Junho 19, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Centenas de manifestantes pró-Palestina reúnem-se em Washington para comemorar o presente e o passado doloroso

Centenas de manifestantes pró-Palestina reúnem-se em Washington para comemorar o presente e o passado doloroso

Centenas de manifestantes reuniram-se perto do Capitólio dos EUA, entoando slogans pró-Palestina e criticando os governos de Israel e dos EUA.

WASHINGTON – Centenas de manifestantes reuniram-se à vista do Capitólio, entoando slogans pró-palestinos e criticando os governos israelense e americano, ao mesmo tempo que representavam um presente doloroso – a guerra em Gaza – e um passado – o êxodo em massa de cerca de 700.000 palestinos que fugiram ou escaparam. . Eles foram forçados a sair do que hoje é Israel quando o Estado foi criado em 1948.

Cerca de 400 manifestantes enfrentaram a chuva incessante para se reunirem no National Mall no 76º aniversário da chamada Nakba, a palavra árabe para desastre. Em Janeiro, milhares de activistas pró-Palestina reuniram-se na capital do país num dos maiores protestos da memória recente.

Houve apelos para apoiar os direitos palestinos e parar imediatamente as operações militares israelitas em Gaza. As frases “Não há paz nas terras roubadas” e “Parem a matança, parem o crime/Tirem Israel da Palestina” cantavam entre a multidão.

“Biden, Biden, vocês verão seu legado de genocídio”, disseram. O presidente democrata esteve em Atlanta no sábado.

Reem Lababdi, estudante do segundo ano da Universidade George Washington, que disse ter sido pulverizada com spray de pimenta pela polícia na semana passada, quando eles desmantelaram um campo de protesto no campus, reconheceu que a chuva pareceu reduzir os números.

“Estou orgulhosa de todos que vieram neste clima para expressar suas opiniões e enviar suas mensagens”, disse ela.

A comemoração deste ano foi alimentada pela raiva relativamente ao bloqueio em curso a Gaza. A última guerra entre Israel e o Hamas começou quando o Hamas e outros militantes invadiram o sul de Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo outras 250 reféns. Os militantes palestinos ainda mantêm cerca de 100 prisioneiros e o exército israelense matou mais de 35 mil pessoas em Gaza, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, que não faz distinção entre civis e combatentes.

Há também uma indignação generalizada relativamente à repressão violenta de vários campos de protesto pró-Palestina em universidades de todo o país. Nas últimas semanas, a polícia desmantelou acampamentos de longa permanência em mais de 60 escolas.

Após a guerra árabe-israelense que se seguiu ao estabelecimento de Israel, Israel recusou permitir-lhes o regresso porque isso teria levado a uma maioria palestina dentro das fronteiras de Israel. Em vez disso, tornaram-se numa comunidade de refugiados aparentemente permanente, com cerca de 6 milhões de pessoas, a maioria dos quais vive em campos de refugiados urbanos semelhantes a bairros de lata no Líbano, na Síria, na Jordânia e na Cisjordânia ocupada por Israel. Em Gaza, os refugiados e os seus descendentes representam cerca de três quartos da população.

___

O redator da Associated Press, Joseph Krause, em Jerusalém, contribuiu para este relatório.