julho 6, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Cientistas aproveitam a terapia de luz para atingir e matar as primeiras células cancerígenas do mundo | Câncer

Os cientistas conseguiram desenvolver um tratamento revolucionário contra o câncer que ilumina e mata células cancerígenas microscópicas, em um avanço que pode permitir que os cirurgiões atinjam a doença de forma mais eficaz e a erradicem dos pacientes.

Uma equipe europeia de engenheiros, físicos, neurocirurgiões, biólogos e imunologistas do Reino Unido, Polônia e Suécia uniram forças para projetar a nova forma de fotoimunoterapia.

Especialistas acreditam que se tornará o quinto tratamento de câncer líder mundial após cirurgia, quimioterapia, radioterapia e imunoterapia.

A terapia ativada por luz força as células cancerígenas a brilhar no escuro, ajudando os cirurgiões a remover mais tumores do que as técnicas atuais – e depois mata as células restantes em minutos após a conclusão da cirurgia. No primeiro teste do mundo em camundongos com glioblastoma, um dos tipos mais comuns e perigosos de câncer no cérebro, os exames revelaram que o novo tratamento iluminou até mesmo as menores células cancerígenas para ajudar os cirurgiões a removê-las – e depois eliminou esses resíduos.

Ensaios de uma nova forma de fotoimunoterapia, liderada pelo Instituto Câncer A pesquisa, em Londres, também mostrou que o tratamento provocou uma resposta imune que poderia levar o sistema imunológico a atacar as células cancerígenas no futuro, sugerindo que poderia impedir o retorno do glioblastoma após a cirurgia. Os pesquisadores agora estão estudando um novo tratamento para o neuroblastoma canceroso infantil.

“Os cânceres cerebrais, como o glioblastoma, podem ser difíceis de tratar e, infelizmente, há muito poucas opções de tratamento para os pacientes”, disse a líder do estudo, Dra. Gabriella Kramer-Maric, ao The Guardian. “A cirurgia é difícil por causa da localização dos tumores, então novas maneiras de ver as células cancerígenas a serem removidas durante a cirurgia e tratar as células cancerígenas que permanecem depois podem ser de grande benefício”.

READ  Os pequenos pontos nesta imagem não são estrelas ou galáxias. São buracos negros

O líder da equipe ICR em imagens moleculares pré-clínicas acrescentou: “Nosso estudo mostra que uma nova fotoimunoterapia usando uma combinação de marcadores fluorescentes, proteína corporal e luz infravermelha próxima pode identificar e tratar remanescentes de células de glioblastoma em camundongos. No futuro, esperamos que o uso desta abordagem é para tratar o glioblastoma humano e possivelmente outros tipos de câncer também.”

O tratamento combina um corante fluorescente especial com um composto que tem como alvo o câncer. Em um experimento em camundongos, essa combinação mostrou melhorar significativamente a visão das células cancerígenas durante a cirurgia e, quando posteriormente ativada por luz infravermelha próxima, produzir um efeito antitumoral.

Cientistas do ICR, Imperial College London, Medical University of Silesia, na Polônia, e da empresa sueca AffibodyAB, acreditam que o novo tratamento pode ajudar os cirurgiões a remover com facilidade e eficácia tumores particularmente difíceis, como os de cabeça e pescoço.

Este esforço conjunto foi financiado em grande parte pelo Cancer Research UK’s Centre for Science and Convergence at ICR e Imperial College London – uma parceria que reúne cientistas internacionais das disciplinas de engenharia, ciências físicas e ciências da vida para encontrar formas inovadoras de tratar o câncer.

O professor Axel Burns, chefe da equipe de células-tronco do câncer da Cancer Research and Science e diretor do Scientific Convergence Center for Cancer Research UK, disse:

“Esta pesquisa demonstra uma nova abordagem para identificar e tratar células de glioblastoma no cérebro usando luz para transformar o ambiente imunossupressor em um ambiente imunológico fraco, que tem um potencial excitante como terapia contra esse tipo agressivo de tumor cerebral”.

Assine a primeira edição, nosso boletim informativo diário gratuito – todas as manhãs da semana às 7h GMT

Após décadas de avanços no tratamento do câncer, as quatro principais formas que existem hoje – cirurgia, quimioterapia, radioterapia e imunoterapia – significam que mais pessoas diagnosticadas com a doença podem ser tratadas de forma eficaz e um grande número pode viver saudável por muitos anos.

No entanto, a proximidade de alguns tumores com órgãos vitais do corpo faz com que seja necessário desenvolver novos métodos de tratamento do câncer para que os médicos possam superar os riscos de prejudicar partes saudáveis ​​do corpo. Especialistas acreditam que a fotoimunoterapia pode ser a resposta.

Quando os tumores crescem em áreas sensíveis do cérebro, como o córtex motor, que está envolvido no planejamento e controle dos movimentos voluntários, a cirurgia de glioblastoma pode deixar para trás células tumorais difíceis de tratar – o que significa que a doença pode voltar de forma mais agressiva mais tarde .

O novo tratamento usa moléculas sintéticas chamadas subobjetos. Estas são pequenas proteínas que foram projetadas em laboratório para se ligarem a um alvo específico com alta precisão, neste caso uma proteína chamada EGFR – que é mutada em muitos casos de glioblastoma.

Os microcorpos foram então combinados com uma molécula fluorescente chamada IR700 e administrados aos camundongos antes da cirurgia. Destacar os compostos fez o corante brilhar, destacando áreas microscópicas de tumores no cérebro para os cirurgiões removerem. O laser então mudou para luz infravermelha próxima, que desencadeou atividade antitumoral, matando as células restantes após a cirurgia.

“A fotoimunoterapia pode nos ajudar a atingir as células cancerígenas que não podem ser removidas durante a cirurgia, o que pode ajudar as pessoas a viver mais tempo após o tratamento”, disse Charles Evans, diretor de informações de pesquisa da Cancer Research UK. Ele alertou que ainda havia desafios técnicos a serem superados, como acessar todas as partes do tumor com radiação infravermelha próxima, mas acrescentou que estava “animado para ver como essa pesquisa progredirá”.