Junho 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Deslizamento de terra em Papua Nova Guiné: corrida para resgatar moradores presos

Deslizamento de terra em Papua Nova Guiné: corrida para resgatar moradores presos

Explicação em vídeo, Papua Nova Guiné: Muitos temem ter morrido num deslizamento de terra

  • autor, Malo Corcino
  • Papel, BBC Notícias

Os serviços de emergência estão a correr para chegar às aldeias atingidas por um enorme deslizamento de terra na província isolada de Inga, na Papua Nova Guiné, onde se teme que centenas de pessoas tenham morrido.

A agência humanitária CARE Australia disse que uma equipe de resposta rápida composta por médicos e militares conseguiu chegar ao local isolado do deslizamento de terra.

Ela acrescentou que o terreno difícil e os danos nas estradas principais dificultam os esforços de resgate, uma vez que a rodovia foi fechada e a área só pode ser acessada por helicóptero.

O deslizamento de terra soterrou centenas de casas nas Terras Altas de Inga, ao norte da nação insular, no sudoeste do Oceano Pacífico, por volta das 03h00 locais de sexta-feira (17h00 GMT de quinta-feira).

Ainda não está claro quantas pessoas estão presas sob os escombros.

“Embora a área não seja densamente povoada, a nossa preocupação é que o número de mortos possa ser desproporcionalmente elevado”, disse a CARE Austrália num comunicado anterior.

Amos Akim, membro do parlamento do condado de Inga, disse ao The Guardian que, com base em relatórios locais, “o deslizamento de terra soterrou mais de 300 pessoas e 1.182 casas”.

O jornal The Guardian citou Akeem dizendo que os esforços de resgate foram prejudicados pelo bloqueio da estrada que liga a aldeia afetada de Yambali à capital.

Yambali está localizada a cerca de 50 quilômetros (31 milhas) de Wabag, a capital da província.

Em declarações à agência de notícias Associated Press, o responsável da ONU, Sirhan Oktoberak, disse que a área afetada pelo deslizamento abrange a área de três a quatro campos de futebol.

Ele acrescentou que a aldeia de Yambali abriga 3.895 pessoas.

Oktoberak disse que algumas casas na aldeia sobreviveram ao deslizamento de terra, mas “dada a escala do desastre” o número de mortos pode ultrapassar 100 pessoas.

Fonte da imagem, Imagens Getty

Fonte da imagem, Imagens Getty

O processo para chegar aos atingidos foi complicado devido ao receio da possibilidade de mais deslizamentos de terra.

“O solo continua a deslizar e a mover-se, e isso torna perigoso o trabalho das pessoas”, disse Oktoberak à Agence France-Presse.

Moradores das áreas vizinhas descreveram como as árvores e os destroços do desabamento da encosta da montanha soterraram partes da comunidade, deixando-a isolada.

As imagens da cena mostram moradores locais recuperando corpos debaixo de escombros e árvores enquanto atravessavam terreno coberto por pedras gigantes e árvores arrancadas.

“Não há mais casa”

Um morador de uma aldeia próxima disse que quando chegou ao local do deslizamento “não havia casas [left]”.

Em declarações à ABC australiana, Dominic Lau disse que o terreno estava “plano com terra”.

Lau acrescentou: “Não havia nada, apenas pedras e solo. Não havia pessoas e não havia casas à vista”.

O governador de Inga, Peter Ipatas, disse à AFP que até “seis aldeias” foram afetadas pelo deslizamento de terra, que descreveu como um “desastre natural sem precedentes”.

Inga está localizada a mais de 600 quilômetros rodoviários da capital do país, Port Moresby.

A Sociedade da Cruz Vermelha da Papua Nova Guiné disse anteriormente que uma equipa de resposta a emergências composta por funcionários do gabinete do governador regional, polícia, forças de defesa e ONG locais tinha sido enviada para o local.

O primeiro-ministro da Papua Nova Guiné, James Marape, disse na sexta-feira que as autoridades estavam respondendo ao desastre.

Ele acrescentou que o governo está trabalhando com autoridades locais para fornecer “trabalho de socorro, recuperar corpos e reconstruir infraestrutura”.