Junho 15, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Comentário |  Resposta Blows in the Wind |  por len port

Comentário | Resposta Blows in the Wind | por len port

Publicado em 03 de abril de 2023.

Qual é a melhor maneira de alcançar emissões líquidas zero de dióxido de carbono na luta contra o aquecimento global? Agora você sabe a resposta – bem, uma das respostas mais importantes.

Portugal usa turbinas eólicas para se livrar de combustíveis fósseis e gerar mais eletricidade do que outros métodos eficientes como solar ou hidrelétrica.

A tecnologia eólica tem uma longa história. Séculos atrás, os moinhos de vento estavam ocupados moendo trigo na região do Mediterrâneo. Milhões de pequenos moinhos de vento foram usados ​​para bombear água nos Estados Unidos de meados de 1800 a meados de 1900. A primeira grande turbina eólica para gerar eletricidade foi instalada em 1888 em Cleveland, Ohio.

O desenvolvimento posterior de geradores eólicos na América foi inspirado no projeto de hélices de avião e asas de monoplano. Tentativas subsequentes na Dinamarca, França, Alemanha e Reino Unido mostraram que grandes parques eólicos podem funcionar bem para produzir energia. As primeiras instalações em grande escala começaram na Califórnia, onde 16.000 máquinas de 20 a 350 kW (1,7 GW no total) foram inauguradas entre 1981 e 1990. Isso é resultado de incentivos fornecidos pelo governo dos EUA.

No Norte da Europa, as instalações eólicas aumentaram de forma constante nos anos 80 e 90, à medida que os custos mais elevados da eletricidade e melhores parques eólicos disponíveis levaram à criação de um mercado pequeno, mas estável. Os últimos vinte anos trouxeram a energia eólica à tona na Europa e em todo o mundo.

Portugal começou relativamente tarde, mas em 2001 o governo lançou um programa destinado a promover uma abordagem sustentável e integrada da oferta e procura de energia. Ela instalou seu primeiro parque eólico offshore em 2016 e, desde então, avançou com entusiasmo. Em 2020, a energia eólica foi a principal fonte de eletricidade gerada neste país. Até o final de 2021, 265 parques eólicos e um total de 2.836 turbinas atenderam a 26% das necessidades energéticas do país.

Um parque eólico offshore pioneiro – WindFloat Atlantic, o primeiro parque eólico flutuante semissubmersível do mundo – começou a adicionar eletricidade à rede em 2020. Novos projetos offshore de alta capacidade serão lançados este ano.

O governo pretende ter 80% do consumo de eletricidade do país a partir de combustíveis renováveis ​​até 2030 e ser neutro em termos climáticos até 2050.

Cinco anos atrás, o governo prometeu fechar todas as usinas a carvão do país até o final da década, tornando-o totalmente dependente de energia renovável. Há quatro anos o carvão fornecia 40% da eletricidade de Portugal. As duas últimas usinas a carvão do país deveriam fechar em 2021, quase dez anos antes do inicialmente projetado. A primeira fábrica foi responsável por 12% das emissões de gases com efeito de estufa em Portugal. Seu fechamento marca a maior redução de emissão de poluentes da história do país. A segunda usina foi a única usina a carvão em operação até 19 de novembro de 2021, quando também foi fechada.

Estimada em cerca de 20 mil postos de trabalho até 2030 só no setor solar fotovoltaico, a EDP anunciou que vai investir 24 mil milhões de euros no setor renovável até 2026, a maior parte dos quais destinados à produção eólica, solar e de hidrogénio verde.

Em 2017, a seca afetou fortemente a geração hidrelétrica, reduzindo o total de todas as renováveis ​​para 41,8%, de 55,5% no ano anterior. A energia eólica gerou 21,6% do total naquele ano, a hidrelétrica 5,1%, a solar 1% e a geotérmica 0,4%. A energia das ondas representa 24% da energia produzida nos Açores.

Embora todas as outras renováveis ​​sejam muito importantes, o vento é a principal fonte de eletricidade em Portugal. Sua evolução é, de fato, uma resposta à determinação deste país em evitar a catástrofe do aquecimento global.

—————

LPporta Len Jornalista e escritor. Nascido na Irlanda, seus primeiros escritos foram publicados enquanto trabalhava no Museu de História Natural de Londres. De THpt Trabalhou como repórter principalmente em Hong Kong, Irlanda do Norte, África do Sul e Portugal.

Além de reportar notícias difíceis para algumas das principais organizações de notícias do mundo, ele produziu inúmeros artigos sobre todos os tipos de assuntos para várias publicações. Agora a viver no sul de Portugal, os seus livros incluem guias de viagem e histórias infantis. Seus e-books – Pessoas em um só lugar E O Evento de Fátima – Graça Divina, Ilusão ou Piedosa Fraude? Disponível na Amazon.com e amazon.co.uk. Confira as postagens de seu blog algarvenewswatch.blogspot.com