outubro 5, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Como a elusividade na evolução dos primatas deu aos humanos uma voz que os macacos não têm | evoluiu

Os cientistas identificaram modificações evolutivas na caixa de voz que distinguem as pessoas de outros primatas que podem suportar uma habilidade indispensável para a humanidade: falar.

Um exame da caixa de voz, ou laringe, em 43 espécies de primatas mostrou que os humanos diferem de macacos e símios pela falta de uma estrutura anatômica chamada prega vocal: pequenas extensões em forma de fita das cordas vocais, disseram pesquisadores na quinta-feira.

Eles descobriram que os humanos também não possuem estruturas laríngeas semelhantes a balões, chamadas sacos de ar, que podem ajudar alguns macacos e símios a fazer chamadas altas e sonoras e evitar a hiperventilação.

A perda desse tecido, segundo os pesquisadores, levou a uma fonte sonora estável em humanos que foi crucial para o desenvolvimento da fala – a capacidade de expressar pensamentos e sentimentos usando sons articulados.

A simplificação da laringe, eles disseram, permitiu que os humanos tivessem um excelente controle de tom com sons de fala longos e estáveis.

“Argumentamos que estruturas vocais mais complexas em primatas não humanos podem dificultar o controle preciso das vibrações”, disse o primatologista Takeshi Nishimura, do Centro para as Origens Evolutivas do Comportamento Humano no Japão, principal autor da pesquisa. Publicado em Ciência.

“As membranas vocais permitem que outros primatas façam chamadas mais altas e mais agudas do que os humanos – mas tornam as quebras vocais e irregularidades vocais mais comuns”, disse o biólogo evolucionista e coautor do estudo W Tecumseh Fitch, da Universidade de Viena.

A laringe é um tubo oco na garganta preso ao topo da traqueia e contendo as cordas vocais, usadas para falar, respirar e engolir.

“A laringe é o órgão da voz que cria o sinal que usamos para cantar e falar”, disse Fitch.

Os humanos são primatas, assim como macacos e símios. A linhagem evolutiva que deu origem à nossa espécie, Homo sapiens, separou-se daquela que deu origem ao nosso parente vivo mais próximo, o chimpanzé, aproximadamente 6-7 milhões de anos atrás, com mudanças laríngeas ocorrendo algum tempo depois.

Apenas espécies vivas foram incluídas no estudo porque esses tecidos moles não são adequados para preservação de fósseis. Isso também significa que não está claro quando as mudanças ocorreram.

É possível, disse Fitch, que a simplificação laríngea possa ter se originado em um hominídeo chamado Australopithecus, que combinou características semelhantes a macacos e humanos e apareceu pela primeira vez na África cerca de 3,85 milhões de anos atrás, ou mais tarde em nossa espécie, que apareceu pela primeira vez em África há cerca de 3 anos, 2,4 milhões de anos. O Homo sapiens surgiu há mais de 300.000 anos na África.

Os pesquisadores estudaram a anatomia da laringe em macacos, incluindo chimpanzés, gorilas, orangotangos e gibões, bem como macacos do Velho Mundo, incluindo macacos, guiné, babuínos e mandris, e macacos do Novo Mundo, incluindo capuchinhos, micos, saguis e cabras.

Embora essa simplificação evolutiva da laringe tenha sido fundamental, ela “não nos deu a fala em si”, observou Fitch, observando que outros traços anatômicos são importantes para a fala ao longo do tempo, incluindo a mudança na posição da laringe.

Os mecanismos de produção de som em humanos e primatas não humanos são semelhantes, com o ar vindo dos pulmões fazendo com que as cordas vocais vibrem. A energia sonora gerada dessa forma passa então pelas cavidades da faringe, boca e nariz e aparece de forma regida pela filtragem de frequências específicas ditadas pelo trato vocal.

O primatologista e psicólogo Harold Gozoll, da Emory University, em Atlanta, que escreveu Comentário sobre as ciências que acompanham o estudo.

“A fala é o método de expressão linguística audível e baseado em som – e os humanos, sozinhos entre os primatas, podem produzi-la.”

Paradoxalmente, a crescente complexidade da linguagem falada humana segue uma simplificação evolutiva.

“Acho interessante que às vezes na evolução seja ‘menos é mais’ – que ao perder uma característica você pode abrir a porta para alguma nova modificação”, disse Fitch.

READ  Um especialista em doenças infecciosas do Havaí avisa que a epidemia pode continuar por pelo menos mais dois anos