Julho 12, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Brasil 0 x 0 Costa Rica Conclusões: Brasileiros frustrados, gol anulado, defesa profunda

Brasil 0 x 0 Costa Rica Conclusões: Brasileiros frustrados, gol anulado, defesa profunda

Com Neymar na arquibancada, o Brasil não conseguiu marcar contra a Costa Rica na partida de abertura do Grupo D da Copa América, na noite desta segunda-feira, que terminou empatada em 0 a 0.

Embora o Brasil tivesse bastante posse de bola, a defesa profunda da Costa Rica conseguiu tramar contra seu adversário superior.

O Brasil enfrentou ainda mais frustração com uma série de chamadas questionáveis ​​dos árbitros no início, incluindo um gol de Marquinhos que foi considerado impedido pelo VAR aos 30 minutos.

Foi um começo incerto para o Brasil no SoFi Stadium, em Los Angeles, quando convocou Endrik, de 17 anos, para substituir Vinicius Junior aos 71 minutos, na tentativa de encontrar uma faísca.

O atletaJack Lang, Stuart James e Tom Harris compartilham sua visão sobre a partida…


A defesa profunda é o caminho para parar o Brasil?

Apesar do domínio da bola, ficou claro que duas das situações ofensivas mais promissoras do Brasil surgiram após raros ataques da Costa Rica no primeiro tempo. Num mundo ideal, a Seleção gostaria de jogar assim: no contra-ataque, aproveitando a franqueza de Vinicius Junior e a habilidade de Lucas Paquetá na seleção de passes. Foi assim que jogaram contra Inglaterra e Espanha em Março, permitindo a Dorival Junior ter um início promissor como treinador.

O problema é que a maioria dos partidos não atacará o Brasil com números e condenações. Como resultado, o campo é pequeno, os jogadores ficam amontoados e a velocidade não é um fator importante. Isso é muito bom se você é jogador do Manchester City e tem tempo para trabalhar nos padrões de passe. É muito mais difícil a nível internacional, e ainda mais quando o seu treinador está no comando há apenas quatro jogos.


O Brasil poderia ter feito isso com o maior artilheiro de todos os tempos, Neymar (centro), que assistiu ao jogo da arquibancada. (Buda Mendez/Getty Images)

O Brasil tem jogadores capazes de desbloquear. Paquetá é um gênio em espaços apertados e Rodrigo não fica atrás. Muitas vezes é uma questão de paciência, algo que não falta quando se trata da Seleção. Quanto mais tempo uma partida fica sem gols, mais silenciosa fica a torcida e mais aumenta a tensão no campo.

Se você for generoso, pode dizer que o Brasil criou chances suficientes para vencer a partida diversas vezes. Mas tiveram meias chances e sabem que as demais equipes do grupo se prepararão da mesma forma após esse resultado inesperado.


O Brasil pode se sentir lesado com a decisão?


Jogadores brasileiros discutem com árbitro no Estádio Sophie. (Ronald Martinez/Getty Images)

A frustração pode aumentar quando confrontado com um bloqueio defensivo como este; O Brasil tocou 48 bolas dentro da área durante 90 minutos infrutíferos, enquanto a rival Costa Rica sentou-se profundamente, absorvendo a pressão, e só conseguiu marcar dois gols.

À medida que o tempo passou e as intervenções se tornaram mais difíceis, as coisas começaram a tornar-se preocupantes. O árbitro mexicano Cesar Ramos permitiu muitos desafios importantes, incluindo um confronto desajeitado entre o lateral Haxel Quiros e Vinicius Junior no meio do primeiro tempo, em que o zagueiro atravessou o astuto ala e fez uma forte entrada na área. Os companheiros não acreditaram, deram o tom da competição acirrada.

O gol anulado pouco contribuiu para melhorar o ânimo do Brasil. Um impedimento marginal e uma longa revisão do VAR mantiveram um grupo cada vez mais agitado esperando, enquanto uma cobrança de pênalti no final do primeiro tempo irritou a maior parte do time, que protestou junto ao árbitro por quase dois minutos antes que o escanteio resultante fosse marcado. Com toda a honestidade, parecia que o braço de Juan Pablo Vargas estava escondido em segurança ao seu lado.

Outro dia, Rodrigo marcou pênalti no primeiro tempo e o Brasil garantiu uma vitória rotineira. Mas a equipe de Dorival Junior terá outro obstáculo pela frente contra o Paraguai, na sexta-feira, em um dia muito mais quente. Eles precisarão manter suas emoções sob controle.


O que a Costa Rica pode tirar desta descoberta?


Jogadores da Costa Rica se ajoelham em campo após conseguirem o empate. (Patrick T. Fallon/AFP via Getty Images)

Lindo? Número ativo? correto.

Para Gustavo Alfaro, experiente técnico da Costa Rica, foi uma daquelas raras noites em que as coisas correram taticamente como planejado. A Costa Rica certamente teve sorte em alguns momentos, já que o Brasil acertou a trave, desperdiçando inúmeras chances, e ficará triste por ter o pênalti negado no primeiro tempo. Mas a equipa de Álvaro jogou com coragem e espírito, defendendo-se e mostrando uma fiabilidade incrível.

Juan Pablo Vargas liderou habilmente um zagueiro de três homens que estava sob cerco, e atrás dele Patrick Siqueira fez algumas defesas cruciais, incluindo uma de sua autoria: Haxil Quiros tinha a expressão de um homem muito relaxado depois de cabecear para o poste mais distante . Ele foi repelido tarde. Quem precisa de Keylor Navas, certo?

Foi um resultado impressionante dadas as circunstâncias, considerando que havia preocupações reais sobre se a Costa Rica poderia perder para o Brasil. Afinal, esta é uma equipe que vazou gols em um ritmo alarmante no último ano. O Panamá marcou três gols duas vezes contra eles, e os Emirados Árabes Unidos e a Martinica marcaram quatro gols cada. Brasil? zero.


O que os gestores disseram?

Técnico da Costa Rica, Gustavo Alfaro: “Acho que houve um bom trabalho dos zagueiros e do meio-campo para limitar as chances que o Brasil tinha… Éramos Bruce Willis em O Sexto Sentido.” Todos pensaram que estávamos mortos antes do filme começar.

Técnico do Brasil, Dorival Junior: “Hoje não alcançamos os resultados que esperávamos. Eles foram muito claros sobre o plano de jogo, mesmo com todas as substituições e substituições que fizemos, a marcação foi pesada – a marcação dupla estava acontecendo em todo o campo. Criamos muitas chances. Podemos não ter sido os melhores na finalização dos ataques, mas o Brasil jogou como treinou, recuperando a bola com muita consistência, mas perdemos esses detalhes importantes.


O que vem a seguir para cada equipe?

Paraguai x Brasil – Sexta-feira, 28 de junho às 21h ET/Sábado, 29 de junho às 2h Reino Unido (Allegiant Stadium, Las Vegas, NV)

Colômbia x Costa Rica – Sexta-feira, 28 de junho às 18h ET/23h Reino Unido (State Farm Stadium, Glendale, Arizona)


Leitura obrigatória

(Imagem superior: Patrick T. Fallon/AFP via Getty Images)