Junho 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Centro de Oncologia do Algarve vai abrir no final de 2024

Centro de Oncologia do Algarve vai abrir no final de 2024

“Nova Esperança para os Doentes com Diagnóstico de Cancro no Sul de Portugal.”

É assim que o Conselho de Luleh descreveu o lançamento oficial de um projeto Centro de Oncologia no Algarve Até o final de 2024.

esperado para lidar No Algarve existe uma grave carência no tratamento do cancro, nomeadamente a radioterapia, Força muitos pacientes Viaje centenas de quilómetros para procurar tratamento em Lisboa ou Sevilha (Espanha).

Uma nova instalação de saúde voltada especificamente para pacientes com câncer será construída perto do hospital central há muito prometido parque das cidadesPerto do Estádio Algarve, Entre Faro e Loulé.

Centro de oncologia vai ser construído no Parque das Cidades junto ao Estádio do Algarve

O terreno foi cedido pelos concelhos de Loulé e Faro na sequência da assinatura de um protocolo com o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) Quinta à tarde.

O concurso público internacional para a construção do centro de oncologia vai ser lançado “muito em breve”, enquanto a presidente do Conselho Executivo do CHUA, Ana Vargas Gómez, prevê a sua conclusão. Até o final de 2024.

O custo de construir e equipar uma nova unidade de saúde 14 milhões de euros – 9 milhões de euros ao abrigo do plano Algarve 2030, que confere à região € 780 milhões em financiamento social para gastar em projetos-chave. O restante será coberto pelo CHUA.

Centro de Oncologia para trazer Todos os tratamentos relacionados ao câncer em um edifíciode Diagnosticando pacientes (Especialidade em Medicina Nuclear, Anatomia Patológica, Cardiologia ou Patologia Clínica). Tratá-los (Uma sala de cirurgia capaz de radioterapia, medicina hiperbárica, ressonância magnética e radioterapia cirúrgica).

Isso é algo que está faltando atualmente na região sul (de Portugal)”, disse Ana Vargues Gómez, acrescentando que a investigação terá um papel importante no funcionamento do centro.

Na verdade, ele espera que haja um centro de oncologia também Ajude a atrair mais profissionais de saúde para o AlgarveDisse que vai albergar laboratórios de investigação e que serão convidadas equipas de investigadores de Portugal e do estrangeiro a juntarem-se aos esforços do centro.

O centro ficará localizado a dois passos do futuro hospital central do Algarve, que será construído Possibilidade de ligar as duas unidades de saúde no futuro.

O centro também vai Hospitalizar pacientes que necessitem durante o tratamento“Sem ser movido de um lugar para outro.”

“Muitos pacientes precisam viajar em seu próprio veículo ou em uma ambulância para fazer o tratamento de radiação todos os dias, de segunda a sexta-feira. Mas com o centro de oncologia, eles podem ficar aqui”, acrescentou Ana Vargas Gómez.

O tempo economizado no diagnóstico de pacientes aumenta Em última análise, ajudando a “salvar vidas”. Ela acredita.

O tratamento pode ser fornecido no centro 2.000 a 3.000 novos doentes por ano, mesmo necessitados do Algarve, Alentejo e Espanha.

José Apolinário, presidente da comissão de desenvolvimento regional CCDR Algarve, sublinhou que o projeto e o elevado investimento que vai exigir se justificam.As disparidades no acesso à prevenção e tratamento do câncer na região devem ser remediadas.

Entretanto, o autarca de Loulé, Vítor Aleixo, deixou bem claro que o contrato assinado garante o centro de oncologia. Administrado pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS). e não pode ser dado a outras instituições privadas.

E ao contrário do esquema do Hospital Central, que é “fortemente dependente do governo central”, o esquema do Centro de Oncologia está pronto para seguir em frente.

“Existe uma vontade financeira, política, que depende apenas das instituições regionais”, afirmou Alixo.

O projeto também foi bem recebido em Faro.

Este centro de oncologia é algo que o Algarve em particular há muito necessitava.” disse o prefeito Rogério Bacalhau.

Elogiou o trabalho da Associação de Oncologia do Algarve (AOA) ao longo dos últimos 30 anos para colmatar a falta de recursos para o tratamento oncológico na região, e sublinhou: “Temos de ir mais longe, e hoje estamos aqui. Próxima Etapa.

“Com essa facilidade, ficaremos muito melhores”, garantiu Bacalhau.

Por Michael Brooksow

[email protected]