setembro 30, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Cientistas acham que resolveram o ‘mistério’ de como a poluição do ar causa câncer de pulmão: ScienceAlert

Cientistas disseram no sábado que identificaram o mecanismo pelo qual a poluição do ar causa infecções pulmonares Câncer Os não-fumantes fizeram uma descoberta que um especialista chamou de “passo importante para a ciência – e para a sociedade”.

A pesquisa esclareceu os riscos à saúde representados por pequenas partículas da queima de combustíveis fósseis, levando a novos pedidos de ações mais urgentes para combater Das Alterações Climáticas.

Também poderia abrir caminho para um novo campo de prevenção do câncer, de acordo com Charles Swanton, do Francis Crick Institute, no Reino Unido.

Swanton apresentou a pesquisa, que ainda não foi publicada em uma revista revisada por pares, na conferência anual da Sociedade Europeia de Oncologia Médica em Paris.

Há muito se acredita que a poluição do ar esteja associada a um risco aumentado de câncer de pulmão em pessoas que nunca fumaram.

“Mas não sabíamos se a poluição causava câncer de pulmão diretamente ou como”, disse Swanton à AFP.

Tradicionalmente, acredita-se que a exposição a agentes cancerígenos, como os da fumaça do cigarro ou da poluição, causa mutações no DNA que se transformam em câncer.

Mas Swanton tinha uma “verdade inconveniente” com esse modelo: pesquisas anteriores mostraram que mutações no DNA podem estar presentes sem causar câncer – e que a maioria dos carcinógenos ambientais não.

Seu estudo sugere um modelo diferente.

Uma futura pílula contra o câncer?

A equipe de pesquisa do Francis Crick Institute e da University College London analisou os dados de saúde de mais de 460.000 pessoas na Inglaterra, Coréia do Sul e Taiwan.

Eles descobriram que a exposição a partículas de poluição PM2,5 – com menos de 2,5 mícrons de diâmetro – aumentou o risco de mutações no gene EGFR.

READ  Imagens de satélite mostram que a plataforma de gelo da Antártida está entrando em colapso mais rápido do que se pensava anteriormente

Em estudos de laboratório em camundongos, a equipe mostrou que as partículas causaram alterações no gene EGFR, bem como no gene KRAS, ambos ligados ao câncer de pulmão.

Finalmente, eles analisaram cerca de 250 amostras de tecido pulmonar humano que nunca haviam sido expostos a agentes cancerígenos do fumo ou da poluição pesada.

Embora os pulmões fossem saudáveis, eles encontraram mutações de DNA em 18% dos genes EGFR e 33% dos genes KRAS.

“Eles apenas ficam lá”, disse Swanton, acrescentando que as mutações aumentam com a idade.

“Sozinhos, eles podem não ser suficientes para causar câncer”, disse ele.

Mas Swanton disse que quando uma célula é exposta à contaminação, pode desencadear uma “resposta de cicatrização de feridas” que causa inflamação.

Ele acrescentou que, se essa célula “tiver uma mutação, ela formará câncer”.

“Nós fornecemos um mecanismo biológico por trás do que antes era um mistério”, disse ele.

Em outro experimento com camundongos, os pesquisadores mostraram que anticorpo Ele pode bloquear o mediador – chamado interleucina 1 beta – que causa inflamação, impedindo o início do câncer em primeiro lugar.

Swanton disse que espera que as descobertas forneçam “uma base frutífera para o futuro do que poderia ser a prevenção molecular do câncer, onde podemos dar às pessoas uma pílula, talvez todos os dias, para diminuir o risco de câncer”.

“revolucionário”

Suzette Delalog, que dirige o Programa de Prevenção do Câncer no Instituto Gustave Roussy, na França, disse que a pesquisa foi “extremamente revolucionária, porque praticamente não tínhamos evidências anteriores dessa forma alternativa de formar câncer”.

“O estudo é um passo muito importante para a ciência – e espero também para a sociedade”, disse ela à AFP.

READ  O Alasca relatou 20 mortes por COVID-19 e mais de 500 novos casos na sexta-feira

“Isso abre uma enorme porta para o conhecimento, mas também para novas maneiras de prevenir” o desenvolvimento do câncer, disse Delalog, que não esteve envolvido na pesquisa, mas a discutiu na conferência no sábado.

“Esse nível de protesto deve obrigar as autoridades a agir em escala internacional.”

Tony Mok, um oncologista da Universidade Chinesa de Hong Kong, chamou a pesquisa de “emocionante”.

“Isso significa que podemos perguntar se no futuro é possível usar tomografias pulmonares para procurar lesões pré-cancerosas nos pulmões e tentar revertê-las com medicamentos como inibidores da interleucina-1 beta”, disse ele.

Swanton chamou a poluição do ar de “assassino oculto”, observando que a pesquisa sugere que está ligada a mais de oito milhões de mortes anualmente – aproximadamente o mesmo número que o tabaco.

Outra pesquisa vinculou o PM2,5 a 250.000 mortes anuais apenas por câncer de pulmão.

“Você e eu temos uma escolha sobre fumar ou não, mas não temos escolha sobre o ar que respiramos”, disse Swanton, que também é diretor médico da Cancer Research UK, que foi o principal financiador do projeto. pesquisar. .

“Dado que cinco vezes mais pessoas estão expostas a níveis insalubres de poluição do que o tabaco, você pode ver que este é um grande problema global”, acrescentou.

“Só podemos abordá-los se reconhecermos os vínculos verdadeiramente íntimos entre a saúde climática e a saúde humana”.

© Agência de Imprensa da França