julho 6, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Biden revela plano de imigração, encerrando a Cúpula das Américas

Biden revela plano de imigração, encerrando a Cúpula das Américas

LOS ANGELES (Reuters) – O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e seus colegas do Hemisfério Ocidental lançaram nesta sexta-feira um novo conjunto de medidas para enfrentar a crise migratória regional em uma tentativa de salvar a dividida Cúpula das Américas.

Assessores de Biden elogiaram a declaração de imigração como uma pedra angular da Cúpula das Américas sediada pelos Estados Unidos, e 20 países se uniram para divulgar o plano – embora muitos outros tenham recusado.

Encerrando o último dia da cúpula, a Casa Branca promoveu uma série de imigrante Programas acordados pelos países do Hemisfério e pela Espanha, que participaram como observadores, e que prometeram um enfoque mais colaborativo. Mas os analistas estavam céticos de que as promessas seriam significativas o suficiente para fazer muita diferença.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Isso inclui um compromisso dos Estados Unidos e do Canadá de receber mais trabalhadores convidados, fornecer caminhos para pessoas de países pobres trabalharem em países mais ricos e outros países concordam com mais proteções para imigrantes. O México também aceitará mais trabalhadores da América Central, de acordo com um comunicado da Casa Branca.

“Estamos mudando nossa abordagem para gerenciar a imigração nas Américas”, disse Biden. “Cada um de nós assina compromissos que reconhecem os desafios que todos compartilhamos.”

As bandeiras de 20 países, muito menos do que o número que participou da cúpula, foram decoradas no palco onde Biden liderou o lançamento. Mas esse número não foi alcançado até dias após a pressão americana.

Foi outro sinal das tensões que marcaram a cúpula, minando os esforços de Biden para reafirmar a liderança americana e combater a crescente pegada econômica da China na região.

READ  Uma tartaruga gigante foi vista atacando e comendo pequenos pássaros pela primeira vez na natureza em um acidente "terrível"

Esta mensagem foi ofuscada por um boicote de vários líderes, incluindo o presidente do México, em protesto contra a exclusão de Washington dos oponentes de esquerda dos EUA, Cuba, Venezuela e Nicarágua. A programação foi reduzida para 21 chefes de estado e de governo visitantes.

O governo, que enfrenta um fluxo recorde de imigrantes ilegais em sua fronteira sul, prometeu centenas de milhões de dólares para ajudar os imigrantes venezuelanos, renovou os procedimentos de vistos familiares para cubanos e haitianos e facilitou a contratação de trabalhadores centro-americanos. Consulte Mais informação

O anúncio veio como parte da revelação do acordo liderado pelos EUA apelidado de “Declaração de Los Angeles”, que visa espalhar a responsabilidade por toda a região para conter o problema da imigração.

O plano culmina em uma cúpula destinada a restabelecer a influência americana entre seus vizinhos do sul, após anos de relativa negligência sob o ex-presidente Donald Trump. Biden propôs uma parceria econômica para ajudar a região a se recuperar da pandemia – embora o trabalho pareça estar em andamento.

Mas quando a cúpula foi aberta na quinta-feira, líderes da Argentina e do pequeno Belize repreenderam Biden pela lista de convidados, destacando o desafio que a superpotência global enfrenta para recuperar seu lugar entre seus vizinhos mais pobres.

Na sexta-feira, Chile, Bolívia, Bahamas, Santa Lúcia, Barbados e Antígua e Barbuda se juntaram, embora Biden não estivesse presente.

“Ninguém deve descartar outro país”, disse do pódio o ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard, que substituiu o presidente Andrés Manuel López Obrador.

As sessões desta semana têm apresentado regularmente “The Liberty Bell”, do compositor americano John Philip Sousa, que ficou famosa pelo clássico show de comédia britânico Monty Python’s Flying Circus.

‘Não há nada aqui’

Autoridades americanas correram até o último minuto para persuadir governos céticos a apoiar o plano.

Na declaração, os líderes se comprometeram a “fortalecer os esforços nacionais, regionais e hemisféricos para criar condições que conduzam a uma migração segura, ordenada, humana e regular”.

Ao lado de outros líderes, Biden insistiu que “a imigração ilegal é inaceitável” e esperava que outros países se juntassem ao plano.

Eric Olson, diretor de políticas da Seattle Foundation International, chamou a declaração de “estrutura útil”, mas disse que provavelmente teria efeitos limitados no curto prazo porque não é vinculativa.

Algumas das iniciativas listadas anteriormente pela Casa Branca foram anunciadas. Os assessores de Biden elaboraram o plano de imigração em parte para ajudar a aliviar a escassez de mão de obra nos Estados Unidos.

Jorge Castaneda, o ex-ministro das Relações Exteriores mexicano, disse que as promessas das Américas devem permitir que Washington diga que garantiu compromissos “políticos adicionais” significativos com Biden. Mas ele acrescentou: “Em essência, não há nada aqui”.

O México, cuja fronteira com os Estados Unidos é o principal ponto de imigração, apoiou a declaração embora López Obrador não estivesse presente.

A ausência dos líderes da Guatemala, Honduras e El Salvador – o triângulo norte de onde vêm muitos imigrantes – levantou dúvidas sobre a eficácia das promessas. Autoridades dos EUA insistiram que a participação dos eleitores não impediu Washington de obter resultados.

A declaração inclui compromissos de vários países, incluindo México, Canadá, Costa Rica, Belize e Equador. No entanto, nenhuma menção foi feita às promessas do Brasil, o país mais populoso da América Latina.

READ  A WTA disse que ainda não conseguiu localizar a estrela do tênis chinesa Peng Shuai

O anúncio não inclui nenhuma promessa dos EUA de fornecer vistos de trabalho adicionais aos mexicanos. Um funcionário disse que fará parte da visita de López Obrador a Biden no próximo mês.

A Casa Branca disse que a Espanha prometeu “dobrar o número de cursos de ação” em Honduras. O TWP de Madrid pontua 250 hondurenhos, indicando que apenas um ligeiro aumento está previsto.

Conter a imigração irregular é a prioridade de Biden. Os republicanos, buscando recuperar o controle do Congresso nas eleições de novembro, ridicularizaram o presidente democrata por reverter as políticas restritivas de imigração do republicano Trump.

Mas a imigração teve que rivalizar com outros grandes desafios de Biden, incluindo inflação alta, tiroteios em massa e a guerra na Ucrânia.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Humira Pamuk, Dina Beth Solomon, Dave Graham, Matt Spitalnick, Trevor Honeycutt, Lisanda Paraguaso e Ted Hesson; Escrito por Matt Spitalnick; Edição por Jonathan Otis, Alistair Bell e Grant McCall

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.