Junho 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Eleições na União Europeia: Os ganhos da extrema direita na União Europeia resultam em duas derrotas chocantes contra Macron da França e Schulz da Alemanha

Eleições na União Europeia: Os ganhos da extrema direita na União Europeia resultam em duas derrotas chocantes contra Macron da França e Schulz da Alemanha

BRUXELAS (AP) – Os partidos de extrema direita obtiveram grandes ganhos nas eleições parlamentares da União Europeia no domingo, causando derrotas impressionantes a dois dos líderes mais importantes do bloco: o presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz.

Na França, o partido Rally Nacional liderado por Marine Le Pen assumiu o controle das urnas Tanto que Macron dissolveu imediatamente o parlamento nacional e convocou novas eleições. Foi um enorme risco político porque o seu partido poderia sofrer novas perdas, prejudicando o resto do seu mandato presidencial, que termina em 2027.

Mais de 50 países irão às urnas em 2024

Le Pen ficou feliz em aceitar o desafio. “Estamos prontos para mudar o rumo do país, estamos prontos para defender os interesses dos franceses, estamos prontos para pôr fim à imigração em massa”, disse ela, ecoando o grito de guerra de muitos líderes de extrema direita em outros países. países que estavam comemorando. Grandes vitórias.

Macron reconheceu os votos da derrota. “Ouvi a sua mensagem, as suas preocupações, e não as deixarei sem resposta”, disse ele, acrescentando que o apelo a eleições antecipadas sublinha as suas credenciais democráticas.

Alice Weidel, centro, e Tino Shruppala, centro-direita, ambos presidentes federais da AfD, comemoram na sede da AfD durante a previsão das eleições europeias, em Berlim, domingo, 9 de junho de 2024. (Joerg Carstensen/dpa via AP)

Na Alemanha, o país mais populoso do bloco de 27 membros, Expectativas indicadas A AfD superou uma série de escândalos envolvendo o seu principal candidato e subiu para 16,5%, contra 11% em 2019. Em comparação, a pontuação combinada dos três partidos na coligação governante da Alemanha mal ultrapassou os 30%.

Schulz sofreu um destino tão ignominioso que os seus sociais-democratas estabelecidos ficaram atrás da Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema-direita, que subiu para o segundo lugar. “Depois de todas as profecias de destruição, depois da barragem das últimas semanas, somos a segunda força mais forte”, disse Alice Weidel, exultante líder da AfD.

As eleições de quatro dias nos 27 países da União Europeia representaram o segundo maior exercício de democracia no mundo, depois das recentes eleições na Índia. No final, a ascensão da extrema direita foi mais surpreendente do que muitos analistas esperavam.

Foi cristalizado pelo partido Reunião Nacional Francesa, que recebeu mais de 30%, ou cerca do dobro do que recebeu o Partido da Renovação centrista e pró-europeu liderado por Macron, que deverá atingir cerca de 15%.

No geral, os dois principais grupos pró-europeus, os Democratas-Cristãos e os Socialistas, continuaram a ser as forças dominantes em toda a União Europeia. Os ganhos da extrema direita ocorreram às custas do Partido Verde, que deveria perder cerca de 20 assentos e cair para o sexto lugar no Conselho Legislativo. O grupo pró-empresarial de Macron também perdeu fortemente.

Durante décadas, a União Europeia, cujas raízes remontam à derrota da Alemanha nazi e da Itália fascista, confinou a extrema direita às margens políticas. Com o seu forte desempenho nestas eleições, a extrema direita poderá agora tornar-se um actor importante em políticas que vão da imigração à segurança e ao clima.

