maio 19, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Desmatamento continua alto, apesar das promessas da COP 26

Desmatamento continua alto, apesar das promessas da COP 26

Parar o desmatamento foi um dos principais compromissos das negociações climáticas internacionais no ano passado em Glasgow, mas havia poucas evidências de progresso em 2021, de acordo com um relatório na quinta-feira.

o Relatório anual pelo World Resources Institute, um grupo de pesquisa com sede em Washington, DC, descobriu que as regiões tropicais perderam 9,3 milhões de acres de florestas primárias antigas em 2021. Isso resultou em 2,5 bilhões de toneladas métricas de emissões de dióxido de carbono, ou cerca de dois anos e meio do que os carros de passeio e caminhões leves emitem nos Estados Unidos todos os anos.

O Brasil teve, de longe, a maior parcela das perdas florestais, respondendo por mais de 40% do total, seguido pela República Democrática do Congo e Bolívia.

O total do ano passado foi uma queda de 11% em relação a 2020, mas foi igual ao valor perdido em 2018 e 2019.

Rod Taylor, diretor global do programa florestal global do instituto, disse que a taxa essencialmente fixa de desmatamento nos últimos quatro anos não foi boa para o “clima, crise de extinçãoe pelo destino de muitos povos da floresta.”

A maior parte da perda florestal nos trópicos está relacionada à agricultura ou outras atividades, como a mineração. As florestas são completamente derrubadas e muitas vezes queimadas, e esses incêndios podem ficar fora de controle, aumentando a devastação.

Além de adicionar gases de efeito estufa à atmosfera, o desmatamento está destruindo os habitats de plantas e animais, degradando os solos e afetando os padrões climáticos e de inundações.

A situação tornou-se tão terrível que nas negociações climáticas das Nações Unidas em Glasgow em novembro passado, 141 países, incluindo o Brasil e a República Democrática do Congo, participaram. Compromisso de ‘parar e reverter’ o desmatamento até 2030.

READ  Trump News - Ao vivo: Ex-presidente fecha acordo para adiar o arquivamento enquanto a comissão de 6 de janeiro descobre 'complô criminoso'

Frances Seymour, membro sênior do instituto, disse que medidas drásticas seriam necessárias para produzir os declínios anuais consistentes necessários para atingir esse objetivo.

“Talvez os números que estamos compartilhando hoje possam ser tomados como uma linha de base para avaliar a eficácia das ações que estão tomando para acompanhar” essas promessas, disse ela.

Houve algumas boas notícias no relatório, especialmente da Ásia. Na Indonésia, a perda florestal caiu um quarto em relação a 2020, o quinto ano consecutivo em que os totais caíram. A Malásia também registrou um declínio pelo quinto ano consecutivo, embora a perda florestal em 2021 tenha sido apenas um pouco menor do que em 2020.

Desde que sofreu os incêndios florestais e de turfa em 2016, que levaram a uma perda significativa de cobertura arbórea e sua propagação grave poluição do ar, a Indonésia impôs regulamentações mais rígidas sobre a indústria de óleo de palma e outros responsáveis ​​pela maior parte das perdas. As empresas também foram pressionadas a se comprometerem a reduzir o desmatamento.

“Isso indica que os compromissos de negócios e as ações do governo estão claramente funcionando e que a Indonésia está indo na direção certa para cumprir alguns de seus compromissos climáticos”, disse Hedaya Hamza, diretora sênior do escritório do instituto na Indonésia.

Andika Putraitama, que também trabalha no escritório da Indonésia, disse que a nova lei que pode enfraquecer as regulamentações ambientais na Indonésia está causando preocupação. Ele disse que, se o governo não mantiver medidas preventivas apropriadas, as empresas precisarão intensificar os esforços para fornecer salvaguardas voluntárias, como um movimento ético da cadeia de suprimentos que apoie o uso de materiais sustentáveis.

READ  O tubarão fino pode ser o primeiro caso confirmado de reprodução assexuada em uma espécie

Na África Ocidental, Gabão e República do Congo mostraram uma redução na perda de árvores. Mas o desmatamento generalizado continuou na República Democrática do Congo, que perdeu 1,2 milhão de acres, em grande parte como resultado da agricultura em pequena escala e da produção de carvão.

No Brasil, a perda de cobertura arbórea aumentou dramaticamente na parte ocidental da Bacia Amazônica. Isso pode estar relacionado ao desenvolvimento de estradas e outras infraestruturas na área, permitindo a mineração e outras atividades de desmatamento.

Um estudo recente mostrou que a Amazônia, a maior floresta tropical do mundo, é menos capaz disso Recuperando-se de distúrbios como seca e extração de madeirae que pelo menos parte da área está se aproximando do limite onde será convertida de floresta para pastagem.

“Isso liberaria carbono suficiente na atmosfera para explodir os alvos do Acordo de Paris diretamente da água”, disse Seymour. A implicação de todas as descobertas do relatório, acrescentou ela, é que “temos que reduzir significativamente as emissões de todas as fontes”.

“Ninguém deve pensar mais em plantar árvores em vez de reduzir as emissões de combustíveis fósseis”, disse ela. “Deve ser ambos, e deve ser agora antes que seja tarde demais.”

O relatório descobriu que, em geral, nos trópicos, mais de 27 milhões de acres de cobertura florestal foram perdidos. Mas o instituto concentra sua análise em florestas primárias antigas em zonas úmidas, que desempenham, de longe, o maior papel na manutenção do dióxido de carbono na atmosfera e na manutenção da biodiversidade.

READ  Protestos anti-vacina franceses eclodem no sexto fim de semana

O relatório é uma colaboração entre o Instituto e Análise e descoberta de terras globais Um laboratório da Universidade de Maryland, que desenvolveu métodos para analisar imagens de satélite para determinar a extensão da cobertura florestal.