setembro 28, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

COVID-19 não será erradicado: OMS

COVID-19 não será erradicado: OMS

Apesar das inovações no desenvolvimento e pesquisa de vacinas, funcionários da Organização Mundial da Saúde (OMS) disseram em uma entrevista coletiva na terça-feira que o vírus COVID-19 não irá embora e provavelmente se espalhará na comunidade de forma semelhante à gripe.

Relatórios CNBC Especialistas, incluindo Mike Ryan, diretor executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, disseram a repórteres em uma entrevista coletiva que o COVID-19 continuará a evoluir e não será erradicado tão cedo.

“Acho que esse vírus veio para ficar conosco e vai evoluir como os vírus da gripe pandêmica, e vai se transformar em um dos outros vírus que nos afetam”, disse ele.

Isso ocorre porque a variante delta, uma mutação da cepa COVID-19 original, é responsável pela maioria dos novos casos nos Estados Unidos. Os dados clínicos mostraram que a imunidade fornecida pelas vacinas Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson enfraquece com o tempo , alertando para a necessidade de doses de Boosters para reduzir o aumento de novas infecções.

Ryan dobrou sua postura, dizendo que COVID-19 não irá simplesmente embora com mais vacinações e esforços preventivos.

“As pessoas disseram que vamos tirar o vírus ou vamos pegá-lo”, disse Ryan. “Não, não somos muito excluídos”.

As vacinas de reforço – uma dose extra de vacinas – devem estar prontas até 20 de setembro, Apreciação de oficiais. Relatórios Recentes Sugere que os reguladores federais podem precisar de mais tempo para pesquisar exaustivamente os efeitos das doses de reforço na saúde, observa Pode ser Pfizer A única tacada disponível no início.

o A Organização Mundial da Saúde se opôs fortemente A distribuição de vacinas de reforço por países mais ricos como os Estados Unidos, quando outros países subdesenvolvidos ainda lutam para dar aos seus cidadãos as doses iniciais.

“Pedi a suspensão do uso de reforços, pelo menos até o final deste mês, para permitir que os países que ficaram para trás possam alcançá-los”, disse o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. Ele disse semana passada.