fevereiro 7, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Croácia elimina Brasil da Copa do Mundo nos pênaltis

Al Rayyan, Catar – Por 45 minutos, depois 90, depois outros 15 minutos, o Brasil experimentou todas as ferramentas de seu considerável arsenal: puxões de dedo do pé e calcanhar, rolos levemente dobrados e deslizamentos externos do pé. À medida que a frustração crescia, ela girava em torno de algumas das artes mais sombrias do futebol: mergulhar e se debater, puxar a camisa e empurrar e apelar ao árbitro por justiça.

Nada disso funciona. A Croácia se envolveu em um tiroteio e, por mais de duas horas na sexta-feira, calma e metodicamente pressionou as vidas e alegrias do Brasil. A Croácia, os adversários já devem saber, não sairá da Copa do Mundo sem lutar.

Os brasileiros marcaram um gol no final. Os croatas responderam com um depois. A partida foi para a disputa de pênaltis. E só então, com oito rápidos desempates após 120 minutos, poderia terminar.

A Croácia estava a caminho das semifinais. O Brasil estava a caminho de casa. segundo.

“Para mim, Brasil é futebol e futebol é Brasil”, disse Borna Sosa, zagueiro da Croácia. “Vencer contra o Brasil é provavelmente a melhor sensação de todas.”

O Brasil chegou ao Catar no mês passado com o único objetivo que se propõe a cada Copa do Mundo: vencer. Cinco vezes campeão da Copa do Mundo, uma nação que acredita ter tanto direito à supremacia no esporte que ama, o Brasil manobrou em seus três primeiros jogos no controle de cruzeiro. Seu progresso nunca esteve em dúvida depois de vencer seu primeiro jogo com a estrela Neymar na escalação e desertar os dois seguintes enquanto ele estava de fora com uma lesão no tornozelo.

Sua arrogância habitual voltou na segunda-feira, com uma vitória por 4 a 1 sobre a Coreia do Sul, marcada por excelentes passes, comemorações dançantes de gols e previsões anuais do país redefinidas no céu.

READ  Arte Moreno explora a possibilidade de vender anjos
atribuída a ele…Justin Setterfield/Getty Images

Quando tudo começou a dar errado na sexta-feira, quando o gol de Neymar deu a vitória ao Brasil na prorrogação, os jogadores e a nação deram um suspiro de alívio. Mas, de repente, tudo deu errado: o empate croata, a derrota nos pênaltis, a eliminação nas quartas de final em vez de um possível encontro com a Argentina nas semifinais na terça-feira.

“O erro é que é futebol”, disse Alisson, o goleiro do Brasil. “Nada pode acontecer.”

Muitos torcedores e alguns jornalistas culparam o técnico do Brasil pela derrota. Após a partida, ele desistiu dizendo que já havia decidido deixar o cargo. Outros simplesmente viraram as costas.

“Não vejo mais esse troféu”, disse Andressa Valentim, 26, engenheira florestal que chorava em um café em Brasília após a derrota. “Para mim, acabou.”

A Croácia tinha chegado à final da última edição, na Rússia em 2018, ao sobreviver a três jogos que foram para o prolongamento, e já com uma vitória nos penalties no Qatar, frente ao Japão, na segunda-feira.

“Na disputa de pênaltis, nos tornamos os favoritos”, disse o técnico da Croácia, Zlatko Dalic, por meio de um intérprete, após a vitória sobre o Brasil. “Foi como se nosso adversário já tivesse perdido a partida naquele ponto”, disse ele.

A estrada lá era estável, mas não reta. A Croácia parecia ter perdido a corda no final da primeira prorrogação, quando Neymar completou um ritmo relâmpago e passou a marcar, dando ao Brasil uma merecida, embora atrasada, vantagem. Seus fãs exalam. Sua nação também.

