maio 17, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Doadores estão muito abaixo da meta da ONU para ajuda síria

Doadores estão muito abaixo da meta da ONU para ajuda síria

Bruxelas (AFP) – Doadores internacionais prometeram nesta terça-feira 6,7 ​​bilhões de dólares para ajudar sírios e países vizinhos que acolhem refugiados, mas ficaram aquém da meta das Nações Unidas de fornecer ajuda a milhões de pessoas da Síria devastada pelo conflito que dependem de ajuda para sobreviver.

O Comissário Europeu de Vizinhança, Oliver Varheli, reconheceu que a guerra na Ucrânia e as repercussões da pandemia de coronavírus pesaram nas economias dos doadores.

No entanto, disse ele, “os doadores estão enviando um sinal muito forte para a Síria e esta região de que estamos prontos para fazer mais do que antes”.

A ONU buscava US$ 10,5 bilhões para 2022. Ela diz que 14,6 milhões de pessoas na Síria dependem de ajuda – 1,2 milhão a mais do que em 2021 – e mais de 90% dos sírios vivem na pobreza. Cerca de 3,9 milhões de pessoas na Síria passam fome todos os dias.

É o segundo ano consecutivo em que as promessas ficam aquém das expectativas. No ano passado, a União Europeia, os Estados Unidos e outros países prometeram US$ 6,4 bilhões, e as Nações Unidas solicitaram US$ 10 bilhões para atender a necessidades vitais.

Anteriormente, o coordenador de política externa da União Européia, Josep Borrell, alertou que a invasão russa da Ucrânia estava aumentando a situação dos sírios atingidos pela pobreza. Borrell disse que 60 por cento da população da Síria “tem insegurança alimentar, mal sabendo de onde virá a próxima refeição”.

“A guerra russa aumentará os preços dos alimentos e da energia, e a situação na Síria piorará”, disse ele.

Borrell disse que o bloco de 27 países fornecerá mais 1 bilhão de euros (US$ 1,1 bilhão) para a Síria este ano, elevando o total anual para 1,5 bilhão de euros (US$ 1,6 bilhão). Ele disse que a União Européia fornecerá 1,56 bilhão de euros (US$ 1,65 bilhão) no próximo ano. Os Estados Unidos prometeram mais de US$ 800 milhões.

READ  Terremoto no Paquistão: pelo menos 20 mortos após terremoto de magnitude 5,9 na província de Baluchistão

Borrell prometeu que a União Europeia continuaria as sanções contra o governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, e enfatizou que as relações não poderiam ser normalizadas até que os refugiados sírios estivessem “seguros para voltar para casa”.

Os preços dos alimentos em todo o mundo já estavam subindo, mas a guerra na Ucrânia – um grande fornecedor de trigo – piorou as coisas. O impacto exacerbou a situação de milhões de sírios que foram expulsos de suas casas pela guerra de 11 anos no país. Muito depende da ajuda internacional para sobreviver.

A guerra na Ucrânia também criou um novo grupo de refugiados. Países europeus e os Estados Unidos correram para ajudar mais de 5,5 milhões de ucranianos que fugiram para países vizinhos, bem como mais de 7 milhões de deslocados dentro das fronteiras da Ucrânia.

Metade da população da Síria antes da guerra, de 23 milhões, foi deslocada pelo conflito.

As agências de ajuda esperavam chamar a atenção do mundo para a Síria na conferência de terça-feira organizada pela União Europeia. O financiamento também é direcionado para ajudar os 5,7 milhões de refugiados sírios que vivem em países vizinhos, principalmente Turquia, Líbano e Jordânia.

A Noruega, um país fora da União Europeia, prometeu 1,5 bilhão de coroas (US$ 156 milhões) para 2022 (asterisco) (asterisco) Isso deve ser em 2022?.

Imogen Sudbury, do grupo de ajuda do Comitê Internacional de Resgate, instou a UE a fazer mais, observando que “mesmo que os doadores façam as mesmas promessas de anos anteriores, eles não preencherão uma lacuna de financiamento alarmante e em rápido crescimento”.

O Ministério das Relações Exteriores da Síria criticou o evento em Bruxelas, dizendo que nem o governo sírio nem sua aliada Rússia estão participando dele. Ela disse que a conferência é organizada por países que impõem sanções ao “povo sírio” e impedem a reconstrução.

READ  Surto no delta da Nova Zelândia se espalha fora de Auckland

O ministério disse que “os países que organizam ou participam desta conferência ocupam ou apoiam a ocupação de parte do território sírio e saqueiam a riqueza do povo sírio”. O termo “ocupação” era uma referência às centenas de forças americanas estacionadas nas regiões do leste da Síria, ricas em petróleo.

Borrell disse que a Rússia não foi convidada por causa da guerra na Ucrânia.

“Convidamos os parceiros que têm real e real interesse em contribuir para a paz no mundo”, disse. As Nações Unidas decidiram não co-sediar a conferência deste ano porque a União Europeia recusou o convite da Rússia.

___

Os redatores da Associated Press Bassem Marwa em Beirute e Jan M. Olsen em Copenhague, Dinamarca, contribuíram para este relatório.