outubro 2, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

China resiste à resposta mais dura da Rússia em cúpula 'cândida' com UE |  notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

China resiste à resposta mais dura da Rússia em cúpula ‘cândida’ com UE | notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

Os líderes chineses estão dizendo a seus colegas da UE que pressionarão pela paz na Ucrânia “à sua maneira”, rejeitando os pedidos de uma abordagem mais dura.

A China garantiu à União Europeia que buscará a paz na Ucrânia, pois resistiu às pressões do grupo para adotar uma postura mais dura em relação à Rússia.

Na primeira cúpula China-UE em dois anos, o primeiro-ministro Li Keqiang disse aos líderes da UE que Pequim pressionaria pela paz “à sua maneira”, enquanto o presidente Xi Jinping, que desenvolveu um relacionamento próximo com o presidente russo, Vladimir Putin, disse esperar A UE adotará uma abordagem “independente”, referindo-se às relações estreitas da Europa com os Estados Unidos.

A União Europeia pediu a Pequim durante a cúpula virtual que não permitisse que Moscou contornasse as sanções ocidentais impostas devido à invasão da Ucrânia pela Rússia.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que os líderes de ambos os lados “trocaram visões muito claramente opostas” em muitos tópicos, mas ela espera que a China use sua influência como grande potência e membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para persuadir a Rússia a parar fazer isso. Brigando.

Pedimos à China para ajudar a acabar com a guerra na Ucrânia. “A China não pode fechar os olhos para a violação da lei internacional pela Rússia”, disse o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em uma coletiva de imprensa com von der Leyen após a primeira cúpula desde 30 de dezembro de 2020.

“Qualquer tentativa de contornar as sanções ou fornecer assistência à Rússia prolongará a guerra”, disse ele.

A China tem laços econômicos e de segurança mais estreitos com a Rússia e se recusou a condenar o que a Rússia chamou de “operação militar especial” na Ucrânia ou uma invasão. Pequim criticou repetidamente o que descreve como sanções ocidentais ilegais e unilaterais. Várias semanas antes da invasão de 24 de fevereiro, a China e a Rússia anunciaram uma parceria estratégica “sem fronteiras”.

READ  Análise: a brutalidade de Putin exacerba o dilema histórico de Biden

Xi disse aos líderes da UE que a causa raiz da crise na Ucrânia “foram as tensões de segurança regionais na Europa” e que “a solução básica é acomodar as preocupações legítimas de segurança de todas as partes relevantes”, segundo o jornal estatal Global Times. Li disse que a China sempre buscou a paz e promoveu negociações e está pronta para continuar desempenhando um papel construtivo com a comunidade internacional, informou a emissora estatal CCTV.

Antes da reunião, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, alertou que a China “não concorda em resolver problemas por meio de sanções, e nos opomos mais a sanções unilaterais e jurisdição de longo prazo que não tem base no direito internacional”.

Quando se trata da Ucrânia, disse Zhao, Pequim não terá que “escolher um lado ou adotar uma abordagem simplista de amigo ou inimigo. Devemos, em particular, resistir ao pensamento da Guerra Fria e enfrentar o bloco”.

Ele também retratou os Estados Unidos como o agressor.

“Como principal culpado e instigador da crise na Ucrânia, os Estados Unidos levaram a OTAN a se envolver em cinco rodadas de expansão para o leste nas últimas duas décadas após 1999”, disse ele, acrescentando que a adesão à OTAN quase dobrou de 16 para 30 países, empurrando “Rússia na parede um passo.” passo a passo”.

Michel e von der Leyen descreveram o tom do top como “aberto e franco”.

A China está preocupada com o fato de a União Européia estar seguindo sugestões dos Estados Unidos e adotando uma abordagem mais agressiva à política externa. Em 2019, a União Europeia mudou repentinamente de sua linguagem diplomática branda usual para descrever a China como uma competição sistêmica.

READ  Pelo menos cinco mortos em um terremoto de magnitude 6,1 na costa do Golfo do Irã

A União Europeia também se juntou aos Estados Unidos e ao Reino Unido para punir as autoridades chinesas por supostos abusos dos direitos humanos em Xinjiang e a repressão em Hong Kong.

Pequim respondeu congelando a implementação de um acordo de investimento já negociado entre a União Europeia e a China. Também interrompeu as importações da Lituânia depois que Taiwan abriu uma embaixada de fato em Vilnius, irritando Pequim, que afirma que a ilha governada democraticamente é sua.