredor reitera dois compromissos assumidos pelo governo espanhol: primeiro, fortalecer a segurança energética e fortalecer a autonomia energética da União Europeia, que explicou o primeiro-ministro, “é necessário que os europeus mostrem “. Unidade na Redução da Dependência Energética”. Em segundo lugar, este plano conjunto reitera a ambição da Europa pela neutralidade climática. “A Espanha quer estar na vanguarda da corrida pela transição energética, liderando o desenvolvimento das energias renováveis ​​e sendo uma referência também no hidrogênio”.

READ  Jovens brilham na segunda jornada do Grande Prémio de Portugal 2022

O plano traçado pelos líderes da Espanha, França e Portugal em Alicante seria o primeiro grande corredor de hidrogênio da UE. Sánchez destacou que a infraestrutura estará operacional até o final desta década, e “será capaz de transportar 10% do consumo de hidrogênio da UE até 2030”, que é de cerca de 2 milhões de toneladas por ano.

Atribuir ao H2Med um Projeto de Interesse Comum (PCI) permitirá que o corredor se qualifique para instrumentos de financiamento europeus, como o Connecting Europe Facility, que acontecerá antes de 15 de dezembro.

A 18 de maio, a Comissão Europeia publicou o projeto REPowerEU, que inclui o projeto H2Med. O projeto RePowerEU nasceu em resposta aos desafios e perturbações no mercado global de energia causados ​​pela guerra de Putin. O plano, concebido para tornar a Europa independente dos combustíveis fósseis russos até 2030, já declarou a conservação de energia, a produção de energia limpa e a diversificação de nossos suprimentos entre seus principais objetivos.

O encontro entre o PM Sánchez e os seus homólogos francês e português decorreu em Alicante, no âmbito da nona cimeira MED-9, que decorreu esta sexta-feira na cidade. A este propósito, o Primeiro-Ministro do Governo espanhol sublinhou a vontade dos países que constituem o MED-9 de fazer deste fórum o motor de uma nova agenda geral para o Mediterrâneo. “Uma agenda”, explicou, “mostra à UE o seu compromisso com o Sul, a sua importância deve ser tida em conta”.

Na sua declaração à comunicação social, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen, sublinhou a relevância deste projeto conjunto. “O programa H2MED está indo na direção certa. Tem potencial para nos ajudar a construir uma espinha dorsal europeia para o transporte de hidrogénio. Somos muito bem-vindos para transformar este pedido em um projeto de interesse público. A Península Ibérica vai tornar-se um dos principais centros energéticos da União Europeia.

READ  Portugal 'apoia a Roménia' no colapso de Schengen - EURACTIV.com

O primeiro-ministro francês, Emmanuel Macron, e o presidente português, Antonio Costa, disseram que o plano está alinhado com a estratégia coletiva da UE. Macron enfatizou que responde a três objetivos: meio ambiente, industrialização e autonomia energética. Por seu lado, Costa sublinhou que o mercado deve continuar a diversificar-se para alcançar a independência energética.

Especificações técnicas do projeto

De acordo com as especificações técnicas preliminares do projeto H2Med, o troço entre Celorico (Portugal) e Zamora terá uma extensão de 248 quilómetros. O custo estimado é de 350 milhões de euros.

Para o trecho Barcelona-Marselha (França), a ligação de 455 quilômetros está orçada em 2,5 bilhões de euros. Como enfatizou Sanchez, toda a infraestrutura estará operacional até 2030.