O candidato francês do partido de extrema direita Reunião Nacional, Jordan Bardella, faz um discurso na sede do partido na noite da eleição, domingo, 9 de junho de 2024, em Paris.  Os primeiros resultados esperados em França colocam o partido de extrema-direita Reunião Nacional numa liderança significativa nas eleições para a União Europeia, de acordo com institutos de sondagem franceses.  (Foto AP/Louis Joly)

O candidato francês do partido de extrema direita Reunião Nacional, Jordan Bardella, faz um discurso na sede do partido na noite da eleição, domingo, 9 de junho de 2024, em Paris. Os primeiros resultados esperados em França colocam o partido de extrema-direita Reunião Nacional numa liderança significativa nas eleições para a União Europeia, de acordo com institutos de sondagem franceses. (Foto AP/Louis Joly)

Esta tendência foi contrariada pelo antigo líder da União Europeia e actual primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, que derrotou o PiS, o partido nacionalista conservador que governou a Polónia de 2015 a 2023, e conduziu-o cada vez mais para a direita. Uma sondagem de opinião mostrou que o partido de Tusk venceu por 38%, em comparação com 34% do seu arquirrival.

Tusk disse aos seus apoiantes: “Entre estes países grandes e ambiciosos, líderes da União Europeia, a Polónia mostrou que a democracia, a honestidade e a Europa vencem aqui”. “Estou muito emocionado.”

“Mostrámos que somos uma luz de esperança para a Europa”, declarou.

A Alemanha, tradicionalmente um reduto dos ambientalistas, foi um exemplo da modéstia do Partido Verde, cuja popularidade deveria cair de 20% para 12%. Com a expectativa de mais perdas em França e noutros países, a derrota do Partido Verde poderá ter um impacto na UE em geral Políticas sobre mudanças climáticase ainda é o mais avançado do mundo.

O bloco democrata-cristão de centro-direita liderado pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que já Enfraqueceu as suas credenciais verdes Antes das sondagens, dominava a Alemanha por cerca de 30%, derrotando facilmente os sociais-democratas de Schulz, que caíram para 14%, mesmo atrás da AfD.

“O que já identifiquei como direção é o melhor – a força mais forte, estável, em tempos difíceis e à distância”, disse von der Leyen aos seus apoiantes alemães através de videoconferência a partir de Bruxelas.

Além de França, esperava-se que a extrema-direita, que centrou a sua campanha na imigração e na criminalidade, obtivesse ganhos significativos em Itália, onde se esperava que a Primeira-Ministra Giorgia Meloni consolidasse o seu poder.

A votação em Itália continuou até tarde da noite e muitos dos 27 Estados-membros ainda não emitiram quaisquer previsões. No entanto, os dados publicados já confirmaram previsões anteriores: as eleições deslocarão o bloco para a direita e redireccionarão o seu futuro. Isto pode dificultar a aprovação de legislação pela União Europeia e o processo de tomada de decisões pode ficar por vezes paralisado no maior bloco comercial do mundo.

Os legisladores da UE, que cumprem mandatos de cinco anos no parlamento com 720 lugares, têm uma palavra a dizer sobre questões que vão desde regras fiscais até à política climática e agrícola. Aprovam o orçamento da UE, que financia prioridades, incluindo projetos de infraestruturas e apoio agrícola Ajuda prestada à Ucrânia. Têm poder de veto sobre as nomeações para a poderosa Comissão da UE.

Estas eleições ocorrem num momento em que a confiança dos eleitores é testada num bloco que inclui cerca de 450 milhões de pessoas. Nos últimos cinco anos, a UE Abalados pela pandemia do coronavírusque Recessão econômica E Crise de energia Alimentado pelo maior conflito territorial na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Mas as campanhas políticas centram-se frequentemente em questões que preocupam cada país e não em interesses europeus mais amplos.

Desde as últimas eleições na UE, em 2019, partidos populistas ou de extrema-direita lideram agora governos em três países – Hungria, Eslováquia e Itália – e fazem parte de coligações governantes noutros, incluindo a Suécia, a Finlândia e, em breve, os Países Baixos. Pesquisas de opinião dão vantagem aos populistas França, Bélgica, Áustria e Itália.

“A direita é uma coisa boa”, disse aos jornalistas o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, que lidera um governo nacionalista de linha dura e anti-imigrante, depois de votar. “Ir certo é sempre bom. Vá certo!”

———

Os jornalistas da Associated Press Sylvain Blazy em Bruxelas e Geir Molson em Berlim contribuíram para este relatório.

———

Assista à cobertura da AP sobre as eleições globais em 2024 aqui.