maio 26, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Classificando os verdadeiros culpados dos Lakers pela bagunça atual: LeBron James lidera a lista, cercado Frank Vogel livre de culpa

Nada disso é culpa de Frank Vogel.

Vamos começar por aí.

O Los Angeles Lakers estão em péssimo estado, um esquadrão medíocre sangrando esperança, cortesia de uma constelação de realidades difíceis: eles são velhos, estão quebrados, são mal construídos e são – como em todos os Lebron James‘ equipes que vacilam diante das expectativas inevitáveis ​​- desviando-se para a disfunção à medida que o jogo da culpa se torna o movimento mais bem-sucedido da organização.

Mas nada disso é culpa de Vogel.

Isso não impediu a máquina de vazamento que sempre cerca as equipes de LeBron James de produzir uma série de histórias apontando diretamente para Vogel – apesar de outros que compartilham muito mais culpa, uma lista que chegaremos em breve. É o treinador principal que está acordando no meio da tempestade de reportagens sobre seu status: que ele está sendo avaliado. Que ele pode ir embora se as coisas não mudarem. Que ele está sendo demitido. Que ele não está sendo demitido, ainda, mas talvez mais tarde. Ou não. Por agora. Ou talvez ele seja, afinal.

E assim por diante, e venha o que vier, tudo é projetado com um propósito claro: para que haja barulho suficiente para que, punido ou não, o técnico seja o culpado.

Só que ele não é. Na verdade, não. Os treinadores principais de LeBron raramente são os culpados pelas listas que LeBron quer, exige e recebe. Isso não é novo. No início da temporada 2010-11 da NBA, durante o primeiro ano de LeBron em Miami, Erik Spoelstra foi criticado de forma semelhante quando os relatórios tentaram pintar o Calor treinador principal como o culpado pelo mau começo de Miami e digno de, como hoje, um tiro rápido. Apenas Spoelstra tinha Pat Riley, que estava de costas, e a pressão diminuiu.

Vogel provavelmente não terá tanta sorte, agora ou no futuro, quando se trata de defensores fortes que não vacilam dentro de sua organização. A cultura do Lakers não é a do Heat. E força a credulidade acreditar que Vogel pulou de alegria quando Russel Westbrook foi adicionado a esta mistura. Ou quando Carmelo Anthony veio a bordo. Ou quando Alex Caruso foi para Chicago porque o Touros‘ front office tinha uma melhor compreensão do que o Lakers de seu valor real. E assim por diante.

Vogel é um excelente treinador. Ele estava quando estava em Indianápolis, quando ajudou a levar o time a duas aparições consecutivas nas finais da Conferência Leste. Como um treinador da NBA me disse na época: “O cara é o negócio real – ele surgiu no departamento de vídeo, então ele conhece sua merda. Não duvide dele.”

READ  2021 FedEx Cup Portfolio, Payout: Tour Championship Prize Money Distribuição de $ 46 milhões no total

Para Vogel, não falta ironia aqui. Sua carreira pode ser definida por duas regras, vamos chamá-las, da física da NBA quando LeBron James está envolvido: que o caminho além do rei a caminho das finais pode ser intransponível. E que treiná-lo se você não chegar às finais pode ser fatal.

Vogel é o cara que treinou o Lakers para um campeonato há 15 meses. E agora, sobrecarregado com um time ruim, um muito comum Anthony Davis lesão e a realpolitik de uma equipe de LeBron – e de uma organização do Lakers atolada em uma disfunção brutal há pouco tempo – ele foi preparado para falhar.

Certamente não é culpa de Vogel que apenas três jogadores contínuos permaneçam dessa corrida pelo título de 2020, a que aconteceu há 15 meses. Ou que grande parte do time do Lakers poderia liderar um comercial da AARP. Ou que a óbvia e inevitável incapacidade de Westbrook de se encaixar no chão chegou, de fato.

Então, aqui estão os verdadeiros culpados, uma espécie de Lakers Blame Power Rankings, por que esse time é uma bagunça.

Uma contagem regressiva dos cinco primeiros, começando com …

Não. 5: Russel Westbrook

Sim, ele tem sido um desastre como um Laker. Não, não vai funcionar. E sim, sua mera presença – o dinheiro que seu salário ocupa na situação do limite do Lakers, sua necessidade de bola, o fato de seu jogo não funcionar mais na NBA de hoje e O fato de ele ser a pessoa exata que você traria para Los Angeles se quisesse atrapalhar o que os Lakers fazem – é um ponto negativo para o time dele.

Mas – grande, mas aqui – Westbrook não é o culpado pelo fato de os Lakers o terem trazido para Los Angeles. Ele é o que é. Um competidor obstinado, um jogador orgulhoso, um ex-MVP e um grande desbotado que não trabalha nesta NBA, e certamente não neste time.

Mas muitos jogadores gostariam de ser um Laker. É por isso que existem escritórios de frente para garantir que apenas os corretos possam realmente vestir esse roxo e dourado.

Não. 4: Anthony Davis

É impressionante como a AD recebe poucas críticas por não ser saudável. Claro, há uma série de maneiras de defender o jogador frequentemente lesionado – não é culpa dele, é azar, ele não é sempre dói, blá blá blá.

Mas temos outro alerta irônico: LeBron James, mais do que qualquer outro jogador da NBA, inspira o truísmo de que a melhor habilidade é a disponibilidade.