Mas a Croácia também respondeu: um contra-ataque aos 117 minutos, um passe do nada para o meio, um chute forte de Bruno Petkovic desviado para empatar o placar. Foi então que as quartas de final da Copa do Mundo, sem gols após dois tempos e não mais após dois períodos da prorrogação, chegaram onde muitas partidas da Croácia agora terminam: a disputa de pênaltis.

READ  Keri Irving quebra o silêncio ao falar sobre aposentadoria, mandato de vacina

A essa altura, até os brasileiros devem ter pressentido o fim que estava por vir.

atribuída a ele…Alex Grimm/Getty Images

Quatro croatas avançaram com calma e converteram pênaltis. Dois dos brasileiros – Rodrygo, que foi primeiro, e Markinhos, que foi o último – não conseguiram.

Desta forma, o Brasil, que liderava por um pé nas semifinais faltando menos de 30 minutos para o final, foi eliminado.

Mal posso acreditar. Marquinhos caiu de joelhos bem na frente da marca do pênalti e depois encostou a testa na grama. Neymar, que nunca conseguiu bater o pênalti na disputa de pênaltis, levou as mãos ao rosto no meio-campo, depois levantou e mordeu a gola, lançando-lhe um olhar incrédulo. Thiago Silva se aproximou e deu um beijo na bochecha dele. Daniel Alves chegou com um abraço. Uma lágrima caiu no rosto de Neymar.

Do outro lado do campo, croatas balbuciantes correram em todas as direções ao redor do goleiro Dominik Levakovic, que defendeu um pênalti de Rodrygo e obrigou Marquinhos a tentar cortar o alce.

A equipe invicta, Croácia, enfrentará os vencedores da segunda partida de sexta-feira entre Argentina e Holanda nas semifinais na próxima semana. Reserve algum tempo extra se você planeja assistir.

O Brasil não pode dizer que não tentou de tudo para vencer. Quando Vinicius Jr., Richarlison e Rafina não conseguiram passar por Levakovic, Anthony, Rodrigo e Pedro foram enviados para tentar. Quando Neymar finalmente deu um jeito de se classificar, a vantagem durou apenas cerca de 15 minutos. pressão voltou. A porta de saída apareceu.

A disputa de pênaltis do croata foi tão clínica quanto seu desempenho geral foi metódico. Nikola Vlasic foi para a esquerda. Lavro Mager foi para o meio. Luka Modric chutou alto. Mislav Orsic atirou rasteiro.

READ  Anunciada a aposentadoria de Kyle Seeger - rumores de negociação da MLB

Quando, um momento depois, Marquinhos testou com força seu remate ao lado da trave esquerda, o campo foi rapidamente inundado com cores de pessoas que ainda tentavam entender o que havia acontecido. Os brasileiros, favoritos que vestiram suas famosas camisas amarelas, ficaram no lugar ou sentaram-se ao lado, resignados com o fato de que o país teria que esperar mais quatro anos para somar ao seu recorde de cinco títulos mundiais.

atribuída a ele…Adrian Dennis/AFP – Getty Images

A celebração croata vermelha e branca já estava por toda parte, um mar aleatório de bandeiras, abraços, homens sem camisa e crianças correndo pelo campo. Um dos filhos de Modric pulou em seus braços. Lovren levou uma das mãos para passear. E no meio-campo, Leonardo e Manuela Perisic, filhos do atacante croata Ivan Perisic, fizeram uma linha de mel para o círculo central, em direção a Neymar, que se envolveu em um abraço choroso com um de seus companheiros de equipe.

Um funcionário do Brasil interveio para evitar Leonardo e estendeu o braço para sugerir que talvez não fosse o momento certo. Mas Leonardo chamou a atenção de Neymar, e o brasileiro voltou-se para ele. O menino e a estrela deram as mãos. Neymar abraçou a cabeça do menino. Eles trocaram uma palavra rápida. Então eles se separaram, o menino fugiu com a irmã, de volta às festividades croatas. Neymar se dirigiu rapidamente para o vestiário, entrando em mais uma longa espera.

James Wagner contribuiu com reportagem de Al Rayyan e Andre Spigariol de Brasília.