Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Compreenda as suas finanças pessoais: os primeiros passos

A compreensão das suas finanças pessoais constitui o primeiro passo rumo às liberdade e segurança financeiras.

Ao longo deste artigo, guiá-lo-emos pelas questões mais elementares da gestão financeira individual, com especial destaque para práticas essenciais que o ajudarão a assumir o controlo do seu futuro financeiro.

A integração do conceito de crédito pessoal permitir-nos-á explorar de que forma é que este poderá ser uma ferramenta estratégica, desde que utilizado com cuidado e ponderação.

Aspetos básicos de finanças pessoais

A base das finanças pessoais requer que compreenda como gerir o seu dinheiro de uma forma eficaz em várias áreas.

Eis alguns passos essenciais para começar:

1. Cartões de crédito e taxas de juros

É simplesmente basilar que aprenda como funcionam os cartões de crédito e as respetivas taxas de juros.

A utilização responsável de cartões de crédito ajudá-lo-á a manter uma boa pontuação no seu mapa de responsabilidades de crédito, algo que, de resto, é crucial no que concerne o empreendimento de atividades financeiras futuras como a obtenção de um crédito ou de uma hipoteca.

Ter também noção das taxas de juros aplicáveis fará com que consiga gerir as suas dívidas com maior eficácia, garantindo que não paga mais do que o estritamente necessário.

2. Orçamentação

Saber definir um orçamento é uma competência essencial – tal requer que se encontre a par dos seus rendimentos, das suas despesas e das suas poupanças, de modo a poder ter a certeza de que o seu estilo de vida não excede as suas capacidades.

Um orçamento ajuda-o a estabelecer prioridades em relação aos seus gastos e ensina-o a focar-se naquilo que realmente importa, evitando, assim, incorrer em despesas desnecessárias.

3. Gestão de dívidas

Aprenda a gerir as suas dívidas e considere o impacto que as taxas de juros têm sobre as mesmas; explore algumas estratégias para conseguir pagar o que deve mais depressa.

4. Planos poupança-reforma (PPR)

Coloque de parte uma porção dos seus rendimentos mensais e configure transferências bancárias automáticas para uma conta-poupança ou estabeleça um plano poupança reforma (PPR) com o auxílio do seu banco, de modo a começar a amealhar já e incrementar a sua segurança financeira pós-reforma.

5. Fundos de emergência

Este passo é inegociável – coloque de parte um valor equivalente a despesas registadas entre três e seis meses, para que possa custear confortavelmente gastos inesperados.

Estabelecimento de objetivos financeiros e respetivo planeamento

A identificação e a priorização de objetivos financeiros são essenciais para atingir a estabilidade financeira.

Os seus objetivos poderão variar entre algo a cumprir a curto prazo (como férias) e algo a cumprir a longo prazo (como chegar à reforma e usufruir da mesma).

Como tal, procure focar-se naquilo que é mais importante para si e defina as suas prioridades com base nesse princípio.

Um planeamento financeiro compreende as seguintes etapas:

1. Avaliação da sua situação atual

Afira os seus rendimentos, despesas, dívidas e poupanças.

2. Definição de metas

Apure quais são os seus objetivos a curto e a longo prazo.

3. Orçamentação

Enquadre os seus objetivos nas suas capacidades financeiras, de forma a conseguir gerir eficazmente os seus rendimentos e despesas.

4. Desenvolvimento de estratégias

Planeie poupanças, investimentos e gestão de dívidas.

5. Implementação e revisão

Coloque o seu plano em marcha e reveja-o regularmente, para poder ajustá-lo consoante as circunstâncias.

Situação fiscal

Saber como funciona o Imposto Sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) é mais uma situação que não deve descurar – independentemente de ser elegível para o IRS Automático ou de ter de preencher uma declaração de modelo 3, é crucial que conheça o processo, de modo a conseguir manter a sua situação fiscal em ordem.

Utilização responsável de créditos pessoais

Como dizíamos no princípio, um crédito pessoal pode constituir-se como uma ferramenta estratégica para ajudá-lo a gerir as suas finanças.

Poderá utilizá-lo para consolidar outros créditos num só, financiar uma compra de valor substancial ou cobrir despesas inesperadas – o que importa é que escolha o tipo de crédito adequado à sua situação financeira.

Procure por taxas de juros e termos e condições competitivos que se enquadrem nos seus objetivos financeiros e que, naturalmente, consiga reembolsar.

Em conclusão

A compreensão e a gestão das suas finanças pessoais são um compromisso que deve assumir abertamente, uma vez que a aprendizagem é contínua.

Ao dominar o básico deste assunto, ao definir objetivos claros, ao proceder a um planeamento eficaz e ao tomar decisões informadas, tem de tudo para assumir o controlo do seu futuro financeiro.

Lembre-se de que qualquer decisão financeira, incluindo contrair um crédito pessoal, deve ser tomada desde que entenda na totalidade o impacto que a mesma terá sobre o seu bem-estar financeiro em geral.