READ  A explosão de Michael Conforto ajuda a evitar o desastre do Mets contra os cidadãos

Essa não é uma habilidade que AD tem. Não com frequência suficiente.

Davis atingiu a marca de 70 jogos na temporada regular em apenas duas de suas nove temporadas. Ele se machucou durante os playoffs do ano passado. E ele volta a encarar a Brooklyn Nets, fontes dizem à CBS Sports, com muitos jogadores e outros dentro da organização Lakers começando a duvidar de sua resistência e compromisso geral com a causa.

Justo? Talvez não. Mas quando você está ferido – e, neste caso, resistente a jogar no centro quando solicitado – as coisas podem mudar rapidamente.

Além disso, Davis estar fora sempre será igual a um time muito menos eficaz, especialmente se você quiser evitar acumular minutos em LeBron antes dos playoffs acontecerem. Se você está procurando culpados, culpe The Brow – ou azar, se precisar – antes do treinador principal que esteve sem ele por grande parte da temporada.

Fator secundário: Davis queria Westbrook. Então não. 5 nesta lista, e o saco de pancadas favorito de todos fora de Vogel, chegou em alguma parte por causa da bênção de AD.

Não. 3: Rob Pelinka

Agora estamos a falar. Pelinka é, de fato, o gerente geral desta equipe. Sim? Direito? Tecnicamente falando?

Ele colheu grande parte da glória e elogios quando “seu” time conquistou o título da NBA de 2020, e dificilmente ele deve passar despercebido agora que as coisas correram mal. Ser o GM de uma equipe liderada por LeBron é tanto gerenciar LeBron quanto qualquer outra coisa. Bem-vindo, citando um pouco errado o Poderoso Chefão, a vida que você escolheu, Rob.

Elenco antigo. Elenco ruim. Não há defesa suficiente. Não há tiro suficiente. Atletismo insuficiente. Jogadores que têm tanta aclamação recente quanto Air Supply. O albatroz que é Westbrook. Essas são questões de gerente geral, não questões de coaching.

E embora LeBron tenha grande influência na tomada de decisões, aqui está algo que as fontes do Lakers enfatizam: foi Pelinka, mais do que qualquer outra pessoa, quem queria Talen Horton-Tucker sobre Caruso. Esse é um lugar que ele queria plantar sua bandeira: no THT, um jogador pelo qual ele poderia levar crédito, ao invés de Caruso, a quem ele não podia.

Não. 2: Kurt Rambis

A influência descomunal de Rambis é compreendida por aqueles que sabem em LA. Ele tem o ouvido da dona Jeanie Buss e tem influência suficiente, eficaz se não oficial, para ajudar a moldar partes do elenco da equipe e uma boa parte de sua cultura.

READ  A partida de Brandon Ingram nos playoffs continua com 30 pontos no jogo 4 para ajudar o New Orleans Pelicans a empatar com o Phoenix Suns

Vale a pena notar que, quando saiu a notícia de que Vogel poderia ser demitido, era Rambis cujo nome estava ligado aos contra-vazamentos que são inevitáveis ​​​​nesses tipos de lutas pelo poder – e o jogo de culpa que abraça as equipes de LeBron em dificuldades.

Primeiro, os detalhes dessa reportagem: afirmou que Rambis esteve envolvido em reuniões de treinamento pré-jogo. E, como se ele desejasse ser parodiado em um esquete do “Saturday Night Live”, ele pressionou por formações maiores com caras como Dwight Howard e De André Jordan.

Coloque Byron Scott de volta lá e teremos um vencedor do bingo Lakers-Fingindo-É-Os-anos 80.

E segundo: quem quer que tenha saído em defesa de Vogel apontando, via vazamentos, o que Rambis estava fazendo para lhe dizer que Rambis está envolvido o suficiente para ser um alvo digno. Você não vai atrás de quem não importa. Alguém próximo a Vogel vazou essa informação porque Rambis, na opinião deles, é um problema.

Certamente concordamos.

Não. 1 LeBron James

Nada acontece em LA sem a permissão de LeBron. Esta é a terceira ironia profunda do desastre dos Lakers. Uma grande parte da razão pela qual LeBron veio para Los Angeles – e porque os Lakers recentemente venceram esse campeonato – foi por causa dessa cultura de talento de estrela que o falecido e grande Dr. Jerry Buss defendeu uma geração atrás; que sua filha Jeanie Buss manteve e criou; e que LeBron defendeu durante seu reinado na liga, e que ele foi claramente atraído por essa organização.

Esse fato sobre o Lakers deve ser comemorado, e é uma grande razão pela qual eles venceram em 2020. Mas também significa, especialmente no caso de LeBron, que você leva o bem com o mal. Você pega o melhor jogador de todos os tempos (ou, talvez, o segundo melhor) e um dos piores GMs da história da liga. Porque LeBron é ambos.

Através de seu “agente” Rich Paul e Klutch Sports Group, LeBron puxa as alavancas ao seu redor. Bom para ele. Ele ganhou. Ele vale a pena. Ele só não é muito bom nisso.

Uma nota: THT é um cara Klutch. Caruso não era.

Caruso fica se LeBron insistir. Westbrook e Melo estão em outro lugar se ele não o fizer. Pode ser Campo de amigos está aqui ao lado Monge Malik, adicionando tiro e esticando o chão.

Este é o time de LeBron. E ele é o nº. 1 razão não é muito bom agora.