Abril 23, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Burkina Faso expulsa correspondentes de jornais franceses

Burkina Faso expulsa correspondentes de jornais franceses

legenda da foto,

Burkina Faso assumiu uma postura dura contra a França desde que o capitão Ibrahim Traore (centro) assumiu o poder no ano passado

Burkina Faso expulsou jornalistas de dois importantes jornais franceses, na mais recente ação contra a França pela junta militar em Burkina Faso.

Sophie Douce, do Le Monde, e Agnès Faivre, do Libération, chegaram a Paris depois de receberem 24 horas para partir.

As expulsões ocorreram depois que uma investigação do Liberation publicou um vídeo mostrando a execução de crianças em quartéis militares.

As autoridades chamaram isso de manipulação mascarada da imprensa.

Ambos os jornais condenaram as expulsões como um grande revés à liberdade de imprensa na ex-colônia francesa.

Doss disse que agentes de segurança à paisana visitaram sua casa no sábado e disseram que suas credenciais foram revogadas.

O diretor do Le Monde, Jerome Fenoglio, disse em um comunicado que os relatórios de Doss “aparentemente pareciam intoleráveis” para o regime militar que tomou o poder em um golpe em setembro passado.

O Liberation disse que a investigação de Pfeiffer sobre as mortes de crianças e adolescentes supostamente mortas em quartéis militares provavelmente desagradou as autoridades.

“Essas restrições à liberdade de informação são inaceitáveis ​​e um sinal de um poder que se recusa a permitir que suas ações sejam questionadas”, acrescentou.

A expulsão dos jornalistas é o mais recente sinal do regime de repressão do capitão Brahim Traoré à mídia francesa.

Anteriormente, havia suspendido as transmissões de dois meios de comunicação estatais, France 24 e Radio France International (RFI).

A France 24 foi suspensa no mês passado depois que as autoridades a acusaram de ser uma “agência de comunicação” para militantes ao transmitir uma entrevista com Yazid Mubarak, chefe da ala norte-africana da Al-Qaeda, também conhecida como Abu Obeida Yusef al-Annabi. .

A France 24 chamou a alegação de difamatória, dizendo que nunca havia convidado o líder da Al-Qaeda para falar diretamente sobre seus programas, e “suas palavras foram simplesmente citadas em forma de coluna, garantindo a distância e o contexto necessários”.

Em Dezembro, a RFI foi suspensa após ser acusada de divulgar falsas notícias, o que desmentiu.

Burkina Faso já foi um forte aliado da França, mas o regime militar está virando as costas para a antiga potência colonial.

Em vez disso, ele está fortalecendo os laços com a Rússia em uma tentativa de derrotar os radicais islâmicos que causaram estragos em toda a região.

Em fevereiro, as forças francesas se retiraram após receberem ordens do regime.